Quais são as principais ideias de Karl Marx?

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo

O que as principais ideias de Karl Marx revelam sobre sua visão de mundo? Ele foi o principal ideólogo do socialismo, cuja finalidade é o comunismo. Sua filosofia foi interpretada e colocada em prática de diferentes formas e a história nunca mais foi a mesma.

Este artigo apresenta um resumo das suas ideias mais populares. Mas, como em todo estudo aprofundado, o entendimento mais completo deve ser alcançado com a leitura das obras do autor e de seus principais comentadores.

Índice de conteúdo

  1. Introdução;
  2. Quem foi Karl Marx? Resumo de sua biografia;
  3. A relação de Marx e Friedrich Engels;
  4. Quais são as principais ideias de Karl Marx?
  5. Qual a ideia central do marxismo?
  6. O que é comunismo?
  7. Consequências do socialismo na história;
  8. Quais são as obras de Karl Marx?

Introdução

As principais ideias de karl Marx, suas ideias mais notáveis, são: a transição gradual para o comunismo, a ditadura do proletariado, o materialismo histórico e materialismo dialético, o socialismo científico, o modo de produção, a mais-valia, a luta de classes, a teoria marxista da ideologia e da alienação e o fetichismo da mercadoria.

Entender esses tópicos é um bom primeiro passo para os que se interessam por esse autor. Porém, antes da explicação, segue abaixo uma pequena biografia de Marx.

Quem foi Karl Marx? Resumo de sua biografia

Principais-ideias-de-Karl-Marx

Karl Marx nasceu em 05 de maio de 1818 em Tréveris, na Alemanha. Foi filósofo, político, economista, sociólogo e jornalista. Sua família era de judeus de classe média.

Quando adolescente, ingressou na Universidade de Bonn. Estava cursando Direito quando começou a se engajar na política estudantil. Não muito tempo depois, ele se transferiu para a Universidade de Berlim, onde conheceu o pensamento de Hegel, outro conhecido filósofo da modernidade.

Desse momento em diante, ele passou a condenar mais fortemente tanto o Estado quanto a religião.

Nesse período conheceu Jenny. Foi com ela que se casou em 1843 e com quem teve 7 filhos. Havia um outro filho, fruto de suas relações com a empregada socialista que havia contratado, chamada Helena Demuth. Porém, ele não assumiu a paternidade e não ajudou na criação.

Seu envolvimento com a filosofia hegeliana se fortalecia cada vez mais, bem como sua participação em grupos de esquerda. Por isso, transferiu-se para o curso de filosofia e nele permaneceu até obter o doutorado.

Marx se mudou para a cidade de Colônia e lá conheceu Engels, também filósofo, que se tornou seu amigo. Nessa cidade, Marx assumiu a diretoria do jornal Gazeta Renana. Quando esse jornal fechou, ele se mudou para Paris.

Dois anos após Jenny morrer, Marx passou por uma depressão. Somou-se a isso uma infecção na garganta que o impedia de se alimentar ou falar adequadamente. Com mais complicações, ele teve problemas no sistema respiratório.

Karl Marx morreu em 14 de março de 1883.

Sabendo ao menos um pouco de como foi sua vida, as principais ideias de Karl Marx podem ser melhor resumidas.

A relação de Marx e Friedrich Engels

Marx-e-Friedrich-Engels

Para entender quais são as principais ideias de Karl Marx é preciso conhecer a influência que Engels exerceu sobre ele.

Engels era seu amigo e boa parte da filosofia marxista foi pensada com sua ajuda. Juntos eles desenvolveram os ensaios sobre o socialismo.

Os dois enxergavam a disputa entre classes em toda a realidade. Eles consideravam que a diferença entre patrão e empregado era uma injustiça. Por causa disso, a diferença deveria deixar de existir para que os trabalhadores não fossem mais oprimidos.

Karl Marx e Engels condenavam:

  • O sistema capitalista;
  • A propriedade privada;
  • A família;
  • A liberdade individual;
  • A religião.

