Devido ao lançamento da série A Sétima Arte, não teremos os programas diários nessa semana. Retornaremos com a programação normal no dia 01 de novembro.

O historiador Thomas Giulliano destrói os argumentos daqueles que menosprezam o papel da Princesa Isabel na abolição

Redação Brasil Paralelo
“A princesa Isabel, na questão da abolição, compreendendo o problema no seu sentido mais nobre, ou seja, que era um atentado contra a dignidade da pessoa humana, que era assim que a princesa Isabel entendia a escravidão, e não apenas como motivo político; entendendo assim que ela pouco se importou se a partir da abolição a monarquia cairia, porque ela entendia a dignidade humana como algo superior a qualquer sistema político”. Thomas Giulliano

Isabel foi a última regente do Império brasileiro. Ela assinou a Lei do Ventre Livre, e em 13 de maio de 1888, a Lei Áurea. Descubra quem foi a Princesa Isabel e qual a sua importância na história do Brasil.

O que você vai encontrar nesta entrevista?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Quem foi a Princesa Isabel?

Infância e educação

Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança e Bourbon, a princesa Isabel, nasceu no Palácio Imperial de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, no dia 29 de julho de 1846. Ela era a segunda filha de D. Pedro II e Teresa Cristina.

Mesmo sendo a segunda filha, tornou-se a herdeira do trono com 11 meses de idade, por causa da morte do filho mais velho do imperador, Afonso Pedro, com apenas dois anos de idade.

Assim, a Princesa Isabel foi nomeada herdeira. 

Tempos depois, o imperador e sua esposa tiveram outro herdeiro do sexo masculino, Pedro Afonso, mas este, assim como o primeiro herdeiro, faleceu na infância. Isso fez, novamente, com que a Princesa Isabel fosse nomeada herdeira.

Para a educação da futura imperatriz e de sua irmã, a Princesa Leopoldina, D. Pedro II designou como primeira preceptora a Condessa de Barral, filha do Embaixador Domingos Borges de Barros. 

Para elaborar um programa de estudos completo, foram contratados diversos mestres, entre eles, o Visconde de Pedra Branca.

A Princesa Isabel mostrava grande interesse pelos estudos, e assim passou sua juventude entre aulas de literatura, latim, inglês, alemão, botânica, mitologia, matemática e a leitura dos Evangelhos.

No dia 29 de julho de 1860, aos 14 anos, obedecendo a Constituição, prestou o juramento de "manter a religião católica, observar a constituição política do País e ser obediente às Leis e ao Imperador".

Casamento

História da princesa Isabel

Aos 18 anos, a Princesa Isabel casou-se com Luís Filipe Maria Fernando Gastão, o Conde d’Eu. Em 1860, os pais de Isabel sondavam príncipes europeus para desposar sua filha e a irmã. Em 1864 chegaram os primos Gastão de Orléans, o Conde d'Eu e Augusto de Saxe, netos do rei Luís Filipe da França.

Dom Pedro desejava casar Isabel com Augusto, mas segundo ela, seu coração escolheu o Conde d’Eu. Em 15 de outubro de 1864, foi realizado o casamento da Princesa Isabel com o Príncipe Gastão de Orléans.

O cortejo saiu do Palácio São Cristóvão e seguiu para a capela do Paço Imperial, onde foi realizada a cerimônia. O casal passou a residir no bairro carioca das Laranjeiras.

Do seu casamento com Conde d’Eu nasceram quatro filhos: Luísa Vitória, Pedro, Luís e Antônio.

O marido da Princesa Isabel não era muito apreciado na corte brasileira devido a seu temperamento ríspido e a sua nacionalidade, que muitos viam com maus olhos por ser uma influência estrangeira no Império.

Quando se pensa quem foi a Princesa Isabel, geralmente se lembra o período em que ela governou o Brasil e sancionou a Lei Áurea, mas sua vida pública começou bem antes disso.

  • Contribua para que mais artigos como este continuem a ser produzidos e torne-se Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 mensais. Além disso, você acessa materiais exclusivos todos os meses e ajuda na expansão e continuidade deste trabalho.

Vida pública

Princesa Isabel e a Lei Áurea

No dia 29 de julho de 1871, conforme a Constituição Brasileira de 1824, a Princesa Isabel, ao completar 25 anos, se tornaria a primeira senadora do Brasil. Diante dos personagens mais importantes do Império, a princesa jurou a Constituição.

Foi a primeira mulher eleita para o cargo e depois a primeira a ser chefe de Estado em todo o continente americano.

Por ser a herdeira do trono brasileiro, a Princesa Isabel tinha a responsabilidade de assumir o comando do país quando o imperador estivesse ausente.

Em três ocasiões a princesa exerceu essa regência. A primeira foi em 1871, quando Dom Pedro II viajou para a Europa.

Durante esse governo, no dia 28 de setembro de 1871 assinou a Lei do Ventre Livre, pela qual libertaria os filhos que nascessem de mãe escrava a partir daquela data.

A segunda regência da Princesa Isabel iniciou-se no dia 26 de março de 1876, quando D. Pedro II viajou para a Europa e lá permaneceu até 1877.

  • A Princesa Isabel regeu o Brasil em alguns momentos durante o Segundo Reinado. Entenda as principais características desse período.

Nesse período, a regente promoveu medidas para a melhoria do país, como a construção de estradas de ferro, e mediou o grande conflito da Questão Religiosa.

A terceira regência está associada ao grande feito da Princesa Isabel.

