Devido ao lançamento da série A Sétima Arte, não teremos os programas diários nessa semana. Retornaremos com a programação normal no dia 01 de novembro.

Como o Marxismo se infiltrou no Brasil? Veja a opinião do escritor Percival Puggina

Redação Brasil Paralelo
“No caso brasileiro, convém ao marxismo plantar no povo brasileiro aquele complexo de cachorro vira-lata ou, numa leitura de Nelson Rodrigues, o complexo da ‘cabra vadia no terreno baldio’, porque convém para ele que o cidadão brasileiro se sinta perdido perante a sua realidade, sem noção de quem ele é. Dizer-se isso de uma nação com a história que o Brasil tem, os cinco séculos de construção, dizer-se, fixar-se, implantar-se e arrancar-se as raízes que foram cuidadosamente postas ao longo dessa história e nos vinculam a elevadas tradições do ocidente, fazer disso terra arrasada, desmatar o campo, para deixar o terreno livre para que se plantem outras coisas é uma obra perversa que está em curso”.

Para o professor e escritor Percival Puggina, uma das consequências do Marxismo no Brasil é a tentativa sistemática de destruição da história brasileira. O objetivo desta obra é claro e envolve um projeto político…

Descubra o que é Marxismo e quais as consequências ele tem legado para o Brasil.

O que você vai encontrar nesta entrevista?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

O que é marxismo?

Marxismo é o nome dado à doutrina política do sociólogo alemão Karl Marx. Dá-se posteriormente o nome à sua obra, o que também engloba toda uma corrente de pensadores que se inspiraram no seu trabalho.

Originalmente, o Marxismo defende que pela revolução a classe operária deve tomar os meios de produção dos burgueses e depois o governo, implementando a ditadura do proletariado, ou o socialismo.

  • Quem foi Karl Marx e quais foram suas principais ideias? Veja este resumo completo!

O governo deve suprimir os burgueses para que percam a hegemonia na manutenção do poder, suprimindo-lhes as estruturas de dominação tradicionais, quais sejam, a família, a religião, as escolas, o poder e a economia. 

Feita a transição das estruturas sociais, o Estado é suplantado e o comunismo é a nova ordem.

Para quebrar as estruturas de classes é preciso opor: empregados contra patrões, homens contra mulheres, ricos contra pobres, negros contra brancos e homossexuais contra heterossexuais.

A intenção é levar a sociedade ao caos, dividindo-a e causando o máximo de antagonismos.

Quanto ao Estado, precisaria de mais poder político para forçar a sociedade em um molde ideológico, de normas arbitrárias. Tudo isso pode ser conferido nas afirmações de célebres socialistas e figuram no Livro Negro do Comunismo.

Outra famosa ideia defendida por Marx é a comunidade total dos bens, segundo a qual nada é de ninguém e tudo é de todos.

“De cada qual, segundo sua capacidade, a cada qual, segundo suas necessidades”.

Todavia, na história da humanidade, isso não se verificou, porque cada homem se dedica mais ao que é seu e não vê razão em outros gozarem de um fruto pelo qual não trabalharam.

Mas não só essas ideias definem o que é o Marxismo.

O que prega o Marxismo?

Para entender o que prega a corrente marxista e, principalmente, o que defende o Marxismo no Brasil, é necessário passar por um resumo das principais ideias de cada teórico.

Karl Marx

O socialismo científico está entre as principais ideias de Karl Marx e é ele que leva ao comunismo. Em resumo, é uma doutrina que orienta as práticas necessárias para se instaurar a revolução. Somente assim ele crê que conseguirá uma sociedade igualitária.

O socialismo pode ser entendido em duas formas básicas:

  • socialismo utópico: corrente de pensamento que pretende alcançar uma sociedade ideal de forma lenta, gradual e pacífica;
  • socialismo científico: é a principal ideia de Karl Marx, segundo a qual é preciso uma revolução e uma luta armada para mudar a sociedade e acabar com as injustiças. Por isso, ele fez uma análise crítica e científica do capitalismo.

