As 10 obras de arte mais famosas do mundo e suas localizações

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo
25/2/2022
Compartilhe com amigos

A humanidade produziu diversas obras de arte famosas que por gerações tocaram o público com imagens belas e mensagens profundas. A Brasil Paralelo separou as 10 mais famosas do mundo.

  • Não perca a nova produção da Brasil Paralelo, O Fim da Beleza. Decidimos investigar os novos conceitos de beleza que apareceram no campo do urbanismo, da arquitetura, das artes e do comportamento. Além disso, revelaremos como, desde o iluminismo, temos nos afastado das ideias e dos valores que sustentam nossa história e nossa civilização. Assista gratuitamente.

O que você vai encontrar neste artigo?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

1- Monalisa - Da Vinci

monalisa
Monalisa, de Leonardo Da Vinci.

Pintada a óleo sobre madeira, Monalisa é o retrato mais famoso da história da arte. Uma das obras mais valiosas do mundo, o quadro se encontra no Museu do Louvre, em Paris.

A tela é pequena, tem 77 por 53 cm, mas retrata um dos rostos mais emblemáticos e enigmáticos do mundo.

Monalisa tem uma expressão séria, introspectiva e até tímida. São seus olhos que intrigam os admiradores de arte. Quando um espectador olha para seus olhos, logo nota que a pintura retribui olhando diretamente. Se o observador muda de posição, os olhares o seguem.

Até hoje não se sabe o enigma que o autor, Leonardo Da Vinci, quis inserir na obra ao gerar esse efeito.

  • Entenda o conceito de arte para melhor aproveitar as 10 obras de arte famosas dessa lista.

Da Vinci iniciou o quadro em 1503, finalizando-o apenas em 1517. Considerada sua obra prima, até hoje diversas teorias buscam identificar quem é a mulher representada na tela.

2-  A Criação de Adão - Michelangelo

a-criação-de-adão
A Criação de Adão, Michelangelo.

A obra prima de Michelangelo, A Criação de Adão, é um afresco de 280 cm x 570 cm que adorna a Capela Sistina, no Vaticano. Representando a icônica cena do Livro do Gênesis na qual Deus cria o homem, Adão.

Do lado direito está Deus envolto por um manto, por anjos e uma figura feminina, que é Eva. Do lado esquerdo está Adão, o primeiro homem, recebendo o toque de Deus que confere-lhe a vida.

O afresco foi uma encomenda feita pelo então papa Júlio II, em 1508. O mestre italiano do Renascimento, Michelangelo, concebeu e entregou a obra em apenas 2 anos.

O restante do teto da Capela Sistina representa diversas outras passagens. A parte que se destaca é justamente o afresco de Michelangelo.

Apesar de preferir trabalhar com esculturas, Michelangelo abriu uma exceção para atender o pedido feito pelo papa. Assim, pintou uma das obras de artes mais famosas do mundo no coração da Igreja Católica.

3- As Meninas - Diego Velázquez

as-meninas-velazquez
As Meninas, de Diego Velázquez.

O principal artista do Século de Ouro espanhol pintou uma das obras mais enigmáticas e complexas da história. Diego Velázquez é o autor do quadro As Meninas, que encontra-se no Museu do Prado, em Madrid.

O quadro foi pintado com tinta a óleo e possui grandes dimensões: 3,18 m x 2,76 m. Ele representa uma cena rica de detalhes.

O cenário é um grande aposento no palácio Real Alcázar, em Madrid, durante o reinado de Filipe IV. Grande parte da corte está representada, quase como se fosse uma fotografia.

A infanta Margarida Teresa está cercada por um séquito de damas, um guarda-costa e um cachorro. Logo atrás dela está o próprio Velázquez diante de uma tela que ele demonstra estar pintando. O artista tem seu olhar em outra dimensão: ele têm seus olhos fixos na pessoa exterior que aprecia a obra de arte.

Realidade e ilusão se confundem constantemente no quadro. Diversas análises já foram feitas, mas poucas respostas explicam a cena. Velázquez queria representar-se pintando o observador?

  • As obras de arte cumprem um papel fundamental de fazer as pessoas se maravilhar com a vida. Muitas vezes, sua beleza toca a alma. Conheça as Sete Artes e entenda como isso é feito.

Uma pessoa atenta pode notar que ao fundo há um espelho, nele está refletida a figura de um casal. Muitos acreditam que é o Rei Filipe IV e sua esposa a rainha Mariana de Áustria.

O enigma, no entanto, é que é impossível determinar o que está no reflexo do espelho. O próprio observador é levado a crer que as pessoas da cena o encaram, portanto, pode ser seu reflexo na imagem.

A tela, feita em 1656, está disponível para visitação no Museu do Prado, na Espanha.