Motivado por seus ideais, Marx fundou a Sociedade dos Trabalhadores Alemães para fortalecer o movimento operário europeu.

Tanto ele quanto Engels pertenciam à Liga Comunista, que defendia a luta de classes, ou seja, a guerra armada entre operários e patrões, isto é, entre proletariado e burguesia.

Eles entendiam que era necessário criar o caos na sociedade para derrubar a ordem vigente. Assim, acreditavam que do terror a ordem surgiria, bem como a igualdade. Esse modo de pensar é originalmente hegeliano, tópico que ainda será melhor explicado.

Hegel ensinava que do combate entre os contrários surgiria algo melhor. Em suas palavras, dizia que o embate de uma tese com sua antítese levariam a uma síntese, que seria uma nova tese a ser combatida.

Assim, tudo estaria sempre em mudança, alcançando uma síntese após a outra. Marx herdou isso e formulou seu jeito de pensar.

  • Contribua para que mais artigos como este continuem a ser produzidos e torne-se Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 mensais. Além disso, você acessa materiais exclusivos todos os meses e ajuda na expansão e continuidade deste trabalho.

Quais são as principais ideias de Karl Marx?

O socialismo científico está entre as principais ideias de Karl Marx e é ele que leva ao comunismo. Em resumo, é uma doutrina que orienta as práticas necessárias para se instaurar a revolução. Somente assim ele crê que conseguirá uma sociedade igualitária.

O socialismo pode ser entendido em duas formas básicas:

  • Socialismo utópico: Corrente de pensamento que pretende alcançar uma sociedade ideal de forma lenta, gradual e pacífica.
  • Socialismo científico: É a principal ideia de Karl Marx, na qual ele ensina que é preciso uma revolução e uma luta armada para mudar a sociedade e acabar com as injustiças. Por isso, ele fez uma análise crítica e científica do capitalismo.

Existem outras versões e nem todas envolvem a violência. Mas a essência permanece sendo a teoria da luta de classes e a abolição da propriedade privada.

Não ter propriedade privada é não possuir nada próprio. Tudo será do Estado, que terá a responsabilidade de distribuir tudo igualmente. Na prática, o governo passa a ser o único detentor de propriedades. Isso recebe o nome de capitalismo de Estado ou Partido único.

O livro A Ordem Natural, de Carlos Alberto Sacheri, apresenta ainda mais detalhes sobre esse tema.

Além desse ponto, a filosofia marxista também envolve:

  1. Materialismo: Tudo é material, não havendo o sobrenatural. Por consequência, somente a vida econômica importa no socialismo.
  2. Coletivismo social: A coletividade possui mais importância do que a vida de cada um considerada individualmente. A vida deixa de ser um direito natural inviolável.
  3. Finalidade da sociedade política: A finalidade é alcançar uma sociedade sem classes, sem hierarquia, considerada uma injustiça em si mesma.
  • Conheça o Distributismo, uma terceira via ao socialismo e ao capitalismo.

O que Marx defendia?

Em sua forma pura, o marxismo defende que pela revolução a classe operária deve tomar os meios de produção dos burgueses. O governo, por sua vez, deve suprimir os burgueses para que percam a hegemonia na manutenção do poder, que constituem juntos a infraestrutura e a superestrutura.

A superestrutura é a dominação das classes. Os trabalhadores, com sua força de produção, formam a infraestrutura. A superestrutura é pensada para manter os operários alienados.

Marx defendia que o comunismo seria alcançado mediante a ditadura do proletariado (socialismo). Somente dessa forma as estruturas sociais seriam alteradas.

Para quebrar as estruturas de classes é preciso opor: empregados contra patrões, homens contra mulheres, ricos contra pobres, negros contra brancos e homossexuais contra heterossexuais.

A intenção é levar a sociedade ao caos, dividindo-a e causando o máximo de antagonismos.

