Descubra quem é Marighella, ele foi considerado o inimigo nº1 da Ditadura Militar

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo
7/7/2022
Compartilhe com amigos
“PROCURA-SE
Marighella
Chefe Comunista — crítico de futebol em Copacabana — fã de cantadores de feira — assaltante de bancos — guerrilheiro — grande apreciador de batidas de limão”

No dia 20 de novembro de 1968, com essa interessante descrição, a revista Veja apresentou ao Brasil quem é Carlos Marighella, inimigo número um do Regime Militar. 

Exaltado por alguns como figura da resistência, criticado por outros, Marighella sem dúvidas foi uma importante personagem nacional. Conheça sua vida e biografia.

O que você vai encontrar neste artigo?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Primeiros anos

Carlos Marighella nasceu em Salvador, no dia 5 de dezembro de 1911, filho primogênito dos sete filhos de Augusto Marighella e Maria Tereza Marighella. Seu pai nasceu na Itália, país onde foi ensinado a defender as ideias anarquistas. Sua mãe era descendente dos Hauçás, povo africano que se espalha da Nigéria ao Sudão.

Augusto influenciou desde cedo as ideias de Marighella. Os ideais anarquistas, a defesa da emancipação da classe trabalhadora: todos estes pontos por que Marighella militou, herdou de seu pai.

Carlos Marighella também foi influenciado pelo pai a percorrer todo o ciclo escolar, completando o ensino secundário e o estudo de Ciências e Letras.

Durante seu período escolar, Marighella desenvolveu gosto pela escrita. Um poema de sua autoria foi usado para responder uma prova de física:

“Prova em Verso
Doutor, a sério falo, me permita,
Em versos rabiscar a prova escrita.
Espelho é a superfície que produz,
Quando polida, a reflexão da luz.
Há nos espelhos a considerar
Dois casos, quando a imagem se formar.
Caso primeiro: um ponto é que se tem;
Ao segundo um objeto é que convém
Seja figura abaixo que se vê,
O espelho seja a linha beta cê.
O ponto P um ponto dado seja,
Como raio incidente R se veja.
O raio refletido vem depois
E o raio luminoso ao ponto 2.
Foi traçada em seguida uma normal,
O ângulo I de incidência a R igual (…)”.

O Início da militância de Carlos Marighella

marighella-pc
Foto da carteira de filiação de Carlos Marighella ao Partido Comunista Brasileiro.

Em 1931, Marighella ingressou no curso de Engenharia na Escola Politécnica da Bahia. Sua vida como ativista político e militante comunista se iniciaria nesse momento. Com apenas um ano de estudos, participou da ocupação da Faculdade de Medicina da Bahia contra o governo inconstitucional de Vargas.

Junto a outros 500 estudantes, enfrentou o governo provisório. Marighella foi preso nesta ocasião.

Assim que foi solto, filiou-se ao Partido Comunista do Brasil (PCB). Por sua filiação a um partido ilegal, foi impedido de concluir seu curso universitário.

Em 1934, Marighella tornou-se um dos dirigentes do PCB, conhecido como partidão. Ele foi o responsável por organizar o braço do grupo na Bahia. No ano seguinte, o Brasil viveu uma tentativa de golpe comunista: a Intentona Comunista.

O governo de Vargas reagiu com o endurecimento das perseguições contra os comunistas. Em 1935, mesmo ano do levante comunista, Carlos Marighella foi para o Rio de Janeiro, tendo sido eleito dirigente nacional do PCB.

A perseguição aos comunistas promovida por Vargas levou Marighella a um novo cárcere. Filinto Müller foi o responsável pela prisão e tortura de Marighella.

Em 1937, depois de dois anos de prisão, Marighella foi solto por meio de um processo judicial. Manifestações políticas pressionaram o governo pela liberdade dos integrantes do PCB.

Apesar da liberdade, em apenas 5 meses longe das celas, Marighella foi preso outra vez. O governo usou o programa de rádio nacional para denunciar um suposto Plano Cohen que articulava um novo golpe comunista.

Posteriormente, descobriu-se que o plano foi uma armação do general Olímpio Mourão Filho, aliado de Vargas. O ditador Vargas, utilizando-se do suposto risco iminente, outra vez declarou estado de emergência no país e endureceu o seu regime.

Os membros do PCB foram outra vez perseguidos e presos. A liberdade de Marighella só viria com o fim da Era Vargas.

A breve carreira política de Marighella

Em 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial, o governo de Vargas teve seu desfecho. A nova república anistiou presos políticos e instaurou uma constituição democrática. Marighella foi libertado e concorreu nas eleições como Deputado Federal constituinte pela Bahia.

