Quem foi Gilberto Freyre? Conheça a vida e a obra do sociólogo mais importante do Brasil

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo

O que Gilberto Freyre defendia? Ele já foi chamado de comunista desequilibrado, de reacionário racista, de conservador retrógrado e até de pornógrafo. Mas nenhuma dessas depreciações apagam o fato de que foi um dos maiores e mais importantes sociólogos do século XX.

O grande pensador pernambucano, de formação ampla e área de interesses variados, escreveu ensaios de sociologia, antropologia e história. Foi também jornalista, ficcionista, poeta e pintor. Leia esse artigo e conheça sua história, obra e principais pensamentos.

  • Descubra como a teoria de Freyre foi abandonada na construção da nação brasileira. Assista ao novo filme Cortina de Fumaça da Brasil Paralelo.

Índice de conteúdo

  1. Quem foi Gilberto Freyre?
  2. Casa Grande & Senzala: o Brasil na contramão das teorias do mundo;
  3. Quais as principais teses de Casa Grande & Senzala?
  4. O mito da democracia racial;
  5. O que Gilberto Freyre defendia?
  6. As principais influências de Freyre.

Quem foi Gilberto Freyre?

Gilberto de Mello Freyre nasceu no dia 15 de março de 1900, filho de Alfredo Freyre e Francisca de Mello Freyre. Foi um dos mais importantes sociólogos do século XX e um dos maiores intelectuais brasileiros, a cujo respeito Monteiro Lobato testemunhou:

“O Brasil do futuro não vai ser o que os velhos historiadores disserem e os de hoje repetem. Vai ser o que Gilberto Freyre disser. Freyre é um dos gênios de palheta mais rica e iluminante que estas terras antárticas ainda produziram”.

Seu pai, juiz, advogado e professor de Direito, tratou de dar uma educação completa para o filho. Ainda criança, Freyre aprendeu as primeiras letras no Colégio Batista Americano Gilreath, que o próprio pai ajudou a fundar.

Mostrou dificuldades na aprendizagem da escrita nos primeiros anos escolares e se destacou com seus desenhos.

Logo, superada a dificuldade da escrita, demonstrou grande talento para a literatura e para as ciências humanas. Ainda na escola, foi editor e redator do jornal escolar “O Lábaro”.

Aos dezoito anos vai estudar na Universidade Baylor no Texas, onde se formou bacharel em artes liberais e especializou-se em ciências políticas e sociais. Depois concluiu seu mestrado e doutorado em ciências políticas, jurídicas e sociais na Universidade de Columbia.

Lá conheceu o professor Franz Boas, uma de suas maiores referências intelectuais. E, em 1922, publicou sua tese “A Vida social no Brasil em meados do século XIX”.

Em 1924, retornou à terra natal, onde passou a publicar artigos em jornais sobre a formação social do Brasil. Seus artigos eram publicados em jornais de Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo.

Em 1926, escreveu o Manifesto Regionalista, contrário a Semana de Arte Moderna e a europeização da cultura brasileira. Entre 1927 e 1930, trabalhou como chefe do gabinete do governador de Pernambuco, Estácio Coimbra.

Em 1933, foi exilado por se opor à Ditadura Vargas. O exílio foi o momento da escrita da principal obra, “Casa Grande & Senzala”.

quem-foi-Gilberto-Fryre

Em 1940, de volta ao Brasil, o governo Vargas fechou-lhe o jornal e o prendeu. Novamente, foi vítima de sua oposição ao regime.

  • Conheça a vida e o governo do ditador autoritário mais amado e aclamado da história brasileira. Vargas: o homem que saiu da vida para entrar na história.

Em 1941, casou-se com Maria Magdalena Guedes, com quem teve dois filhos. Em 1946, foi eleito deputado da Constituinte, pela União Democrática Nacional.

Sua obra alcançou grande repercussão e reconhecimento nacional e internacional. No entanto, passou boa parte da vida tendo de explicar novamente pontos do seu livro, alvo de muitas difamações e distorções.

A partir de 1950, recebeu vários convites para ministrar conferências em universidades americanas e europeias. Foi chamado também para compor comissões da ONU que tratavam da questão racial.

Criou a Fundação Gilberto Freyre e abriu a Casa-Museu, ambos na sua antiga residência, para preservar seu legado e sua biblioteca de mais de 30 mil volumes.

