Teoria do apego - conheça os tipos de relacionamento e suas dependências, da infância até a fase adulta

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo
18/2/2022
Compartilhe com amigos

A teoria do apego, criada por John Bowlby, inicialmente buscava entender a psicologia do bebê em seu apego aos pais. Posteriormente, os estudos de Bowlby descobriram dependências sociais existentes na vida adulta, podendo elucidar problemas de relacionamento e ajudar a resolvê-los através do teste presente neste artigo.

O que você vai encontrar neste artigo?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

O que é a teoria do apego?

A teoria do apego é uma corrente da psicologia que estuda o processo de formação dos relacionamentos humanos, especialmente a importância do vínculo com os pais para a formação da personalidade. 

A teoria foca em explicar como a relação com os pais afeta o desenvolvimento da personalidade do filho. As pesquisas do ramo, especialmente de John Bowlby, demonstram a necessidade do ser humano de viver em sociedade, especialmente em família.

O pioneiro do campo foi John Bowlby, a partir da publicação do livro Apego e Perda, o primeiro da trilogia de mesmo nome.

A teoria do apego afirma que a necessidade de sobrevivência dos filhos para com os pais não afeta apenas a vida biológica, mas também a psicológica.

Por afirmar a importância do meio familiar no comportamento, muitos alegaram que a teoria do apego é uma corrente do behaviorismo. John Bowlby, porém, negou tal alegação.

Após a publicação das teorias de Bowlby, o psicólogo Harry Harlow realizou um experimento polêmico, que serviu para dar maior sustentação à teoria do apego.

Experimento de Harlow

O psicólogo estadunidense, Harry Harlow, realizou um longo estudo para comprovar a teoria do apego, em meados do século XX. 

Existe um tipo de macacos que se aproximam do modo de convivência humana, os macacos rhesus. Usando estes macacos, Harlow separou um grupo de filhotes de suas mães para analisar quais seriam os efeitos do distanciamento.

Na jaula dos filhotes isolados, Harlow deixou uma mamadeira (que os macacos sabem usar) e um boneco de pelúcia semelhante a um macaco adulto.

Os filhotinhos sabem usar a mamadeira, mas mesmo assim, após um longo período sem alimentação, a escolha primeira e definitiva era pelo macaco de pelúcia.

Os macaquinhos se agarravam na pelúcia e não a soltavam. Passavam horas abraçados à ela.

Harry Harlow fazendo seu experimento. Macaco Rhesus agarrado ao macaco adulto de pelúcia.

Radicalização do experimento

Para ter uma consciência ainda maior do efeito do isolamento nos macacos, Harlow isolou outros macacos rhesus em jaulas menores e os deixou sozinhos por anos.

Sem relacionamentos, os macacos mudaram todo seu comportamento. Ao serem privados do relacionamento com os pais, consequências graves foram observadas:

  • muitos ficavam parados olhando para nada; 
  • andavam em círculos;
  •  outros se auto-mutilavam.

Eles não conseguiam se relacionar com outros macacos na idade adulta. Não procriavam e não conviviam com outros macacos de forma natural. Grande parte deixou de comer e morreu após uma vida em estado catatônico.

Para alcançar ainda maiores resultados na sua pesquisa, Harlow usou inseminação artificial para engravidar a força algumas das fêmeas isoladas durante a infância.

As mães isoladas não conseguiam conviver com seus filhotes. Muitas não os alimentavam, outras os ignoravam completamente. Alguns dos macacos isolados na infância passaram por práticas de ressocialização, mas nenhuma foi totalmente bem sucedida.

Harlow concluiu que a necessidade de contato e carinho por parte dos pais é essencial para o desenvolvimento de uma personalidade saudável.

  • Saiba como formar uma personalidade realizada com o Dr. Bruno Lamoglia. Um resumo completo para alcançar a maturidade e a felicidade.