Sua atuação na elaboração da nova constituição concentrou-se em defender o casamento civil e o divórcio, além de questionar a forma como a liberdade religiosa foi posta na carta de 1934.

Contudo, o período de legalidade política de Marighella seria breve.

Outra vez o Partidão é posto na ilegalidade

Diante do cenário de Guerra Fria, em 1947, o Partidão foi outra vez posto na ilegalidade. O Tribunal Superior Eleitoral ajuizou uma ação que proibia as operações do partido no Brasil. O argumento é que eles faziam ponte para a instalação dos interesses russos no Brasil.

Em 1957, o Partido voltou à legalidade a partir de um ato de Juscelino Kubitschek. Só que em 1964 Marighella enfrentaria a perseguição mais intensa de toda sua trajetória como militante comunista.

Carlos Marighella e o golpe de 1964

Em 1961, Jânio Quadros renunciou à presidência do Brasil e quem assumiu foi seu vice, João Goulart, que tinha ligações com as outras ditaduras populistas latino-americanas. Ele estava na China comunista de Mao Tsé-Tung quando houve a renúncia.

Jango sustentava teses de esquerda, mesmo que o Brasil não as quisesse. Ele começou uma política econômica intervencionista, desenvolvimentista, emissionista e inflacionária. A inflação atingiu 100% ao ano e a situação era insustentável.

Em meio a tudo isso, Goulart concluiu que o melhor era se unir à extrema esquerda e ainda encorajava os grupos a fazer greves para pressionar o Congresso.

Com a presença da KGB no Brasil, com guerrilheiros treinados em Cuba e com a ajuda da STB, as tensões só aumentaram.

Em 1962, já se sabia da existência de pelo menos oito campos de treinamento das ligas camponesas do Brasil que tiveram treinamento de guerrilha em Cuba. O país estava tomado por uma tensa polarização.

Diante do quadro de tensão, Marighella defendeu a necessidade de o PCB organizar uma resistência armada. A ideia não foi bem recebida pela diretoria do partido, o que levou a um afastamento de Carlos Marighella da organização.

Na madrugada de 31 de março de 1964, correu o boato de que tropas do exército saíram do Rio de Janeiro e de Minas Gerais rumo à Brasília para depor o presidente.

Marighella, consciente de que seria alvo dos militares, fugiu na madrugada com sua esposa. Vivendo na ilegalidade, fugia constantemente dos militares e da perseguição do novo regime

  • Leitura recomendada: 1964, tudo sobre o regime militar.

Treinamento em Cuba

Em 1967, Carlos Marighella passou um período em Cuba. A ilha era um local que oferecia treinamento de guerrilha para pessoas que desejassem militar pelo socialismo ao redor do mundo. Marighella recebeu esse treinamento antes de retornar ao Brasil.

Ainda em Cuba, foi expulso do PCB por ter escrito uma carta discordando do posicionamento do partido.

Assim que retornou ao Brasil, em 1968, fundou um grupo focado na luta armada. Assim Marighella fundou a Aliança Nacional Libertadora (ALN), em 1968.

A organização concentrava militantes dissidentes do PCB e outros defensores da derrubada do regime a partir da luta armada.

O grupo guerrilheiro foi responsável por uma ação impactante: o sequestro do embaixador americano Charles Elbrick. O resgate do político foi a soltura de 15 presos políticos.

Dentre as ações da ALN estavam:

  • roubo a bancos;
  • roubo a quartéis;
  • roubo a estabelecimentos comerciais;
  • sequestro de pessoas;
  • tortura de inocentes;
  • fuzilamento de inimigos da revolução;
  • ações de guerrilha urbana;
  • sabotagem das vias e instituições públicas;
  • explosão de bombas em locais públicos;
  • difusão e propaganda de ideias socialistas e comunistas.

Os objetivos, por mais que hoje se digam por muitos que era a luta pela democracia, o real intento da ALN e todos os grupos guerrilheiros, era:

  • a derrubada do regime militar;
  • a substituição de uma ditadura militar por uma ditadura socialista;
  • a tomada do poder pela revolução.

O Marighella, que muitas vezes é retratado em livros de história e foi recentemente romantizado nas telas do cinema, está distante do que realmente foi o personagem real.

Carlos Marighella como o filme não mostra

marighella-veja
Capa icônica da revista Veja denunciando Marighella.

O terrorismo revolucionário tornou-se cotidiano; o crime, o medo e o sangue marcaram presença na vida dos brasileiros. Assaltos a bancos e a estabelecimentos comerciais, explosão de bombas em lugares públicos, fuzilamento e tortura de pessoas inocentes. Os revolucionários assassinavam até mesmo seus próprios colegas que quisessem desistir da luta armada.