Quanto ao Estado, precisaria de mais poder político para forçar a sociedade em um molde ideológico, com normas arbitrárias. Tudo isso pode ser conferido nas afirmações de célebres socialistas e estão no Livro Negro do Comunismo.

Outra famosa ideia defendia por Marx é a comunidade total dos bens, em que nada seria de ninguém, tudo seria de todos.

“De cada qual, segundo sua capacidade, a cada qual, segundo suas necessidades.”

Mas na história da humanidade, isso não se verificou, porque cada homem se dedica mais ao que é seu e não vê razão em outros gozarem de um fruto pelo qual não trabalharam.

Qual a ideia central do marxismo?

O marxismo é uma teoria que pretende entender, explicar e transformar a organização política social, além de mudar as ideias dominantes de um período. Para isso, Karl Marx buscou captar as dinâmicas do modo de produção capitalista de modo científico.

Ideologia marxista

A ideologia no pensamento marxista (materialismo dialético) é um conjunto elaborado de proposições na sociedade burguesa. Essa ideologia tem a finalidade de fazer aparentar os interesses da classe dominante com o interesse coletivo, construindo uma hegemonia opressora.

Essa noção está diretamente ligada à noção de alienação.

Teoria da alienação de Karl Marx

De acordo com Marx, alienação é todo tipo de dependência entre os homens. Ele não faz distinção se a dependência é justa ou injusta. A alienação é um dos principais tópicos da filosofia marxista e pode ser desmembrada da seguinte forma:

  • Alienação econômica: Dependência causada pelo fato de uns terem propriedade privada e outros não;
  • Alienação social: Dependência causada pela diferença de classes;
  • Alienação política: Dependência causada pela presença coercitiva do Estado, um mal necessário até que se alcance o comunismo;
  • Alienação ideológica: Dependência causada por causa da filosofia;
  • Alienação religiosa: Dependência causada pela pregação de que há um Deus e pela submissão das pessoas à uma doutrina de fé.
“Os filósofos limitaram-se a interpretar o mundo de diversas maneiras; o que importa é modificá-lo.”

Materialismo histórico dialético

Influenciado por Hegel e por Engels, Marx defendeu que vivemos em um mundo onde tudo é material, não havendo o sobrenatural. Assim, são abolidas as noções espirituais e o transcendente. A sociedade passa a ser explicada apenas em um ciclo de classes opressoras e oprimidas.

Defendendo a materialidade de tudo, os valores morais são reduzidos à materialidade também, importando apenas os bens econômicos. Não há respeito à dignidade única de cada pessoa, sua liberdade, vida e escolhas.

O comunismo seria um paraíso terrestre, uma sociedade idealizada. Em prol de um futuro idealizado, sacrifica-se o presente.

Religião

“A religião é o suspiro da criatura aflita, o estado de ânimo de um mundo sem coração, porque é o espírito da situação sem espírito. A religião é o ópio do povo.”

Marx se opunha à religião. No sistema socialista implantado na União Soviética, muitos cristãos, por exemplo, foram assassinados por socialistas por causa da fé, já que preferiram obedecer a Deus e não à ditadura do Estado.

Mais-Valia

A noção de Mais-Valia está entre as principais ideias de Karl Marx, sendo talvez uma de suas concepções mais conhecidas. Ele condenava o lucro que ficava com os patrões e não com os operários.

Notando que os salários eram desiguais e que a menor parte ficava com os trabalhadores proletariados, considerou isso uma injustiça. Essa seria a fonte de insatisfação dos operários contra os patrões.

Pensando a Mais-Valia, Marx não considerou a procura pelo produto, o modo de fabricação, o benefício que gera e outros aspectos. Apenas considerou o trabalho braçal.

Considerando todas essas ideias de Marx, torna-se mais fácil entender o comunismo e seus pilares.

O que é o comunismo?

Socialismo-e-Comunismo
“Reunião de homens livres trabalhando com meios de produção comuns e, dependendo, a partir de um plano combinado, suas numerosas forças individuais como uma única e mesma força de trabalho social.”