4- Medusa - Caravaggio

medusa-caravaggio
Medusa, de Caravaggio.

A Medusa é um dos trabalhos mais conhecidos e reconhecidos de Caravaggio. Considerado um dos pintores italianos mais notórios, ele retrata a figura mitológica famosa por seus cabelos de serpente e por transformar em pedra todos que a olham diretamente nos olhos.

O quadro tem 60 cm x 55 cm e se encontra na Galleria degli Uffizi, em Florença, na Itália.

5- O Nascimento de Vênus - Sandro Botticelli

o-nascimento-de-venus
O Nascimento de Vênus, Sandro Botticelli.

O Nascimento de Vênus é uma icônica pintura de Sandro Botticelli, encomendada por Lorenzo di Pierfrancesco de Médici para enfeitar sua residência, a Villa Medicea di Castello. Foi pintada na Itália, entre 1482 e 1485.

A obra está exposta na Galleria degli Uffizi, em Florença, na Itália. Consiste de têmpera sobre tela e mede 172,5 cm x 278,5.

A pintura representa a deusa Vênus emergindo do mar, já mulher adulta, conforme descrito na mitologia romana.

No centro da tela o espectador se depara com a protagonista, Vênus, sobre uma concha aberta. Ao seu lado estão Zéfiro, deus do vento, a ninfa Clóris e Hora, a deusa das estações.

6- A Ronda Noturna - Rembrandt

ronda-noturna
A Ronda Noturna, de Rembrandt.

A Ronda Noturna ou A Ronda da Noite (em neerlandês: De Nachtwacht) é uma pintura a óleo sobre tela do pintor neerlandês Rembrandt, pintada entre 1639 e 1642. A obra mede 3,63 m x 4,37 m e mostra a Guarda Cívica de Amsterdã sob comando do capitão Frans Banning Cocq.

É considerada a obra magna de Rembrandt e é uma das pinturas mais conhecidas do Barroco. A peça é de propriedade do município de Amsterdã e faz parte da exposição permanente do Rijksmuseum, principal museu especializado em pintura neerlandesa.

Em 1642, o artista representou os grupos de milícias que defendiam a cidade de Amsterdã. A Corporação de Arcabuzeiros de Amsterdã encomendou a tela ao já famoso pintor para decorar a sede da companhia. 

Rembrandt conseguiu imprimir ao retrato dinamismo e movimento, algo completamente autêntico e inovador para a época.

7- Moça com Brinco de Pérola - Vermeer

moça-com-brinco-de-pérola
Moça com Brinco de Pérola, Vermeer.

Johannes Vermeer produziu, em 1665, a obra Moça com Brinco de Pérola. Um retrato de uma jovem focado em seu adorno. A menina está de costas, mas com o rosto virado para encarar o observador da obra.

A pintura está no museu Mauritshuis, na cidade de Haia, Holanda. É muitas vezes referida como a Monalisa do norte ou a Monalisa holandesa.

Muito pouco se sabe sobre Vermeer e as suas obras. Esta pintura está assinada como “IVMeer”, mas não está datada. Não está claro se este trabalho foi encomendado e se a modelo do retrato é real.

Em 1994 a pintura foi restaurada e o impacto do olhar da moça que observa aumentou. É a peça mais famosa do acervo do holandês Johannes Vermeer.

O quadro tem 44,5 cm x 39 cm e acredita-se que o artista quis representar sua filha, uma menina de 13 anos. Também não se sabe explicar o uso do turbante, acessório pouco comum naquela época.

8- O Massacre dos Inocentes - Peter Paul Rubens

o-massacre-dos-inocentes
O Massacre dos Inocentes, de Peter Paul Rubens.

Le Massacre des Innocents, em português O Massacre dos Inocentes, é um célebre óleo sobre madeira do artista barroco Peter Paul Rubens, datado de 1636-1638.

O artista representa o momento bíblico em que o rei Herodes manda matar todas as crianças de até dois anos de seu reino. Seu objetivo: matar o Messias. Herodes acabava de receber notícias que ele nascera.

Rubens é famoso por imprimir detalhes e pormenores em todas as suas pinturas. O quadro também representa um tema patente para o artista: a religião.

Cenas bíblicas como esta foram imortalizadas por Rubens. A obra está atualmente na Galeria de Arte de Ontário, no Canadá.

  • Contribua para que mais artigos como este continuem a ser produzidos e torne-se Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 mensais. Além disso, você acessa materiais exclusivos todos os meses e ajuda na expansão e continuidade deste trabalho.

9- A Escola de Atenas - Rafael Sanzio

escola-de-atenas
A Escola de Atenas, de Rafael Sanzio.