Os comunistas brasileiros seguiam o exemplo de seus camaradas ideológicos, que em outros países já haviam assassinado mais de 50 milhões em nome da revolução. O holodomor, a crise de 1932 e os gulags são apenas alguns dos momentos que complementam este número.

Bandidos e terroristas, hoje venerados como heróis nacionais, sequestraram, torturaram e assassinaram inocentes em nome de seus ideais. Esta é uma verdade pouco noticiada nos anos seguintes pela imprensa e academia brasileira, que tratou tudo como uma “luta contra a ditadura e pela democracia”.

Os revolucionários não lutavam por liberdade, democracia ou direitos humanos, mas queriam substituir a ditadura militar por uma ditadura proletária, socialista.

Derrubar o regime militar era o pretexto utilizado para atrair militantes para a causa principal: instalar a ditadura comunista. Havia dezenas de grupos que, com brutalidade e frieza, cometiam atrocidades contra o povo brasileiro.

Carlos Marighella, juntamente com grupos ligados à Teologia da Libertação, foi o responsável pela criação do grupo terrorista mais perigoso do país: a Aliança Libertadora Nacional.

Autor do livro Mini Manual do Guerrilheiro Urbano, publicado em junho de 1969, Marighella divulgou todas as táticas e objetivos dos grupos terroristas que seguiam à risca seus ensinamentos cruéis:

  1. matar policiais e membros do exército;
  2. preparar bombas;
  3. assaltar;
  4. sequestrar;
  5. fazer terrorismo;
  6. executar colegas que desertassem.

Veja um trecho de seu manual:

É claro que o conflito armado do guerrilheiro urbano também tem outro objetivo. Mas aqui nos referimos aos objetivos básicos, sobretudo às expropriações. É necessário que todo guerrilheiro urbano tenha em mente que somente poderá sobreviver se está disposto a matar os policiais e todos aqueles dedicados à repressão, e se está verdadeiramente dedicado a expropriar a riqueza dos grandes capitalistas, dos latifundiários e dos imperialistas. (Manual do Guerrilheiro Urbano, Sabotagem. Ed. 2003, p. 7).

Mesmo assim, em 2013, Marighella foi homenageado em sessão solene no Senado Federal pelo que chamaram de “luta social”. Ele também recebeu filmes que exaltavam seus feitos, mesmo que fossem de barbárie e de crime.

Não é de hoje que a mídia e outros grupos exaltam figuras controversas que se envolveram diretamente com o crime.

Um tema sério que está sendo tratado de forma irresponsável. A mídia mostra o mesmo recorte o tempo todo. O recorte que muitas vezes abafa a voz das verdadeiras vítimas.

Eis que surge a necessidade de uma empresa independente, como a Brasil Paralelo.

Pensando na crise de insegurança em que vivemos, a Brasil Paralelo acaba de lançar a trilogia Entre Lobos — Uma investigação inédita sobre a criminalidade no Brasil.

O maior documentário já feito sobre segurança pública no Brasil. 

A maioria das produções contam a história dos criminosos. A Brasil Paralelo fez o oposto. Nossa nova trilogia mostra a realidade das verdadeiras vítimas e daqueles que vivem o problema do crime diariamente.

Assista agora a trilogia completa de Entre Lobos no app e na plataforma de assinantes da Brasil Paralelo.

Toque no link e saiba mais.

Como foi a morte de Marighella?

Em 1969, os agentes do DOPS (Departamento de Operações Especiais) conseguiram emboscar o guerrilheiro. Foi descoberto pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury que Marighella mantinha contato com frades dominicanos em São Paulo.

Alguns desses religiosos foram detidos e obrigados a marcar um encontro com o guerrilheiro na Rua Alameda Casa Branca, no bairro Jardins. Na noite de 4 de novembro, Marighella se aproximou para encontrar os frades.

Frade Ivo e Frade Fernando estavam no local marcado. Junto deles, os delegados do DOPS estavam escondidos num carro. Assim que Marighella surgiu, os agentes deram voz de prisão. Segundo o boletim de ocorrência, Marighella sacou uma arma e foi logo alvejado pelos agentes.

Existem biógrafos que defendem que Marighella não estava armado. Existem 3 principais versões deste fato que são contadas:

  1. Marighella portava um revólver Taurus Calibre 32;
  2. Marighella estava desarmado e foi alvejado sem motivo aparente;
  3. Marighella portava cápsulas de cianeto de potássio, que tentou tomar para suicidar-se.

Independente do que portava, o terrorista Marighella, responsável por roubos, sequestros, torturas e assassinatos, foi morto com os tiros dos delegados do DOPS.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre quem é Carlos Marighella?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Compartilhe com amigos

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outros Artigos

VER TODOS