Em 1848, Marx e Engels escreveram o Manifesto Comunista e apresentaram ao mundo o socialismo científico.

Entre as principais ideias de Karl Marx está a do socialismo científico, sendo uma etapa anterior ao comunismo, uma ideologia política e socioeconômica que orienta de forma prática como instaurar a revolução. A finalidade é alcançar uma sociedade igualitária, sem classes e apátrida, sem nacionalidade.

Qual a sociedade ideal para Karl Marx?

A sociedade comunista, do latim communis, que significa comum ou universal, é uma idealização futura de um mundo sem desigualdades e sem Estado, sem qualquer tipo de dependência ou subordinação de um homem ao outro. Nessa situação, há a comunhão universal de bens onde não há propriedade privada e tudo é de todos.

Entretanto, a religião, o Estado e o capitalismo não podem existir em um sistema comunista. Isso é impossível por definição.

Segundo Karl Marx, Deus é uma criação da mente do homem. Este conceito, Deus, é uma invenção para alienar as pessoas, fazendo com que elas pensem em uma outra vida quando deveriam se preocupar com a revolução.

Sua intenção foi eliminar a necessidade de pensar em Deus, ou seja, solucionar o problema que leva as pessoas a pensarem que existe algo como um Deus.

O ideal de sociedade comunista necessariamente não aceita a ideia de Deus, nem de religião, porque só dessas ideias existirem, já significa que a alienação se faz presente. Ter religiosos seguindo sua fé e não o Estado atrapalharia a criação de uma sociedade igualitária.

Pilares do comunismo

A doutrina comunista é ateia por natureza, como foi explicado. Também nega a ideia de pessoa, como uma natureza intelectual dotada de vontade e liberdade. Nega a liberdade e a dignidade, uma vez que o princípio moral é considerado inexistente.

Consequentemente, não existem direitos naturais para os indivíduos de uma sociedade comunista, pois o bem é pensado coletivamente e não individualmente.

Inclusive, para o bem da coletividade, os indivíduos não têm importância em si mesmos. Por isso, se alguns morrerem não será um problema. Mortes sempre acontecem quando se tenta implementar o socialismo ou o comunismo.

A propriedade privada e a instituição familiar são formas de escravizar as pessoas para esses pensadores. São modos de alienar os indivíduos para que aceitem suas classes e alimentem o capitalismo liberal.

Além disso, não há noção de sagrado. Tudo é convencional. Se não há uma expectativa de uma vida futura, a sociedade socialista apenas promete o gozo dos bens materiais e deve apenas assegurar que o trabalho coletivo sustente a produção dos bens materiais para todos.

Diante dessa realidade, as consequências das ideias socialistas são que os laços familiares, religiosos, fraternos, etc, são desfeitos e a única fonte que se sustenta é a do próprio Estado. Os laços com o partido são os mais fortalecidos.

No socialismo, o Estado decide tudo sobre a vida das pessoas, como o que comer, o que estudar, o que fazer, aonde ir, em que acreditar e todas as demais possibilidades da vida.

A promessa é que no comunismo não exista um Estado, mas com um Estado tão forte e abrangente, o que se viu na história foi sempre a formação de ditaduras socialistas.

Quais eram as ideias de Karl Marx para os trabalhadores?

Marx dizia para os trabalhadores que eles deveriam se unir para lutar contra a burguesia, isto é, contra seus patrões. Defendia que deveria acontecer a luta de classes. Tudo seria lícito se ajudasse na revolução, não havendo princípios fixos.

“A história da sociedade até os nossos dias é a história da luta de classes.”

Se algo ajuda na luta hoje, é bom. Se deixar de ajudar amanhã, vai se tornar mal. É o relativismo moral. Não há entendimento de que exista um bem e um mal objetivos.

