Notícia
3
min de leitura

Pai revela a difícil jornada de ajudar sua filha de 14 anos a superar uma transição de gênero

O pai enfrentou a avassaladora pressão social, da internet e até dos profissionais de saúde, que em sua maioria adotam cuidados afirmativos de gênero.

Gênero
Ideologia
Psicologia
Patrick T. Fallon/AFP via Getty Images
Redação Brasil Paralelo
Comunicação Brasil Paralelo

Abbott é um pai de família, empresário bem sucedido e pai de Hannah, de 14 anos. Com sua esposa, educou todos os filhos em casa, portanto ele acreditava que estavam protegidos das influências das ideologias modernas.

Mas quando Hannah fez amizade com o irmão transgênero de um colega, Abbott não previa como a ideologia de gênero a influenciaria tão rápido.

Em um dia, ela clicou em mais de 700 vídeos sobre o assunto.

Abbott e Hannah são pseudônimos para contar a história de um pai que preferiu não tornar pública a situação de sua família. Ele contou sua história ao jornal Epoch Times com o intuito de aumentar a conscientização das famílias sobre as pressões da cultura do cancelamento e os perigos da ideologia transgênero.

O pai alerta: não presuma que sua família está a salvo de uma força que ele chama de “uma poção de bruxa que é quase imparável em seu poder de capturar crianças”.

Em poucos meses, Hannah estava passando por uma confusão de gênero.

Após esforços persistentes e ponderados que Abbott compara a um jogo de xadrez, ele e sua esposa conseguiram guiar a filha para longe de um caminho de difícil retorno.

No entanto, apesar de “uma situação incrivelmente má”, ele acredita que há esperança.

A história da família de Abbott

Abbott mora na Costa Oeste dos Estados Unidos, com sua esposa Allie, que fica em casa para criar e educar os filhos. Os dois presumiram que estavam no porto seguro de um ambiente de aprendizagem livre das ideologias que tomaram o sistema escolar público.

O que não esperavam é que Hannah faria amizade com o irmão de um colega que estudava com ela em casa. O irmão transgênero apresentou a adolescente esse universo.

Na internet, Hannah assistia milhares de vídeos sobre o tema e estava obcecada com a questão de gênero.

“Descobrimos que, em um dia, ela clicou em mais de 700 vídeos sobre gênero. É simplesmente inacreditável a quantidade de mídia que essas crianças conseguem consumir sobre essas coisas em um período muito curto de tempo”, disse Abbott.

Quando fizeram a descoberta, Abbott e Allie restringiram imediatamente o acesso da filha à Internet. Hannah respondeu tentando suicídio.

A intervenção médica que salvou vidas tirou Hannah do abismo. Ela foi internada em um centro psiquiátrico por um curto período após a tentativa de suicídio.

Quando ela voltou para casa, Abbott e Allie se depararam com o problema que atormentava sua filha. Ela era transgênero, ela disse a eles, e se identificou como um menino.

Psiquiatra infantil alerta como a pressão social e o acesso a conteúdos on-line podem influenciar as crianças e adolescentes

Chocados pela revelação, o casal buscou soluções para o problema. A obsessão pela transição de gênero estava se espalhando como um “contágio social”. Como viram no caso da filha, os conteúdos on-line e a pressão de conhecidos ou amigos transgênero eram a principal influência.

O fenômeno é mais recorrente entre adolescentes, principalmente entre meninas. A psiquiatria registra muitos desses casos, incluindo tendências de suicídio, automutilação e transtornos alimentares.

A psiquiatra de crianças e adolescentes Dra. Miriam Grossman observou que não é incomum ver grupos inteiros de meninas, influenciadas pela escola ou por conexões on-line, visitando instalações como a Planned Parenthood ou clínicas de gênero para tratamentos de testosterona.

A Dra. Grossman afirma que com terapia e uma abordagem determinada que tem em conta a “enorme e complexa tapeçaria” da vida de cada criança, há esperança.