Na época que o resultado foi divulgado, muitos ficaram surpresos: o elemento transcendente prevaleceu ao utilitarista.

E se o experimento fosse com pessoas?

As conclusões do experimento podem ser levadas aos seres humanos. Não é exagero afirmar que as crianças que não recebem o afeto necessário desde pequenas têm mais dificuldades em desenvolver relações saudáveis.

O que acontece com as famílias quando há interferências em suas relações de afeto? 

Para entender como os experimentos sociais do século passado afetam nossa vida hoje,  Brasil Paralelo convidou um time de especialistas internacionais para apresentar uma tese inédita no país.

Tudo vai ser revelado em detalhes no próximo documentário, O Fim da Beleza, que estreia no dia 21 de fevereiro.

O estudo de Harlow também demonstrou o que as fases da teoria do apego já afirmavam.

As 3 fases da teoria do apego

Uma mãe apaixonada com seu filhinho.

As fases da teoria do apego são:

  1. estabelecimento do laço principal;
  2. cuidados contínuos (fase do perigo da ansiedade);
  3. formação do comportamento e dos valores; 

Estabelecimento do laço principal

Para Bowlby, o laço principal é formado com a mãe biológica. Segundo ele, o laço era formado durante a gestação. Hoje em dia sabe-se que o bebê humano consegue reconhecer e distinguir a voz da sua mãe biológica dos demais. 

Bowlby afirma que caso a união do bebê com a mãe for cortada, a criança sofrerá consequências negativas drásticas durante sua vida, mesmo que a separação ocorra logo após o nascimento. 

Cuidados contínuos

A teoria do apego afirma que o contato da mãe com o filho deve ser contínuo. Se a mãe se separar de seu filho por um tempo longo e voltar aos cuidados dele, mesmo ele ainda sendo um bebê, problemas comportamentais graves podem ser gerados.

Uma ansiedade semelhante à demonstrada no experimento de Harlow pode surgir.

Bowlby estabeleceu a fase principal de cuidados contínuos sendo dos seis meses aos dois anos de idade.

Alguns dos possíveis problemas resultantes são:

  • depressão;
  • agressividade;
  • delinquência. 
  • Descubra como se preparar para vida familiar, desde o matrimônio à educação dos filhos. Ajudá-los em cada fase de seu desenvolvimento e nos desafios da convivência em família. 

Formação do comportamento e dos valores

Após os dois anos de idade, a criança começa a fase da formação do imaginário.

Nessa fase a pessoa projeta sua vida a partir do que ela entende ser sua realização. Essa projeção é formada a partir das histórias - narrativas - e exemplos que ela teve ao longo de sua vida. 

Bowlby dava destaque para a influência que os responsáveis da criança têm no desenvolvimento da personalidade. 

Se o exemplo e o relacionamento entre as duas partes for bom, o adulto provavelmente crescerá confiante. Se o exemplo e a relação forem negativos, a pessoa pode tornar-se insegura, não compreendendo o mundo sentimental e afetivo adequadamente.

Bowlby afirmava que havia até mesmo perigo da criança se tornar psicopata, uma vez que não compreenderá como funciona o mundo dos sentimentos, tornando-se uma pessoa sem misericórdia e empatia.

  • O documentário da Brasil Paralelo, A Sétima Arte, mostra o poder que o cinema tem na formação da personalidade e como ele é usado para doutrinar pessoas.

Lista de características da teoria do apego

As principais características da teoria do apego são: 

  • destaque aos cuidados maternos no desenvolvimento da criança; 
  • necessidade de convívio e contato físico com os pais;
  • realce do laço biológico;
  • necessidade de cuidados contínuos desde o nascimento;
  • explicação de certos problemas psicológicos devido a problemas com os pais. 

Faça o teste para descobrir o seu seu tipo de apego nos relacionamentos 

Casal na praia.

O questionário a seguir foi desenvolvido por Cindy Hazan e Phillip Shaver, psicólogos da universidade de Denver. 