  • Torne-se Membro do Núcleo de Formação da Brasil Paralelo para ter acesso ao Núcleo de Formação. Você terá conteúdos exclusivos de todos os documentários e acesso a dezenas de cursos sobre história, filosofia, economia, arte e educação. Aprenda com os grandes pensadores da humanidade e receba conteúdo inédito todos os meses.

Consequências do socialismo na história

Consequencias-do-socialismo-na-historia-o-numero-de-mortos-do-comunismo

De acordo com a pesquisa do professor Rudolph J. Rummel, da faculdade de Ciência Política da Universidade do Havaí, o socialismo causa genocídio onde se instala. O essencial de sua pesquisa pode ser lido em: Never Again: Ending War, Democide & Famine Through Democratic Freedom (Coral Springs, FL, Lumina Press, 2005).

  • China: 76.702.000 mortos entre 1949 e 1987;
  • URSS: 61.911.000 mortos entre 1917 e 1987;
  • Alemanha: 20.946.000 mortos entre 1933 e 1945;
  • China nacionalista (Kuomintang): 10.075.000 mortos entre 1928 e 1949;
  • Partido Comunista de Mao Dzedong: 3.468.000 civis assassinados;
  • Camboja: 2.035.000 mortos entre 1975 e 1979;
  • Turquia: 1.883.000 mortos entre 1909 e 1918;
  • Vietnam: 1.670.000 mortos entre 1945 e 1987 (Número maior do que o causado pela guerra com os EUA);
  • Polônia: 1.585.000 mortos entre 1945 e 1948;
  • Paquistão: 1.503.000 mortos entre 1958 e 1987;
  • Iugoslávia: 1.072.000 mortos entre 1944 e 1987;
  • Coréia do Norte: 1.663.000 mortos entre 1948 e 1987;
  • México: 1.417.000 mortos entre 1900 e 1920 (especialmente cristãos).

Comparativamente, as duas guerras mundiais juntas mataram 60 milhões de pessoas ,entre civis e combatentes.

A Peste Negra entre os anos 541 e 1912 foi responsável pela morte de 102 milhões de pessoas.

a soma dos assassinatos em governos revolucionários em tempos de paz em um único século somam 205 milhões de mortos. Esses governos basearam-se nas principais ideias de Karl Marx para pensar seus regimes.

  • Outra incoerência que pode ser encontrada na filosofia marxista foi apontada pelo professor Olavo de Carvalho. Leia sobre a paralaxe cognitiva para saber mais sobre isso.

Quais são as obras de Karl Marx?

As mais conhecidas são essas duas abaixo:

O Manifesto Comunista (1848)

Esse foi seu livro escrito em parceria com Engels. Eles apresentam a teoria da luta de classes e o materialismo histórico. Neste manifesto se encontra sua famosa frase, convocando os trabalhadores do mundo a se unirem contra os patrões, algo que nunca aconteceu.

“Trabalhadores de todo o mundo, uni-vos”.

O capital (1867)

Os 4 volumes de o Capital abordam:

  1. O processo de produção capital;
  2. O processo de circulação desse capital;
  3. A globalização dada por meio da produção capitalista;
  4. A teoria da mais-valia.

É uma de suas obras chave para entender o que ele diz sobre o capitalismo, pois ataca o capitalismo liberal. Ele aponta as falhas desse sistema e descreve por que o socialismo funciona.

Outras obras

Sobre filosofia:

  • Diferença da filosofia da natureza em Demócrito e Epicuro (1841);
  • A questão judaica (1843);
  • Miséria da filosofia (1847);
  • A burguesia e a contra revolução (1848).

Artigos e panfletos sobre economia:

  • O 18 de brumário de Luís Bonaparte (1852);
  • Punição capital (1853);
  • A decadência da autoridade religiosa (1854).

Últimas produções:

  • População, crime e pauperismo (1859);
  • Manifesto de lançamento da Primavera Internacional (1864);
  • Salário, preço e lucro (1865).

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre as principais ideias de Karl Marx?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Outros Artigos

VER TODOS