“Eles podem diminuir o ritmo na linha de montagem, o que leva a danos”, escreveu ela em seu livro recente, Lost in Trans Nation: A Child Psychiatrist’s Guide Out of the Madness.

“Alguns até se afastam. Eles podem aceitar e até mesmo desfrutar de seus corpos. Está longe de ser garantido e nem sempre é um caminho fácil, mas é possível.”

A abordagem de Abbott e Allie para recuperar sua filha

Diante das tendências suicidas de Hannah, eles tomaram medidas imediatas. Estabilizaram seu humor com medicamentos antidepressivos. Em seguida, decidiram tirá-la do grupo de educação domiciliar onde ela conheceu sua amiga transgênero, para distanciá-la da influência perturbadora.

A mudança para uma escola cristã privada – que não apoiava ideologias transgênero – proporcionou a Hannah um novo começo. O novo ambiente provou ser benéfico.

“As coisas realmente melhoraram muito. Sua saúde mental melhorou muito. Ela estava muito mais feliz [e] conhecendo amigos”, contou Abbott.

Eles permaneceram proativos, interagindo com os professores de Hannah para garantir que seu nome e pronomes fossem mantidos e reforçando sua identidade de gênero original.

Para proteger ainda mais Hannah da exposição on-line prejudicial, os pais impuseram um limite diário estrito de 15 minutos no uso da Internet, enquanto monitoravam atentamente seu histórico de navegação.

Sua seleção de conteúdo televisivo foi examinada de forma semelhante.

  • Muitos desenhos hoje contém mensagens duvidosas e propagam as ideologias modernas para crianças. Eles cumprem o papel de deseducar as crianças. Só na Brasil Paralelo você encontra desenhos com mensagens seguras e que você, pai ou mãe, podem ficar tranquilos de deixar seus filhos assistir. Conheça o catálogo infantil seguro, que diverte e educa da BP.

Os pais redobraram esforços para se comunicar com a filha e promover atividades que a tirassem da busca obsessiva por gênero.

“Temos um conjunto de tiro com arco para que pudéssemos praticar tiro com arco. Compramos patos para que ela pudesse cuidar deles”, disse Abbott.

Eles encontraram um emprego para Hannah, o que lhe proporcionou não apenas estrutura, mas também meios para contribuir para as tão esperadas férias em família.

Abbott considera que estas medidas tiveram um impacto profundamente positivo no bem-estar psicológico da sua filha.

Uma outra dificuldade no caminho: encontrar apoio psicológico seguro

A jornada para dissuadir uma criança de fazer a transição pode ser isolante, observou Abbott, dadas as atitudes sociais e práticas médicas predominantes. Há uma pressão para a transição de gênero, que vai desde as roupas, os pronomes, o nome até a cirurgia de intervenção em si.

O pai notou e lamentou que entre os médicos as práticas de afirmação de gênero predominam.

Com psicólogos frequentemente orientando menores para clínicas de gênero, a direção predominante no treinamento terapêutico é validar a identificação transgênero de um cliente sem questionar.

“Quase todos os terapeutas que procuramos eram amigos do LGBTQ… você sabe, modelo de atendimento de afirmação de gênero… bandeiras de arco-íris em seu site”, contou Abbott.

Abbott e Allie finalmente encontraram alguém que manteve uma presença on-line discreta.

A ausência de apoio a essas bandeiras pode dizer muito sobre as metodologias de um terapeuta. “Isso não foi explicado explicitamente porque os terapeutas têm muito medo de perder suas licenças”, disse Abbott.

“A comunidade terapêutica foi essencialmente capturada pela ideologia. Então, quando os terapeutas são treinados, eles aprendem que se alguém chega dizendo que tem dúvidas sobre gênero, a melhor coisa que você pode fazer é apenas afirmar seu gênero, afirmar seus pronomes, [e] não questioná-lo. E isso só irá ajudá-los se sentirem que precisam fazer a transição”.