Outros pontos importantes da doutrina marxista são:

  • a teoria da luta de classes: a dialética marxista propõe que é a luta entre as classes oprimidas e os opressores que movem a história e promovem transformações sociais; 
  • a abolição da propriedade privada; 
  • materialismo histórico: tudo é material, sem haver o sobrenatural. Por consequência, somente a vida econômica importa no socialismo; 
  • coletivismo social: a coletividade possui mais importância do que a vida de cada um considerada individualmente. A vida deixa de ser um direito natural inviolável;
  • finalidade da sociedade política: a finalidade é alcançar uma sociedade sem classes, sem hierarquia, considerada uma injustiça em si mesma;
  • a ideia de superestrutura: são todas as instituições que prestam o papel de dominação das classes, o governo, a família, a igreja; 
  • a ideia de infraestrutura: são os trabalhadores, a classe dominada que sustenta o sistema econômico e político.

Lenin

O líder da Revolução Russa se inspirou na sociedade ideal defendida por Marx para encaminhar a transformação do seu país. Porém, adaptou a teoria Marxista à realidade russa.

Como a Rússia ainda era um reino agrário quase nada industrializado, não era possível utilizar do proletariado como força revolucionária contra o burguês opressor.

Para isso, os camponeses se tornam os agentes da luta.

Outro ponto importante era convencer os camponeses a pegar em armas. Como não seriam capazes de quebrar a vida tradicional que levavam, tomar consciência de sua condição de classe oprimida, promover a luta de classes e a revolução, era necessário um grupo de vanguarda.

Uma vanguarda que tomasse a frente do processo revolucionário, de suas ideias e conduzisse os agentes camponeses em prol da transformação da sociedade. Como foi feito na Rússia.

Antonio Gramsci

Antonio Gramsci foi um teórico alemão do partido comunista italiano responsável por compreender que era perda de tempo fazer uma revolução armada

Empreender uma guerra para conseguir o poder a fim de tomar o Estado para implementar o socialismo através da planificação da economia e de tudo aquilo que a teoria socialista propunha, para Gramsci não era a melhor opção.

Ele argumentou que era mais fácil, por meio das instituições culturais, fazer as pessoas acreditarem que o sistema não vale nada e que o socialismo é a melhor opção.

Gramsci entendia que a revolução cultural era uma frente de batalha muito mais viável que o estado de armas implementado por Lênin na União Soviética.

  • Contribua para que mais artigos como este continuem a ser produzidos e torne-se Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 mensais. Além disso, você acessa materiais exclusivos todos os meses e ajuda na expansão e continuidade deste trabalho.

Escola de Frankfurt

Provavelmente a maior influência do Marxismo no Brasil, a escola de Frankfurt foi uma escola de pensamento que surgiu sob o nome de Instituto de Pesquisas Sociais na Universidade de Frankfurt, Alemanha.

Suas ideias são um desenvolvimento da teoria do Antonio Gramsci.  

Desde o princípio, foi criada com a finalidade de destruir a cultura ocidental, atacando o capitalismo, a dimensão religiosa da vida e a tradição clássica.

O marxismo original foi adaptado para que influenciasse o Ocidente e mudasse a cultura por meio das ideias e da linguagem, alterando os hábitos das pessoas.

Os principais pensadores da Escola de Frankfurt eram filósofos ou sociólogos marxistas, como:

  • Max Horkheimer;
  • Friedrich Pollock;
  • Theodor Adorno;
  • Herbert Marcuse;
  • Erich Fromm;
  • Jurgen Habermas;
  • Wilhelm Reich.

As ideias desses teóricos permanecem vivas nos dias de hoje, sobretudo nas universidades e nas grandes mídias de comunicação. A partir do ensino acadêmico e da formação de novos profissionais, as ideias frankfurtianas permeiam a cultura.

  • Entenda a fundo o papel desempenhado pela Escola de Frankfurt. A guerra cultural se iniciou com suas teorias.

A Escola de Frankfurt insere-se no contexto histórico do século XX. Apesar das duas guerras mundiais, os trabalhadores não se uniram contra seus patrões como Marx previa. Além disso, devido à Revolução Russa, as discussões sobre a implementação de regimes socialistas se fortaleceram.

A queda do Muro de Berlim não significou o fim das ideias socialistas. Ao contrário, seu aparente fim serviu para fortalecê-las no Ocidente. Não há dúvidas de que os Estados Unidos venceram militarmente, mas a verdade é que o povo americano entregou sua cultura ao inimigo.

