Devido ao lançamento da série A Sétima Arte, não teremos os programas diários nessa semana. Retornaremos com a programação normal no dia 01 de novembro.

Quid est Latine? (O que é latim?). Conheça a língua sagrada, mãe do Ocidente e sua atual importância

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo

Além de compreender o que é latim, é necessário entender para que essa língua serve nos dias de hoje. O português falado no Brasil é originário dessa língua antiga, que não está morta. Pode-se dizer também que a compreensão de mundo, a ciência e a filosofia ainda permanecem ligados ao latim.

Como disse o matemático Giácomo Albanese, professor da USP em 1936:

“Dêem-me um bom aluno de latim, que farei dele um grande matemático”.

Por aproximadamente 14 séculos, o latim foi a principal língua de praticamente toda a Europa. Passado todo esse tempo, essa linguagem sobrevive e possui muitos benefícios para os seus estudantes, mesmo no século XXI.

Após se desenvolver na região do Lácio, o latim se espalhou por quase todo o mundo antigo. A língua originou diversos outros idiomas, como o espanhol, o francês e o italiano, e é usada em meios de alta cultura até hoje, como as universidades e os salões musicais.  

São muitos os motivos para o uso do latim, e muitos serão comentados no artigo.

O que você vai encontrar neste artigo?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

O que é latim?

O latim é uma língua indo-europeia que se formou na atual Itália, mais precisamente na região de Lácio, que engloba a cidade de Roma. 

A língua teve seu desenvolvimento elaborado por volta do século VII a.C. 

Seu alfabeto é derivado do alfabeto etrusco e grego, que por sua vez são derivados do alfabeto fenício. 

Por que o latim é a língua da ciência?

a importância do estudo do Latim

O latim é a língua da ciência por causa de sua capacidade de bem elaborar conceitos e conexões lógicas.

O nome científico de um pinheiro manso, por exemplo, é pinus pinea. Ao utilizar o nome científico, o cientista já identifica a família do pinheiro e algumas de suas principais características.

A alta capacidade linguística do latim vem da sua estrita e livre organização lógica, bem determinada por suas regras gramaticais. 

Isso fez com que ela fosse adotada pelos intelectuais medievais como língua oficial, levando-a a ser utilizada até hoje nas categorizações científicas de várias áreas do saber.

Um dos motivos da sua qualidade na elaboração de conceitos é a declinação das palavras, ou seja, seu funcionamento com afixos. 

Declinação de palavras é a mudança da palavra para indicar algo diferente. 

Não existem artigos na língua latina, e as preposições são usadas apenas para dar ênfase em poucas ocasiões. 

Para indicar a função da palavra na frase — o papel da palavra na frase — o radical (estrutura imutável da palavra) se une a um afixo de acordo com a ideia que quer passar.

O afixo é um elemento que se junta a um radical para a formação do sentido de uma palavra.

Cada afixo, adicionado no radical de uma palavra, gera um sentido diferente na palavra, e consequentemente na frase. Ou seja, indica algo novo. 

Por exemplo: 

  • Dominus — quer dizer senhor. Essa palavra está no caso nominativo, se refere a uma pessoa. A declinação é feita no nome ou no pronome. 
  • Domini — quer dizer do senhor. A adição do afixo -i, no radical Domin-, indica genitivo. O caso genitivo indica algo que é de alguém, semelhante ao adjunto adnominal restritivo. 

Isso demonstra que existe uma estrutura fixa da palavra, o radical, que no caso é Domin-.

A variação se dá mudando o final do radical da palavra, adicionando um dos tradicionais afixos da gramática latina.

Muitos estudiosos do latim também usam o termo declinação, ou seja, alteração no término da palavra. 

Quando o final muda, a interpretação da palavra também muda. Essa é a sua função na frase.

É diferente fazer uma frase com Dominus e uma frase com Domini.

  • Entenda como a mudança da forma altera o próprio ser das coisas. O conceito de matéria e forma levou a muitas das principais descobertas da Filosofia Ocidental. 

As palavras e frases latinas, por si só, abrangem mais o ser das coisas, transmitem mais ideias do que as palavras e frases de outras línguas mais limitadas. 

O latim possui grande flexibilidade sintática pelo fato de a própria palavra indicar sua relação com as outras palavras da frase.

Como a palavra indica seu caso (sua função gramatical), elas podem ficar em praticamente qualquer lugar da frase, sem confusão de sentido.

Essa possibilidade faz com que o falante de latim tenha grande liberdade na elaboração de suas ideias, podendo chegar a mais descobertas do que se estivesse usando uma língua mais limitada, uma língua que possui menos possibilidades de conexão entre as palavras e menos funções gramaticais. 