Apesar da moda que predomina entre os profissionais, eles encontraram um terapeuta que estava disposto a ouvi-los e fornecer a ajuda de que sua filha precisava.

Hannah construiu uma relação boa com seu terapeuta, o que ajudou no processo.

Hannah progride bem, afirma Abbott, mas a batalha é diária

A disposição de Hannah melhorou. Os episódios de depressão diminuíram e ela mostrou mais entusiasmo pelas atividades diárias. À medida que seu estado psicológico se estabilizou, Abbott apresentou-a à literatura para ampliar suas perspectivas.

Eles mergulharam em contextos históricos, traçando paralelos com o discurso de gênero contemporâneo.

“Demos a ela um livro sobre o programa de eugenia nos Estados Unidos. Nas décadas de 40 a 60, há muitos paralelos entre esse programa de eugenia e o que está acontecendo agora com as crianças sendo esterilizadas”, disse ele.
“[Dando] a ela pontos de contato históricos para que possamos começar a unir essas peças com a ideologia de gênero. [E] espero que, em algum momento, ela possa tirar sua própria conclusão e ver o quão confuso é esse pensamento.”

Abbott é sincero sobre a natureza contínua da jornada de Hannah, observando que ela ocasionalmente ainda adota uma apresentação masculina. O compromisso de Abbott e Allie em sua recuperação é inabalável.

“Manter o ambiente certo para ela, a terapia… as experiências de vida positivas [estão] começando a ajudá-la a enxergar através da ideologia. A esperança é que eventualmente ela saia dessa”.

A família enfrentou essa provação isolada

A provação da família causou um impacto emocional profundo em Abbott e sua esposa. O casal relatou ansiedade, melancolia, frustração e isolamento. Para manter seu equilíbrio emocional, Abbott abraçou a meditação diária.

Para salvaguardar a sua posição profissional, ele optou conscientemente por manter privadas as atribulações da sua família, especialmente nas plataformas das redes sociais.

Apesar do amplo conhecimento de Abbott sobre questões de gênero, ele se abstém de fazer comentários públicos online, consciente das potenciais repercussões no seu trabalho.

“Não estou financeiramente seguro o suficiente para sair publicamente e dizer que não me importo se perder meu emprego e não me importo se não puder trabalhar novamente porque tenho milhões de dólares no banco e você não pode me tocar.

Essa não é a minha situação. Tenho filhos que preciso criar e matricular na escola e ajudá-los a progredir na vida”
.

Abbott está perfeitamente consciente da cultura do cancelamento e dos riscos de se expor sobre o tema de gênero na internet.

“Digamos que tenho que mudar de emprego. Eu vou para uma nova empresa e eles vão olhar minhas redes sociais. Tenho reclamado sobre a ideologia de gênero? Se eu tiver feito isso, será muito menos provável que eles me contratem, não importa quão bom seja o meu conjunto de habilidades, porque serei rotulado de fanático, transfóbico”.

A situação de Abbott é um retrato preocupante do clima social na maioria dos países ocidentais, observou ele.

Abbott faz recomendações para outros pais que enfrentam o mesmo problema

Refletindo sobre as provações de sua família, Abbott deu alguns conselhos aos pais que enfrentam situações semelhantes:

  • não afirmar a identidade de gênero do filho;
  • abordar o problema com a escola e demais locais de convívio de forma tranquila, não combativa;
  • não presumir que seus filhos estão imunes a essa onda ideológica;
  • cortar o convívio com as pessoas ou os acessos on-line do adolescente que o alimentam sobre o assunto;
  • a influência da ideologia transgênero pode mudar seu filho rapidamente, mas o caminho de volta é longo e precisa ser abordado com cuidado;
  • ser criterioso na escolha do terapeuta que irá atender a criança.

Primeiro, ele enfatizou que afirmar a identidade transgênero de uma criança pode diminuir a possibilidade de destransição. Quando se trata de “escolher suas batalhas”, a batalha sobre os pronomes não é negociável, disse ele.

