Socialismo - descubra as origens históricas, suas diferentes correntes e sua influência no Brasil

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo
2/8/2022
Compartilhe com amigos

O termo socialismo surgiu antes de Karl Marx. As ideias de Marx foram responsáveis apenas por concretizar o pensamento socialista como é conhecido hoje. As primeiras ideias dessa corrente datam da revolução industrial.

Existem diferentes tipos de socialismo e, da mesma forma, suas diferentes correntes exerceram diversas influências no Brasil.

O que você vai encontrar neste artigo?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

A Origem do Socialismo

No final do século XVIII, a Europa viveu o período que ficou conhecido como Revolução Industrial. A implementação do modelo de produção fabril promoveu mudanças econômicas, urbanas e sociais.

As cidades se desenvolveram, a necessidade de mão de obra aumentou e, consequentemente, as relações sociais e familiares ganharam uma nova dinâmica.

Muito do desenvolvimento das fábricas seguiu um processo orgânico sem um planejamento e sem regras que acompanhassem as rápidas transformações.

Além do enriquecimento que as indústrias permitiram, os novos produtos e a nova relação de consumo e produção, houve problemas decorrentes do processo, como jornadas de trabalho longas, insalubres e perigosas.

Diante destes problemas, novas questões sociais foram surgindo: poluição, miséria e violência nos centros urbanos. Alguns estudiosos e pensadores se debruçaram neste cenário para entender o que estava acontecendo e como poderiam fornecer alternativas para os problemas.

A teoria socialista foi uma das vias para contornar todas as questões que o desenvolvimento industrial trouxe. Seus idealizadores almejavam uma sociedade sem desigualdades.

Os primeiros pensadores dessa corrente foram Saint-Simon, Charles Fourier e Robert Owen. Eles são considerados os primeiros pensadores socialistas.

Marx nomeou o socialismo desses três pensadores como Socialismo Utópico, porque acreditava que suas ideias nunca conseguiriam implementar a ideologia de fato.

Saint-Simon, Fourier e Owen acreditavam que o consenso social e a boa vontade em prol do bem comum levariam a sociedade ao socialismo.

As principais ideias dos socialistas utópicos são:

  • transição gradual para uma sociedade ideal;
  • cooperativismo;
  • trabalho coletivista;
  • igualdade social.

Posteriormente, Karl Marx e Friedrich Engels trouxeram uma nova proposta que consolidou o que é socialismo.

O conceito de socialismo

Em 1848, Marx e Engels escreveram o Manifesto Comunista e apresentaram ao mundo o socialismo científico.

O conceito de socialismo científico concretizou a ideia do que é socialismo, sendo uma etapa anterior ao comunismo, uma ideologia política e socioeconômica que orienta de forma prática como instaurar a revolução. A finalidade é alcançar uma sociedade igualitária, sem classes e apátrida, sem nacionalidade.

Karl Marx e Friedrich Engels eram amigos, boa parte da filosofia marxista foi pensada em conjunto por eles. Juntos eles desenvolveram os principais ensaios sobre o socialismo.

Os dois enxergavam a disputa entre classes em toda a realidade. Eles consideravam que a diferença entre patrão e empregado era uma injustiça. Por causa disso, a diferença deveria deixar de existir para que os trabalhadores não fossem mais oprimidos.

Karl Marx e Engels condenavam:

  • O sistema capitalista;
  • A propriedade privada;
  • A família;
  • A liberdade individual;
  • A religião.

Motivado por seus ideais, Marx fundou a Sociedade dos Trabalhadores Alemães para fortalecer o movimento operário europeu.

Tanto ele quanto Engels pertenciam à Liga Comunista, que defendia a luta de classes, ou seja, a guerra armada entre operários e patrões, isto é, entre proletariado e burguesia.

Eles entendiam que era necessário criar o caos na sociedade para derrubar a ordem vigente. Assim, acreditavam que do terror a ordem surgiria, bem como a igualdade. Tudo isto por meio de um governo socialista que seria implementado.