O teste é simples, o leitor deve escolher qual das opções mais se identifica ao entrar em um relacionamento. Após a escolha, o tipo de vinculação será determinado, bem como um provável diagnóstico. 

A: Eu acho relativamente fácil aproximar-me dos outros e fico confortável dependendo deles, assim como tê-los dependentes de mim. Eu não penso em ser abandonado nem temo que alguém se aproxime demasiado de mim.

B: Eu acho que os outros ficam relutantes em aproximar-se tanto quanto eu gostaria. Preocupo-me muitas vezes com o facto de o meu parceiro não me amar de verdade ou de não querer ficar comigo. Eu quero ficar muito perto do meu parceiro, e isso às vezes assusta as pessoas a ponto de se afastarem.

C: Sinto-me um pouco desconfortável perto dos outros. É difícil confiar completamente neles e permitir depender deles. Fico nervoso quando alguém se aproxima muito, e, com alguma frequência, os outros querem que eu seja mais íntimo do que me sinto confortável a ser.

Resultado: 

A - Seguro;

B - Inseguro-ambivalente;

C: Inseguro-evitante.

Os estilos de apego nos relacionamentos adultos

De acordo com Cindy Hazan e Phillip Shaver, os estilos (tipos) de apego nos relacionamentos adultos são: 

  1. Seguro;
  2. Inseguro-ambivalente;
  3. Inseguro-evitante;
  4. Desorganizado (não presente no teste).

Seguro

Pessoas seguras estão bem consigo mesmas e com a outra pessoa do relacionamento (geralmente amoroso). Mesmo a vida humana sendo uma constante mudança, a pessoa nesse estágio estabeleceu maturidade para agir segundo seu dever, segundo o que é o melhor para si e para os outros. 

O relacionamento se torna harmonioso devido ao conforto da companhia segura. Surge intimidade e um passa a ser conforto para o outro, combustível para encarar a vida.

Inseguro-ambivalente

As pessoas que estão nesse estágio de apego geralmente são extremamente dependentes dos outros (em sentido afetivo). Elas desejam ter relacionamentos íntimos, mas são inseguros com relação a si mesmas, acham que seu valor é muito baixo para que a pessoa que elas gostem tenha uma vontade recíproca de se relacionar. 

Nesse estágio o ideal é entender que todas as pessoas possuem qualidades e defeitos, e todas precisam se relacionar. Porém, a companhia de alguém que se rebaixa a todo instante é desagradável.

Um caminho é buscar ser útil aos demais sem reclamações, cultivando a virtude cardeal da fortaleza. 

  • Platão estabeleceu a fortaleza como uma das principais virtudes que uma pessoa deve almejar. O artigo sobre a cultura ocidental explica isso. 

Inseguro evitante  

O inseguro evitante sente que não precisa de relacionamentos íntimos. Quando se relaciona, busca não se entregar completamente, não aprofundar a relação.

Esse tipo de desapego pode ser perigoso, uma vez que o ser humano é intrinsecamente um ser social. Buscar a virtude da humildade pode auxiliar na organização do mundo afetivo.

Desorganizado

As pessoas que desejam construir relacionamentos íntimos, mas tem medo do processo, encontram-se no tipo de apego desorganizado. Ao mesmo tempo que deseja se relacionar, sente-se intimidado no momento de desenvolver um relacionamento.

Nesse estágio o ideal é entender que todas as pessoas possuem qualidades e defeitos, e todas precisam se relacionar. Um caminho para solucionar esse problema pode ser tomar mais iniciativas.

Chamar mais a(s) pessoa(s) para sair sem esperar ser convidado e manter frequência nos encontros e nas conversas pode ajudar a combater o medo. Este é um trabalho para conquistar a virtude da coragem. 

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre a teoria do apego?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Compartilhe com amigos

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outros Artigos

VER TODOS