Fundamentalmente, os pensadores de Frankfurt desenvolveram dois importantes conceitos:

  • teoria crítica: a teoria tradicional foi criada para ser neutra, mas a teoria crítica para destruir a realidade e reconstruí-la segundo a ideologia marxista. Tradicionalmente, estudam-se os conceitos, e apenas depois de entender a realidade de forma objetiva e verdadeira, analisa-se quais ações eram necessárias para gerar alguma mudança. A teoria crítica, ao contrário, critica o máximo possível as condições sociopolíticas e econômicas, focando não a análise da realidade, mas a crítica em primeiro lugar. A teoria crítica é a politização da lógica;
  • indústria cultural: de acordo com a teoria formulada na Escola de Frankfurt, a sociedade está permeada de uma lógica proposital, que cria um padrão artístico e cultural da mesma forma que uma fábrica produz seus bens em uma esteira de produção. Os valores tradicionais, capitalistas e burgueses, padronizados, perpetuam-se pela indústria cultural. A conclusão a que esses pensadores chegaram é que a militância, a revolução cultural e uma nova educação artística seriam fundamentais para a libertação da opressão que atinge a sociedade.
“O processo de destruição da capacidade de compreensão e a tentativa e o esforço de iludir o estudante, o observador, aquele que é alvo de um processo de deformação, de desinformação, ele produz consequências adiante, produz consequências na própria história.” Percival Puggina 

Essas estratégias são os pilares do Marxismo moderno.

  • Entenda como a sociedade pode ser manipulada por meio das estratégias da Janela de Overton.

Saul Alinsky

legados do marxismo no Brasil

Saul Alinsky foi um grande estrategista político que comungava de ideais marxistas e encontrou meios de implementá-los na sociedade. Era filho de russos que imigraram para os Estados Unidos e tinha em Lênin um grande ídolo.

Honrou seu lema:

A revolução se faz escondida.

Seu principal livro, Regras para Radicais, contém seu itinerário para promover uma revolução marxista.

Para entender suas ideias, um importante episódio de sua vida resume bem:  

Ele estava se reunindo com um grupo de militantes que tinham decidido fazer uma manifestação contra o Bush pai. 

Alinsky estava no meio do movimento, mas ainda era desconhecido da militância e as pessoas estavam discutindo sobre posições e ações. Os militantes estavam sugerindo acusar o Bush pai de ser assassino e de apoiar racistas. 

Alinsky, então, compartilhou sua ideia: vestir alguns indivíduos com roupas da Ku Klux Klan (KKK), movimento mais racista da história dos EUA, para que, em determinado momento, no meio da manifestação, declarassem apoio a Bush. 

Para ele, isso seria muito mais eficiente do que um protesto de oposição. 

Além disso, propôs que ligassem para jornalistas, a fim de que cobrissem a manifestação, para infiltrar-se, na mídia, a narrativa de que a KKK apoiava o Bush. 

Como a investigação para descobrir se eram ou não membros da KKK e reportar a notícia real demora muito tempo, a notícia falsa já estaria disseminada.

Assim, o resumo de suas estratégias consiste em:

  • dividir a sociedade em classes ou minorias e criar oposições que permitam a tomada de espaços;
  • apresentar-se como o candidato que representa as minorias oprimidas;
  • a destruição do adversário político, mesmo que seja necessário a difamação com acusações de machista, homofóbico, racista, etc.;
  • os políticos não devem se basear em qualquer moralidade para vencer eleições e tomarem cargos; a ética é algo criado pela elite dominante;
  • um candidato de esquerda não deve revelar todas as suas propostas políticas, somente as que têm apelo popular;
  • a criação de ONGs, uma espécie de governo paralelo que representa um grupo, interesses e coordena sua ação. A ONG concentra o poder político de um lobby, um bloco de votos, uma militância, recursos, e tudo isso pode ser utilizado em favor próprio.

Outro episódio marcante de sua vida, foi a entrevista que deu acerca da questão do objetivo das ONGs. O entrevistador lhe perguntou qual era o objetivo da ONG, e ele, talvez levado pelo momento, respondeu: “O problema nunca é o problema. O problema é sempre a revolução”.

Foi Saul Alinsky e a Escola de Frankfurt que deram origem à chamada nova esquerda, que domina a ação do Marxismo no Brasil.

  • Um dos filhos da nova esquerda foi a contracultura e a revolução sexual . Entenda o que reivindicavam e as consequências deste movimento.

Quais pensadores e grupos brasileiros foram influenciados pelo Marxismo?

Veja este trecho da série “Brasil — A Última Cruzada”, o professor Fernando Amed traça um mapa da chegada das ideias marxistas ao Brasil:

O marxismo chegou tardiamente no Brasil. Seja como teoria ou prática política, surgiu efetivamente apenas em 1922, com a fundação do Partido Comunista, um acontecimento inspirado na Revolução Russa de 1917.

