Qual é o seu lugar de fala? Entenda o conceito que surge frequentemente em debates na internet

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo
20/5/2022
Compartilhe com amigos

Homem pode falar de aborto ou pautas feministas? Somente quem pertence ao movimento LGBT pode falar da ideologia de gênero? Brancos podem falar de negros e negros de brancos? Os defensores do que é lugar de fala propõe que não.

“O lugar social não determina uma consciência discursiva sobre esse lugar. Porém, o lugar que ocupamos socialmente nos faz ter experiências distintas e outras perspectivas”. O que é lugar de fala?, Djamila Ribeiro

Além de explicar o conceito, será explicado também suas implicações contraditórias e a deslegitimização do conhecimento do locutor.

No items found.

O que você vai encontrar neste artigo?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Qual é o conceito do lugar de fala?

A ideia de lugar de fala se popularizou no Brasil com o livro da escritora Djamila Ribeiro. Segundo a definição da autora, o conceito remete ao local de fala do enunciador, qual a sua realidade social, financeira e pessoal ao proferir um discurso sobre determinado tema.

O conceito de lugar de fala é uma tentativa de entender qual a realidade social do locutor. Por exemplo: um homem rico, que nunca experimentou pobreza ou dificuldades financeiras na vida, quando fala sobre miséria, de qual lugar pronuncia seu discurso?

A ideia do conceito de lugar de fala propõe que cada pessoa enxerga o mundo de um jeito. As diferentes interpretações são baseadas nas experiências vividas por cada um.

“Existe uma linha de pensamento, o perspectivismo ou teoria do ponto de vista, que afirma que tais diferenças de experiência moldam as formas como as pessoas veem e pensam o mundo. Nesse sentido, o lugar de fala se refere justamente ao fato de que pessoas submetidas a diferentes tipos de opressão terão também prioridades e interpretações diferentes sobre a realidade”. Bruna Cristina Jaquetto Pereira, especialista em gênero e raça e doutora em Sociologia pela UnB (Universidade de Brasília).

Por isso existem opiniões e perspectivas distintas. Tudo isso iria além da opinião pessoal, segundo os defensores do conceito.

Segundo os movimentos sociais, alguns grupos sofrem opressões enquanto outros são socialmente privilegiados. Tudo isso determina a forma como eles veem o mundo, que seria diferente dos demais.

  • Conheça quem são as minorias da atualidade.

O lugar de fala é algo fixo?

O local de fala pode ser algo que muda. Por exemplo, uma pessoa pobre que ficou rica, quando fala sobre pobreza não estará falando do mesmo lugar de fala de uma pessoa que ainda passa necessidades. Assim propõe defensores da ideia do que é lugar de fala.

Mas para Ana Campagnolo, professora e deputada federal: “Lugar de fala é só uma justificativa para invalidar a opinião alheia”.

Para que serve o lugar de fala?

Campagnolo vai além:

“A teórica feminista que concebeu esse conceito e o propagou no livro dela ela até tenta dar uma maquiada dizendo que você não tá proibindo de falar, mas você tem que falar do seu lugar. Mas todos sabem que existe o discurso teórico bonito e um discurso por trás. Se eu estou falando de racismo eu tenho que dizer: ‘eu Ana tenho uma opinião sobre o racismo que é essa, mas é claro que minha opinião está pautada na minha posição, no meu lugar de fala, e eu sei e reconheço que sou branca, que sou privilegiada, por isso. Então você tem que justificar o lugar de onde você está falando. No momento em que você se justifica pelo lugar em que você está falando, mesmo que você possa opinar, você está deslegitimando sua própria opinião”.
  • A opinião completa da professora e escritora Ana Campagnolo sobre esse tema, além das opiniões de especialistas como Ludmila Lins Grilo, Guilherme Freire, Lara Brenner e Aloísio Dantas estão disponíveis na live O que as feministas realmente querem:

Para Djamila Ribeiro, o conceito do lugar de fala favorece a participação de grupos que têm menos voz ativa nas decisões e rumos da sociedade.

Segundo a escritora, a hierarquia estruturada da sociedade faz com que as produções intelectuais, saberes e vozes de grupos minoritários sejam tratadas de modo inferior. Assim, a própria estrutura social mantém certos grupos em um lugar de silêncio.

Para os defensores do conceito, o lugar de fala tem como objetivo oferecer visibilidade a grupos minoritários ou pessoas cujas ideias foram desprezadas durante muito tempo.

Para os detratores da ideia, o termo serve para silenciar vozes dissidentes e restringir o diálogo e a troca de impressões.

Controvérsias acerca da ideia de lugar de fala

Para Aluísio Dantas, professor e coautor dos programas de formação literária Our home is cool:

“Esse negócio de lugar de fala realmente não faz o menor sentido na minha visão. A premissa que está por trás disso é falsa. Você só pode falar ou opinar, sobre o que quer que seja, se você viveu aquela experiência. Se nós somos humanos, é porque nós temos uma capacidade que se chama abstração. Eu posso transcender os influxos imediatos dos sentidos. Nós, seres humanos, podemos fazer reflexões sobre questões que estão para além daquela nossa experiência imediata”.

Imagine um homem que é ginecologista. Ele teria lugar de fala para falar do órgão reprodutor feminino? E o contrário: uma mulher urologista. Ela teria lugar de fala?

Existe um discurso teórico bonito e um discurso por trás…

Existe o conceito teórico de lugar de fala, ideia proposta por uma escritora e pesquisadora feminista. Mas existe também o outro lado da ideia, um lado oculto, que se revela nos debates.

A ideia de lugar de fala sistematicamente é usada por determinados grupos para silenciar aqueles que defendem opiniões distintas.

Da mesma forma, existe o movimento feminista que tem duas faces. Uma é aparente e bonita, é a face da igualdade, da não-violência, da empatia, do respeito e da sororidade. Esse é o lado que está na luz, que querem que você veja.

Mas o feminismo tem duas faces. E a outra face é oculta.

Conheça um lado do movimento feminista que poucos conhecem: aquele que não aparece nas redes sociais, nos discursos das artistas, nem nos programas de TV.

Todo esse conteúdo estará disponível no nosso novo documentário exclusivo para assinantes: A Face Oculta do Feminismo.

Assine agora a Brasil Paralelo. Por apenas 10 reais mensais você desbloqueia o conteúdo do Original BP A Face Oculta do Feminismo e garante acesso exclusivo a:

  • programação semanal da Brasil Paralelo;
  • mais de 50 produções originais da Brasil Paralelo;
  • mais de 300 entrevistas exclusivas.

Assine agora e torne-se membro da Brasil Paralelo. Além de desbloquear parte do nosso conteúdo, você garante que mais brasileiros tenham acesso às nossas produções.

Temos muito mais conteúdo disponível. Com apenas uma assinatura, você pode desbloquear todo o conteúdo da Brasil Paralelo!

Conheça nosso melhor plano, o Acesso Total:

  • streaming de filmes BP Select com um catálogo completo e curadoria dos filmes;
  • catálogo infantil seguro da BP Select;
  • todos os cursos produzidos pela Brasil Paralelo;
  • programação semanal da Brasil Paralelo;
  • mais de 50 produções originais da Brasil Paralelo;
  • mais de 300 entrevistas exclusivas.

Se, por qualquer motivo, você preferir não continuar conosco, efetuaremos o reembolso imediato do seu investimento.

Basta enviar um simples e-mail, sem nenhuma burocracia. São 7 dias de garantia para você experimentar o Acesso Total. Assine agora.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre o que é lugar de fala?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Compartilhe com amigos

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outros Artigos

VER TODOS