Essa possibilidade do latim também permite o fortalecimento do indivíduo, de sua personalidade, uma vez que cada um pode se comunicar como quiser sem perder a própria comunicação. 

  • Mito, Linguagem e Mídia — O que significa dizer que a mídia possui papel sacerdotal? Quem explica isso é um dos professores do Núcleo de Formação da Brasil Paralelo, Flávio Morgenstern. Baixe o e-book e entenda melhor como a mídia tem exercido papel de controle de opinião na sociedade, em vez de apenas informar os fatos.

A Irmã Miriam Joseph, no seu livro O Trivium, afirma que a função da linguagem é tripla: comunicar pensamento, volição e emoção.

O latim permite que as funções da linguagem se realizem de maneira superior a muitas outras línguas, uma vez que fornece mais opções para o usuário comunicar os pensamentos, as ideias e as emoções. 

Essa liberdade favorece a elaboração de novas ideias, novas descobertas. 

História do latim

História do Latim

O primeiro registro de latim que se tem na história é datado de aproximadamente VI a.C.

Em 1880, o arqueólogo alemão Heinrich Dressel encontrou na cidade de Roma um vaso diferente com uma inscrição em latim.

inscrição em latim

O vaso era uma junção de 3 potes com uma cavidade no centro, e tinha a seguinte inscrição:

IOVESATDEIVOSQOIMEDMITATNEITEDENDOCOSMISVIRCOSIED /

ASTEDNOISIOPETOITESIAIPAKARIVOIS /

DVENOSMEDFECEDENMANOMEINOMDVENOINEMEDMALOSTATOD

Tradução:

“Sendo isto jurado pelos Deuses, de onde saio: Se uma donzela não sorrir a você, nem for fortemente atraída por você, então a acalme com esta fragrância! Alguém bom encheu-me para alguém bom e educado, e não serei pego por alguém mau”.

Essa é uma das 3 melhores tentativas de tradução. De qualquer maneira, todas as traduções possuem significados semelhantes.

Provavelmente o vaso continha uma substância cosmética, maquiagem ou perfume, utilizado para embelezamento e atração sexual. 

A inscrição mostra que a língua latina já possuía uma gramática um tanto quanto estabelecida antes mesmo do século VI a.C.

Algo interessante de se notar é que, devido aos estudos de línguas antigas como o latim, foi descoberta a possibilidade de a humanidade ter tido uma língua única nos seus tempos primordiais. 

O nome indo-européia significa uma língua da mesma origem que as línguas orientais.

Os estudos de filologia descobriram que as línguas antigas possuem muitas semelhanças. Um aprofundamento no estudo dessas linguagens levou à tese muito provável de que todas as línguas possuem a mesma origem.

  • Para conhecer mais esta teoria e suas evidências, assista o vídeo do professor Sérgio Pachá, ex-lexicógrafo-Chefe da Academia Brasileira de Letras, tendo ocupado o cargo por 7 anos.

Com o desenvolvimento do povo romano, naturalmente o latim foi se alterando.

A língua, então, passou a ter 2 versões: o latim vulgar e o latim erudito.

Latim vulgar

O latim vulgar era aquele falado pela população em geral. Sua complexidade gramatical foi sendo diminuída, novas palavras passaram a surgir.

Foi a língua usada por quase toda a Europa até o século IX d.C, quando suas línguas derivadas começaram a surgir após as alterações do latim pelo povo e sua mistura com línguas bárbaras.

Latim erudito

O latim erudito era a língua falada pela elite social e política.

Essa versão da língua mantinha o uso de sua gramática extensa e rígida.

Foi preservado pelos intelectuais antigos e medievais. Nos dias de hoje, os meios científicos utilizam a versão da língua como foi cristalizada pela Igreja Católica durante a Idade Média. 

O latim era escrito como no Vaso de Duenos. 

Até o século IX, não havia diferenciação entre letras maiúsculas e minúsculas, pontos e vírgulas, separação entre palavras e outros elementos que hoje são considerados normais.

Foram os monges católicos do século IX que adicionaram esses elementos ao latim, bem como criaram os livros como são conhecidos hoje, inventando as páginas, em vez de um extenso rolo semelhante aos papiros. 

A versão mais usada é o latim eclesiástico. 

Atualmente também existe o latim reconstruído ou reconstituído, que é uma tentativa de reconstrução da língua conforme o Império Romano antigo usava (praticamente, a única diferença dessa versão para a eclesiástica é a pronúncia). 