Essa noção que os dois pensadores desenvolveram tem origem nas ideias de Georg Wilhelm Friedrich Hegel.

O filósofo ensinava que do combate entre os contrários surgiria algo melhor. Em suas palavras, dizia que o embate de uma tese com sua antítese levariam a uma síntese, que seria uma nova tese a ser combatida.

Assim, tudo estaria sempre em mudança, alcançando uma síntese após a outra. Marx herdou isso e formulou seu jeito de pensar.

O socialismo científico é o verdadeiro socialismo e é ele que leva ao comunismo. Em resumo, é uma doutrina que orienta as práticas necessárias para se instaurar a revolução. Somente assim ele crê que conseguirá uma sociedade igualitária.

Socialismo científico x socialismo utópico

O socialismo pode ser entendido em duas formas básicas:

  • Socialismo utópico: Corrente de pensamento que pretende alcançar uma sociedade ideal de forma lenta, gradual e pacífica.
  • Socialismo científico: teoria socialista desenvolvida por Karl Marx, na qual ele ensina que é preciso uma revolução e uma luta armada para mudar a sociedade e acabar com as injustiças. Por isso, ele fez uma análise crítica e científica do capitalismo.

Existem outras versões e nem todas envolvem a violência. Mas a essência permanece sendo a teoria da luta de classes e a abolição da propriedade privada.

Não ter propriedade privada é não possuir nada próprio. Tudo será do Estado, que terá a responsabilidade de distribuir tudo igualmente. Na prática, o governo passa a ser o único detentor de propriedades. Isso recebe o nome de capitalismo de Estado ou Partido único.

Originalmente, o Marxismo defende que pela revolução a classe operária deve tomar os meios de produção dos burgueses e depois o governo, implementando a ditadura do proletariado, ou o socialismo.

O governo deve suprimir os burgueses para que percam a hegemonia na manutenção do poder, suprimindo-lhes as estruturas de dominação tradicionais, quais sejam, a família, a religião, as escolas, o poder e a economia.

Feita a transição das estruturas sociais, o Estado socialista é suplantado e o comunismo é a nova ordem.

Para quebrar as estruturas de classes é preciso opor: empregados contra patrões, homens contra mulheres, ricos contra pobres, negros contra brancos e homossexuais contra heterossexuais.

A intenção é levar a sociedade ao caos, dividindo-a e causando o máximo de antagonismos.

Outros características da teoria socialista

O que é socialismo também envolve:

  1. Materialismo: Tudo é material, não havendo o sobrenatural. Por consequência, somente a vida econômica importa no socialismo;
  2. Coletivismo social: A coletividade possui mais importância do que a vida de cada um considerada individualmente. A vida deixa de ser um direito natural inviolável;
  3. Finalidade da sociedade política: A finalidade é alcançar uma sociedade sem classes, sem hierarquia, considerada uma injustiça em si mesma;
  4. Comunidade total de bens: nada seria de ninguém, tudo seria de todos: “De cada qual, segundo sua capacidade, a cada qual, segundo suas necessidades”;
  5. Materialismo histórico: tudo é material, sem haver o sobrenatural. Por consequência, somente a vida econômica importa no socialismo;
  6. Coletivismo social: a coletividade possui mais importância do que a vida de cada um considerada individualmente. A vida deixa de ser um direito natural inviolável.

O socialismo influenciou de algum modo a política no Brasil?

O socialismo no Brasil

socialismo-no-brasil
Foto antiga de uma das primeiras reuniões do Partido Comunista Brasileiro.
  • Qual percurso que as ideias marxistas tomaram para chegar no Brasil? Veja esta entrevista exclusiva da Brasil Paralelo com Fernando Amed, doutor em história e escritor:

O socialismo chegou tardiamente no Brasil. Seja como teoria ou prática política, surgiu efetivamente apenas em 1922, com a fundação do Partido Comunista, um acontecimento inspirado na Revolução Russa de 1917.