Princesa Isabel e a Lei Áurea

Em 1888, a Princesa Isabel assumiu o poder pela terceira vez quando Dom Pedro II precisou viajar para Europa por um tratamento de saúde.

Nessa época, a campanha abolicionista contava com o apoio de vários setores da sociedade. O fim da escravidão era uma demanda nacional. A princesa já era grande aliada dos movimentos populares e dos partidários da abolição da escravatura.

No dia 13 de maio de 1888, a regente Isabel assina a Lei Áurea, que assim determinava:

"A partir desta data ficam libertos todos os escravos do Brasil".

A partir de então, a princesa passou a ser chamada de Redentora.

Por que a Princesa Isabel foi exilada?

Em 15 de novembro de 1889, aconteceu no Brasil o golpe republicano. A família real foi expulsa do Brasil e, assim, a princesa Isabel partiu com seu marido para o exílio na França.

A implantação da república no Brasil foi resultado da perda de apoio político da monarquia durante a década de 1880.

D. Isabel e sua família se instalaram no castelo da família do Conde d'Eu, na Normandia, no norte da França, que foi todo decorado com móveis e objetos brasileiros.

A Princesa Isabel faleceu na Normandia no dia 14 de novembro de 1921, aos 75 anos de idade. Ela morreu no exílio sem ter retornado ao Brasil.

Em 1920, a expulsão da família real foi revogada, mas, por motivos de saúde, a princesa não pôde retornar. Atualmente, seu corpo jaz enterrado em Petrópolis, no Rio de Janeiro.

  • Torne-se Membro do Núcleo de Formação da Brasil Paralelo para ter acesso ao Núcleo de Formação. Você terá conteúdos exclusivos de todos os documentários e acesso a dezenas de cursos sobre história, filosofia, economia, arte e educação. Aprenda com os grandes pensadores da humanidade e receba conteúdo inédito todos os meses.

A importância política da Princesa Isabel

É uma moda historiográfica do Brasil Contemporâneo, especialmente das cadeiras universitárias, desmerecer o papel de Isabel na abolição. Quando perguntados quem foi a Princesa Isabel, insistem que seu papel na abolição foi secundário, quase como se ela fosse obrigada a sancionar a Lei Áurea.

Os fatos não sustentam essa narrativa.

O palácio real contava com diversos funcionários que eram ex-escravos acolhidos pela família real.

A Princesa Isabel sustentava um quilombo para onde os escravos fugiam, o famoso quilombo do Leblon.

  • O uso da mão de obra escrava no Brasil remonta aos primórdios do período colonial. Veja como foi a colonização do Brasil.

O atual bairro de luxo da cidade do Rio de Janeiro era um renomado quilombo para onde alguns escravos fugiam e ele era sustentado pela Princesa Isabel, dada a sua dedicação e devoção à causa do abolicionismo.

É por conta deste quilombo que a flor camélia, uma bela flor branca, tornou-se símbolo da luta abolicionista. Os seus moradores cultivavam esta flor. A própria princesa trajava a flor na lapela de suas roupas.

A princesa, portanto, patrocinou esse quilombo e ajudou escravos a se emanciparem. Só isto já evidencia seu papel na causa abolicionista. Mas ela fez muito mais.

Em 1871, sancionou a Lei do Ventre Livre, que propunha que filhos de escravos nascidos no Brasil a partir de 1871 fossem livres, ou fosse libertos aos 8 anos e seu senhor seria indenizado, ou aos 21 conquistavam sua alforria sem qualquer preço.

Um importante passo na gradual abolição da escravatura.

E para então sancionar a Lei Áurea e pôr um fim definitivo a escravidão, não foi necessário somente assinar uma lei: Isabel precisou derrubar o Gabinete de Ministros do Barão de Cotegipe, um famoso defensor da escravidão, para poder nomear o abolicionista João Alfredo Corrêa de Oliveira e assim poder propor ao Parlamento a lei e finalmente aprová-la.

festa da abolição com a princesa isabel

A princesa sabia que ao assinar a lei poderia colocar em risco a monarquia e seu governo, pois a pauta republicana avançava no país. E foi de fato o que ocorreu apenas um ano depois.

Já no exílio, narram seus biógrafos que lhe perguntaram:

“Se adivinhasse que perderia o Trono, teria assinado a Lei?”.

Respondeu: 

Quantos tronos houvessem a cair, eu não deixaria de assiná-la”.

Um desprendimento verdadeiramente heróico.

Assim, pondo a causa humanitária acima de qualquer regime político, assinou a Lei Áurea, que decretava: 

“Art. 1º. – É declarada extinta, desde a data desta lei, a escravidão no Brasil.
Art. 2º.  -  Revogam-se as disposições em contrário".

Devido a esse grandioso gesto, foi condecorada com a Rosa de Ouro pelo Papa Leão XIII.

A Lei Áurea libertou cerca de 700 mil escravos que ainda havia no país. Foi a grande conquista do abolicionismo no Brasil. O evento foi amplamente comemorado, as festas duraram uma semana, com celebrações, discursos, missas de ação de graças e muita euforia popular.

  • Alguns professores de história tentam minimizar a importância da Lei Áurea e da Princesa Isabel para diminuir o valor deste momento de festa que os brasileiros viveram. O que fazer para lidar com professores militantes?

A abolição foi uma causa que mobilizou toda a sociedade brasileira, e a Princesa Isabel desempenhou um papel proeminente.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre quem foi a Princesa Isabel?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outras entrevistas

VER TODAS