A Escola de Atenas (Scuola di Atene no original) é uma das mais famosas pinturas do renascentista italiano Rafael Sanzio. Ela representa a Academia de Atenas e foi pintada entre 1509 e 1511 na Stanza della Segnatura sob encomenda do Vaticano. 

A pintura já foi descrita como: “a obra-prima de Rafael e a personificação perfeita do espírito clássico da Renascença.”.

A obra demonstra o olhar renascentista para com a filosofia e a vida intelectual da Grécia Antiga. Ela se encontra no Palácio Apostólico, Vaticano.

10- Guernica - Pablo Picasso

guernica
Guernica, de Pablo Picasso.

Com 3, 49 m x 7,765 m, Guernica é uma das obras de arte mais famosas de Pablo Picasso. Pintada a óleo, em 1937, o quadro retrata os dramas da Guerra Civil Espanhola.

Uma pequena lâmpada elétrica, que representa o progresso, ilumina a cena repleta de drama, morte e tragédia.

O evento representado foi um acontecimento real: o bombardeamento nazista que aconteceu em Guernica, no país Basco. O ataque se deu, no dia 26 de abril de 1937, durante a Guerra Civil Espanhola.

O quadro se tornou um ícone do antimilitarismo e é a obra mais famosa do conflito espanhol. O autor também transmite uma mensagem contra o autoritarismo e a ascensão do fascismo na Europa.

A obra está no Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, em Madrid.

O conceito de arte

Para se chegar a um conceito de arte, é necessário recorrer à filosofia. A sua definição não é tão simples como um verbete de dicionário, pois existem diferentes ideias. Neste artigo serão abordadas as duas principais:

  1. arte transgressora;
  2. arte do belo.

Arte transgressora

A arte é feita para incomodar? As atuais expressões artísticas priorizam a polêmica, o espanto e por vezes incentivam um rompimento com padrões estéticos e de beleza. Para os defensores desta arte, o papel do artista é:

  • chocar;
  • transgredir;
  • confrontar.

Denunciar a sociedade, causar a ruptura, desvendar os seres humanos para a realidade concreta, empurrando seus próprios limites. Estes são os parâmetros das artes modernas.

Para os artistas desta corrente, tudo pode ser considerado arte. Qualquer expressão que promova tais sentimentos, pode ser uma peça artística.

Alguns artistas desse grupo chegam até a propor que não acreditam em arte. Outros exemplos que consideram artísticos são: latas empilhadas, pessoas despidas que se tocam em uma roda, pichações, etc.

As obras citadas são reais e, normalmente, chocam o espectador. Mas o desconforto é justamente o objetivo destes artistas que querem desconstruir conceitos e padrões.

  • Um dos grandes responsáveis por valorizar a arte transgressora foram as teorias da Escola de Frankfurt. Entenda a teoria crítica e o papel da indústria cultural.

Essas ideias representam um pólo oposto à arte do belo.

Arte do belo

A arte enquanto representação do que é bom e belo foi o que conduziu a humanidade por séculos. Aos poucos, estes conceitos de beleza foram sendo abandonados.

Platão formulou o conceito de arte do belo. Ela serve para conectar o ser humano com o seu eu mais profundo, com sua alma. Nela, o artista deve:

  • retratar a realidade à luz do que ela seria idealmente;
  • consolar os anseios humanos com a representação do ideal;
  • buscar representar a beleza na técnica e na forma de sua mensagem;
  • conectar a humanidade com a transcendência.

De alguma forma, o transcendente e o sublime aparecem na vida das pessoas enquanto elas escutam determinadas músicas ou veem certas obras de arte.

  • A beleza das obras de arte pode ser tão chocantes que levam pessoas a desenvolver uma curiosa doença. Conheça a síndrome de Stendhal.

Para a corrente da arte do belo, a beleza é um valor real, concreto e indispensável.

Por que a beleza importa?

A beleza conecta o ser humano com algo imaterial. É possível ter utilidade sem ter beleza, mas quando ela está presente, atos, ritos, símbolos, ações, enfim, as atividades humanas ganham todas um significado a mais.  Vinculada ao que é Bom e Verdadeiro, a Beleza é agradável aos olhos e se conecta ao transcendente.

  • Torne-se Membro do Núcleo de Formação da Brasil Paralelo para ter acesso ao Núcleo de Formação. Você terá conteúdos exclusivos de todos os documentários e acesso a dezenas de cursos sobre história, filosofia, economia, arte e educação. Aprenda com os grandes pensadores da humanidade e receba conteúdo inédito todos os meses.

Para que serve a arte?

Para uns, a arte serve para chocar, escandalizar e romper todas as fronteiras do pensamento humano. Enquanto outros acreditam que a arte toca no íntimo da alma humana, servindo de ponte entre Deus e o homem.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre obras de arte famosas?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Compartilhe com amigos

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outros Artigos

VER TODOS