“Conversamos com psicólogos e a melhor coisa que podemos fazer é manter os pronomes de nascimento e o nome de nascimento”, observou ele. Abbott e sua esposa tomaram uma decisão consciente de usar consistentemente o nome de batismo e os pronomes femininos de Hannah.

Abbott aconselha os pais a conversarem com os professores e a escola dos seus filhos – mas não necessariamente sobre a ideologia transgênero. Manter a conversa em nível individual pode ser a abordagem mais produtiva, disse ele.

Abbott sugere uma abordagem tranquila, não combativa:

“Olha, meu filho está passando por essa coisa de transgênero porque passou por um trauma, e conversamos com os psicólogos e o melhor a fazer é manter os pronomes de nascimento dela e manter seu nome de nascimento; é isso que estamos pedindo que vocês façam”.

Desta forma, Abbott disse: “Você não está tentando dizer à escola o que há de errado com a ideologia transgênero; você está tentando fazer um plano individual para seu filho ou filha”.

Dada a natureza generalizada da ideologia transgênero, ele sente que esta abordagem não-confrontacional pode ser a mais bem sucedida.

Ele apelou à vigilância contra a onda cultural de defesa da transição de gênero. “Não presuma que seu filho não é vulnerável. Não é preciso muito para que eles se interessem pela ideologia transgênero [e] sigam esse caminho”.

“Se o seu filho já se identifica como trans ou já está absorvendo material trans ou saindo com crianças trans… e isso é algo difícil de dizer; a melhor coisa que você pode fazer é remover as fontes de informação o mais rápido e profundamente possível. Corte-os da internet e afaste-os de seus amigos trans. Tire-os da escola pública, isole-os do contágio”.

Tal como outros pais de crianças com confusão de gênero, Abbott comparou a ideologia transgênero a um culto.

Ao lidar com uma seita, o primeiro passo é remover fisicamente da seita o indivíduo que sofreu lavagem cerebral.

Abbott observou que foram necessários apenas alguns meses para Hannah ser enredada por certas ideologias online, mas a jornada para reverter o dano pode ser demorada. O desequilíbrio é gritante e alarmante, observou ele.

Ele aconselha os pais a não superestimarem a resiliência dos seus filhos e recomenda a redução imediata do acesso à Internet, evitando influenciadores transgênero e protegendo-os do que considera ideologias prejudiciais.

Abbott apontou para a vulnerabilidade particular dos adolescentes, notando a susceptibilidade de Hannah à influência durante um período turbulento da sua vida.

Traumas passados levaram a um desconforto corporal que foi exacerbado pelas influências dos pares. Na internet, a garota encontrou a transição como um remédio.

Criar um ambiente de apoio e abordar as dificuldades sociais e pessoais subjacentes enfrentadas pelos adolescentes é crucial, insistiu.

“Grande parte da solução não consiste apenas em contrariar a ideologia e fazer com que pensem de forma diferente”, disse ele. É muito provável que um adolescente não tenha “capacidade intelectual, habilidades de pensamento crítico ou ferramentas filosóficas para possivelmente compreender essa conversa”. Em vez disso, o objetivo é “ajudar a curar o trauma raiz”, que está fazendo com que eles se apeguem a uma identidade transgênero.

Ele alertou os pais para serem criteriosos na escolha dos terapeutas e para desafiarem o consenso profissional predominante.

“É muito difícil encontrar terapeutas, psicólogos que vão ajudar. E seu filho está na esteira da medicalização, onde enfrentará desafios para o resto da vida.

[O sistema médico] pegará num corpo adolescente perfeitamente saudável, esterilizá-lo-á e cortará os órgãos reprodutivos, os seios, administrará injecções hormonais que terão consequências para toda a vida. E não há ninguém que possa detê-los”
.

Apesar das dificuldades, Abbott disse que vê esperança no horizonte. “O ponto positivo é que há pessoas que estão começando a se manifestar. Há pais que estão se unindo para tentar salvar seus filhos”.