A conjuntura nacional e internacional no início da década de 1930 fortaleceu o PCB, pois há uma adesão ao partido de importantes membros do tenentismo, da intelectualidade burguesa e do modernismo artístico, dentre os quais se sobressaem Luiz Carlos Prestes, Caio Prado Jr. e Oswald de Andrade.

Com o término da Segunda Guerra, por conta de sua resistência e luta contra o Estado Novo, e da vitória da União Soviética sobre o nazismo, inicia-se uma era áurea do PCB. Nesses anos, a força de sua influência favoreceu a disseminação do marxismo em amplos setores da vida política, intelectual e cultural do país.

A partir dos anos 1960, há uma dispersão do Marxismo, até então mais intensa na vida intelectual, atingindo as organizações partidárias. Em 1962, com a fundação do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), o PCB enfrenta sua primeira cisão.

Após o golpe de 1964 esse movimento se amplifica com novas cisões que culminaram na Aliança Libertadora Nacional (ALN) – comandada por Carlos Marighella e Joaquim Câmara Ferreira – e no Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR), capitaneado por Apolônio de Carvalho, Jacob Gorender e Mário Alves.

Essa fragmentação reflete as novas teorias de transição ao socialismo que chegam ao Brasil.

Após 1964, a consolidação do regime militar no Brasil fortaleceu a convicção de que a via democrática e nacional para o socialismo estava definitivamente encerrada e que a revolução só poderia ser levada adiante sob a forma da luta armada.

Vários grupos participaram da luta armada:

  • Movimento Nacionalista Revolucionário, 1966;
  • Guerrilha do Caparaó, 1967;
  • Aliança Libertadora Nacional, 1967;
  • COLINA, 1968;
  • VPR, 1968;
  • MR-8, 1970;
  • Guerrilha do Araguaia, 1972.

Enquanto a luta armada provocou mais mortes e o endurecimento da repressão do exército, os militares permitiram que as esquerdas tomassem conta das universidades, para aliviar a pressão contra os opositores em algum ponto.

Assim, pouco a pouco a intelligentsia marxista foi tomando os postos das academias brasileiras, impondo um monopólio intelectual e cultural.

A revolução socialista deixou o campo das armas e foi para o campo das ideias, para as universidades, para as escolas e enfim para os livros. Os guerrilheiros, marxistas e gramscistas converteram-se em mártires da democracia e da liberdade e fizeram propaganda para si mesmos mentindo sobre a história.

Eles formaram uma nova geração brasileira e ela foi trabalhar nos meios de comunicação, nas editoras e na educação do Brasil.

Além do avanço cultural, o avanço político foi intenso especialmente com a fundação do Partido dos Trabalhadores.

Liderado por dirigentes sindicais do ABC paulista, o PT atraiu ativistas das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), a ala marxista da Igreja Católica, ex-militantes de organizações revolucionárias, um núcleo de intelectuais de esquerda e militantes de movimentos sociais.

Foi a primeira legenda organizada após a reforma partidária que extinguiu o MDB e a Arena.

Até o PT chegar efetivamente ao poder com a eleição de Lula, em 2002, aos poucos a cultura, as instituições, a educação e a mídia foram sendo aparelhadas ao Marxismo no Brasil.

O Brasil nunca viveu um governo orientado pelo socialismo, mas as influências desta ideologia são marcantes em diversos segmentos sociais.

Sintetizar todas as influências do socialismo no Brasil em um breve artigo é algo impossível de ser feito. Segue uma lista das principais consequências desta influência com indicações que aprofundam o assunto, produções originais da Brasil Paralelo, aulas com os melhores professores e artigos dos temas:

A Brasil Paralelo é uma empresa de entretenimento e educação. Abordamos temas como história, filosofia, sociologia e política, além de termos um catálogo completo de filmes, podcasts, entrevistas e cursos próprios. Quer conhecer mais? Clique no link ou toque no botão abaixo:

Compartilhe com amigos

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outros Artigos

VER TODOS