  • Contribua para que mais artigos como este continuem a ser produzidos e torne-se Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 mensais. Além disso, você acessa materiais exclusivos todos os meses e ajuda na expansão e continuidade deste trabalho.

Atualmente a estrutura do latim é regulada pela Pontifícia Academia de Latinidade

Usos do latim nos dias de hoje

Latim usado na igreja católica


O latim é a língua oficial da Santa Sé da Igreja Católica. O Vaticano a adota como sua língua, sendo o único país do mundo a utilizá-la.

O Rito Romano da Igreja Católica tem o latim como sua língua oficial. 

O latim é utilizado, também, pelas ciências naturais, especialmente biológicas. Seu principal uso é na taxonomia (classificação biológica dos seres vivos).

O Direito também utiliza muitas expressões latinas. Por ter seu ápice do desenvolvimento com o Império Romano, o Direito ainda conserva o latim para designar diversas de suas estruturas.

Alguns exemplos são: 

  • Habeas corpus;
  • Honoris Causa;
  • In dubio pro reo;
  • Data venia.

E muitas outras.

Outras ciências também utilizam a língua em alguns de seus tópicos, mas não tanto quanto as ciências supracitadas.

Muitas expressões populares brasileiras também são latinas, especialmente por causa das raízes católicas. Algumas delas são: 

  • Fazer um mea culpa;
  • Sui generis (usada para algo sem precedentes, diferente);
  • Renda per capita (renda por cabeça, ou seja, renda média dos habitantes de um país);
  • Argumento ad hominem (argumento voltado para o emissor da proposição, geralmente fugindo da proposição em si);
  • Lato sensu (em sentido amplo).
  • E etc. (etc. vem da expressão latina et cetera — e outras coisas).

Benefícios do estudo do latim

Os benefícios de se estudar latim nos dias de hoje são:

  • Aprimorar o raciocínio lógico;
  • Adquirir os principais conhecimentos da humanidade de forma direta;
  • Melhorar o conhecimento e uso do português;
  • Tornar-se poliglota com mais facilidade.

Desenvolvimento do raciocínio lógico

Devido a estrutura gramatical do latim, como já mencionado, o estudo da língua traz um desenvolvimento do raciocínio lógico como um todo.

  • Você conhece a disciplina da lógica? Conheça o motivo de sua importância e seus principais postulados aqui

Como disse o matemático Giácomo Albanese, professor da USP em 1936:

“Dêem-me um bom aluno de latim, que farei dele um grande matemático”.

Adquirir os principais conhecimentos da humanidade de forma direta

As traduções nunca são perfeitas. Cada língua possui suas qualidades únicas, especialmente o latim. Após a tradução, alguns aspectos do texto original são perdidos, algumas vezes aspectos importantes. 

Aquele que conhece o latim tem acesso integral a grande parte das principais obras da humanidade, como a Eneida, de Virgílio; a Suma Teológica, de Santo Tomás de Aquino; a Cidade de Deus, de Santo Agostinho; os escritos de Cícero e muitas outras obras.  

Melhorar o conhecimento e uso do português

O português é uma língua originada do latim.

Como escrevera Olavo Bilac sobre a origem do português:

“Última flor do Lácio, inculta e bela,
És, a um tempo, esplendor e sepultura: 
Ouro nativo, que na ganga impura 
A bruta mina entre os cascalhos vela...“

Saber latim permite a utilização do português de modo mais excelso do que dominar todo o português sozinho. O estudante compreenderá o porquê das estruturas da língua portuguesa e ainda adquirirá novas maneiras de usar a língua lusitano. 

  • Quer melhorar seu português e ao mesmo tempo melhorar sua forma de se expressar e ver o mundo? Assine o Núcleo de Formação da Brasil Paralelo e tenha acesso ao curso Gramática Normativa da Língua Portuguesa, da renomada professora Lara Brenner. 

Tornar-se poliglota com mais facilidade

Uma vez que as principais línguas do Ocidente vieram do latim, quem aprender a língua romana possuirá facilidade para aprender seus derivados. A estrutura básica das línguas românicas já será do latinista.

Algumas dessas línguas são: italiano, francês, espanhol, romeno, galego e muitas outras línguas e dialetos.

Até mesmo o inglês e o alemão, que não possuem origem latina, possuem fortes influências do latim. 

Segundo Agenor Soares, especialista e estudioso da tradução, sobretudo do inglês, indica que 70% do vocabulário de língua inglesa é composto de palavras latinas, e apõe diversas fontes para sua explicação.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre o que é latim?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outros Artigos

VER TODOS