A conjuntura nacional e internacional no início da década de 1930 fortaleceu o PCB, pois há uma adesão ao partido de importantes membros do tenentismo, da intelectualidade burguesa e do modernismo artístico, dentre os quais se sobressaem Luiz Carlos Prestes, Caio Prado Jr. e Oswald de Andrade. 

Com o término da Segunda Guerra, por conta de sua resistência e luta contra o Estado Novo, e da vitória da União Soviética sobre o nazismo, inicia-se uma era áurea do PCB. Nesses anos, a força de sua influência favoreceu a disseminação do marxismo em amplos setores da vida política, intelectual e cultural do país.

A partir dos anos 1960, há uma dispersão do Marxismo, até então mais intensa na vida intelectual, atingindo as organizações partidárias. Em 1962, com a fundação do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), o PCB enfrenta sua primeira cisão.

influência do marxismo no Brasil

Após o golpe de 1964 esse movimento se amplifica com novas cisões que culminaram na Aliança Libertadora Nacional (ALN) – comandada por Carlos Marighella e Joaquim Câmara Ferreira – e no Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR), capitaneado por Apolônio de Carvalho, Jacob Gorender e Mário Alves.

Essa fragmentação reflete as novas teorias de transição ao socialismo que chega no Brasil.

Após 1964, a consolidação do regime militar no Brasil fortaleceu a convicção de que a via democrática e nacional para o socialismo estava definitivamente encerrada e que a revolução só poderia ser levada adiante sob a forma da luta armada.

Vários grupos participaram da luta armada:

  • Movimento Nacionalista Revolucionário, 1966;
  • Guerrilha do Caparaó, 1967;
  • Aliança Libertadora Nacional, 1967;
  • COLINA, 1968;
  • VPR, 1968;
  • MR-8, 1970;
  • Guerrilha do Araguaia, 1972.

Enquanto a luta armada provocou mais mortes e o endurecimento da repressão do exército, os militares permitiram que as esquerdas tomassem conta das universidades, para aliviar a pressão contra os opositores em algum ponto.

  • Ditadura Militar no Brasil ou Regime Militar? Entenda definitivamente como foi o Golpe de 64.

Assim, pouco a pouco a intelligentsia marxista foi tomando os postos das academias brasileiras, impondo um monopólio intelectual e cultural.

A revolução deixou o campo das armas e foi para o campo das ideias, para as universidades, para as escolas e enfim para os livros. Os guerrilheiros, marxistas e gramscistas converteram-se em mártires da democracia e da liberdade e fizeram propaganda para si mesmos mentindo sobre a história.

Eles formaram uma nova geração brasileira e ela foi trabalhar nos meios de comunicação, nas editoras e na educação do Brasil.

Além do avanço cultural, o avanço político foi intenso especialmente com a fundação do Partido dos Trabalhadores.

Liderado por dirigentes sindicais do ABC paulista, o PT atraiu ativistas das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), a ala marxista da Igreja Católica, ex-militantes de organizações revolucionárias, um núcleo de intelectuais de esquerda e militantes de movimentos sociais.

Foi a primeira legenda organizada após a reforma partidária que extinguiu o MDB e a Arena.

Até o PT chegar efetivamente ao poder com a eleição de Lula, em 2002, aos poucos a cultura, as instituições, a educação e a mídia foram sendo aparelhadas ao Marxismo no Brasil.

  • Torne-se Membro do Núcleo de Formação da Brasil Paralelo para ter acesso ao Núcleo de Formação. Você terá conteúdos exclusivos de todos os documentários e acesso a dezenas de cursos sobre história, filosofia, economia, arte e educação. Aprenda com os grandes pensadores da humanidade e receba conteúdo inédito todos os meses.

Os legados do Marxismo no Brasil

Marxismo no PT e Foro de São Paulo

Sintetizar todos os legados do Marxismo no Brasil em um breve artigo é algo impossível de ser feito. Segue uma lista das principais consequências desta influência com indicações que aprofundam o assunto, produções originais da Brasil Paralelo, aulas com os melhores professores e artigos dos temas:

a falsificação da história do Brasil: Brasil — A Última Cruzada e este trecho do professor Percival Puggina que resume ponto a ponto de como a ideologia marxista da luta de classes deturpou a história brasileira:

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre Marxismo no Brasil?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outras entrevistas

VER TODAS