Concluiu com uma reflexão pessoal sobre o futuro da filha. “Eu amo minha filha. E acho que ela tem potencial para se tornar uma mulher verdadeiramente incrível, com muito discernimento e sabedoria”.

Abbott enxerga sua jornada com Hannah como a jornada do filme "Procurando Dory". Dory é a peixe coadjuvante do filme "Procurando Nemo". Pelo seu carisma e seus problemas de memória, a personagem ganhou uma animação própria.

Na obra, ela encontra uma concha que desperta uma lembrança de seu passado. Depois, ela passa a seguir rastros de conchas até seus pais, que nunca pararam de procurá-la.“Estamos tentando colocar essas pequenas conchas em todas as direções possíveis para que possamos nos reconectar”, afirma Abbott.

DE DESCONTO

Escolha sua BP

Uma Brasil Paralelo para cada momento da sua vida

Básico

de
R$
19
/mês
12x
R$
19.00
/mês
Originais e Séries BP, Aplicativo e plataforma e Programação BP completa
Assine agora
*Assinatura anual com renovação automática.
Garantia incondicional de 7 dias
HD
Qualidade de vídeo
Nenhum
Downloads offline
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação
MELHOR PLANO

Premium

de
R$
59
/mês
12x
R$
59.00
/mês
Originais e Séries BP, Aplicativo e plataforma e Catálogo de filmes selecionados
Assine agora
*Assinatura anual com renovação automática.
Garantia incondicional de 7 dias
Originais 4K
Qualidade de vídeo
10 Títulos
Downloads offline
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação

Intermediário

de
R$
39
/mês
12x
R$
39.00
/mês
Originais e Séries BP, Cursos e formações BP eCatálogo de filmes sele
ASSINE AGORA
*Assinatura anual com renovação automática.
Garantia incondicional de 7 dias
Full HD
Qualidade de vídeo
2 Títulos
Downloads offline
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação

Plano Básico

Assinatura Vitalícia
Valor sem desconto:
12x de
R$ 190,00
Valor à vista:
R$ 2.280,00

Cupom aplicado 37% OFF

Valor com desconto:
12x de
R$ 119,00
Valor à vista:
R$ 1.428,00
Assine uma única vez >
Garantia incondicional de 7 dias.
de
R$
19
/mês
Originais e Séries BP, Aplicativo e plataforma e Programação BP completa
*Assinatura anual com renovação automática.
Resumo do plano:
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação
Downloads simultâneos:
Não disponível neste plano.
Qualidade do vídeo:
HD

Plano Premium

Assinatura Vitalícia
Valor sem desconto:
12x de
R$ 590,00
Valor à vista:
R$ 7.080,00

Cupom aplicado 62% OFF

MAIOR DESCONTO

Valor com desconto:
12x de
R$ 219,00
Valor à vista:
R$ 2.628,00
Assine uma única vez >
Garantia incondicional de 7 dias.
de
R$
19
/mês
Originais e Séries BP, Aplicativo e plataforma e Programação BP completa
*Assinatura anual com renovação automática.
MAIS COMPLETO
Resumo do plano:
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação
Downloads simultâneos:
10 títulos para assistir offline.
Qualidade do vídeo:
Originais em 4K

Plano Intermediário

Assinatura Vitalícia
Valor sem desconto:
12x de
R$ 390,00
Valor à vista:
R$ 4.680,00

Cupom aplicado 54% OFF

Valor com desconto:
12x de
R$ 179,00
Valor à vista:
R$ 2.148,00
Assine uma única vez >
Garantia incondicional de 7 dias.
de
R$
19
/mês
Originais e Séries BP, Aplicativo e plataforma e Programação BP completa
*Assinatura anual com renovação automática.
Resumo do plano:
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação
Downloads simultâneos:
2 títulos para assistir offline.
Qualidade do vídeo:
Full HD

Torne-se Membro da Brasil Paralelo

Assine e tenha 12 meses de acesso a todo o catálogo e aos próximos lançamentos da BP