Museu-em-homenagem-a-Gilberto-Fryre-filosofo-e-sociologo-brasileiro

Recebeu vários prêmios em vida e títulos de doutor Honoris Causa, de diversas universidades do Brasil e do mundo:

  • Prêmio Aspen;
  • Prêmio La Madonnina;
  • Título de Sir, dado pela Rainha Elizabeth II;
  • Prêmio Jabuti de Literatura;
  • Prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras;
  • Prêmio de Excelência Literária da Academia Paulistana de Letras;
  • Medalhas de Portugal, Espanha, França e estados de São Paulo e Pernambuco;
  • Foi imortal da Academia Pernambucana de Letras;
  • Títulos de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Pernambuco e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, além das universidades de Coimbra, Paris, Sussex, Münster e Oxford.

Gilberto Freyre faleceu em 1987, em Recife, em decorrência de problemas de saúde diversos.  

Casa Grande & Senzala: o Brasil na contramão das teorias do mundo

Casa-Grande-e-Senzala-de-Gilberto-Freyre

Casa Grande & Senzala, que foi escrito durante o exílio em 1933, já foi traduzido para mais de 10 línguas. É o primeiro livro da trilogia que se completa com “Sobrados & Mucambos”, de 1936, e “Ordem & Progresso”, de 1957.

Na década de 30, as Ciências Humanas e Biológicas apresentavam as seguintes tendências: eugenia, racialismo e darwinismo social.

O pensamento que considerava o branco europeu como superior era padrão, bem como a crença de que a mestiçagem enfraquecia a população de modo a contaminar a pureza do povo.

Tudo isso era proposto no mesmo contexto do fortalecimento do discurso arianista de Hitler.

O que defendia Gilberto Freyre?

Biografia-vida-e-obra-de-Gilberto-Fryre

Defendia avidamente que a união das três raças foi o grande triunfo do brasileiro. Não o enfraqueceu com as misturas, mas produziu uma cultura totalmente autêntica, uma sociedade origina

Casa Grande & Senzala, obra prima de Gilberto Freyre, com sua linguagem irreverente, poética, antiacadêmica, veio para mudar o rumo das teorias sociológicas.

“Os escravos vindos das áreas de cultura negra mais adiantada foram um elemento ativo, criador, e quase que se pode acrescentar nobre na colonização do Brasil; degradados apenas pela sua condição de escravos. Longe de terem sido apenas animais de tração e operários de enxada, a serviço da agricultura, desempenharam uma função civilizadora”.

Na verdade, a miscigenação foi uma grande vantagem. Por possibilitar a adaptação ao clima, a plasticidade para se encaixar em situações diversas e a mistura de culinárias, crenças e línguas.

O livro é baseado na vida colonial brasileira. Trata especificamente de relatos dessa vida: da fome dos primeiros colonos, à vida íntima entre senhores e escravos. Aborda questões sociais, antropológicas, geográficas, alimentares e religiosas.

Casa Grande & Senzala é ancorado em fontes de todas as disciplinas. A enorme bibliografia elencada por Freyre analisa estudos de clima, vegetação, composição do solo, sociologia, nutrição e história.

A mudança de visão de Gilberto Freyre quanto à questão racial se deve ao seu professor Franz Boas. Mais adiante se tratará as influências de sua obra. O alemão é criador da Antropologia Culturalista, que distingue o conceito de raça e cultura.

Quais as principais teses de Casa Grande & Senzala?    

Enquanto povo, nação e cultura, o Brasil se formou a partir da sociedade colonial, que era agrária, escravocrata e híbrida. Os engenhos de cana de açúcar são esse espaço criador.

Somente o engenho foi capaz de solucionar vários problemas da colonização portuguesa:

  • a fome que enfrentavam os primeiros ocupantes;
  • a falta de utilização da terra que havia em abundância;
  • a distância cultural das três raças.

O português representava a cultura dominante, mas, ao mesmo tempo, não possuía uma consciência de superioridade racial, era plástico, adaptável e disposto à conjunção com outras raças para sobreviver.

O patriarca da família de engenho era um chefe de todos os membros daquela comunidade. Chefe da família, dos escravos e dos trabalhadores que dele dependiam. Ele comandava todas as relações.

Os primeiros navegadores portugueses viajavam sem mulheres e Portugal já era habituado à convivência com outras culturas, como os mouros e judeus. Seu catolicismo não era ortodoxo, logo, eram adaptáveis ao contato com outras culturas.

Já o negro, foi responsável pela maior contribuição para a colonização. Várias tecnologias foram agregadas pelos africanos: campo, gado, ouro, cozinha, língua, metalurgia.

Também eram plásticos e possuíam uma cultura extrovertida, ao contrário da introversão portuguesa, aumentando o contato entre os diferentes povos e facilitando a mestiçagem.

Outro ponto importante é que serviram de civilizadores dos índios. A cultura extrovertida facilitou o contato com os nativos e a aproximação deles à cultura europeia.

Eis as palavras do autor:

“Vieram-lhe da África ‘donas de casa’ para seus colonos sem mulher branca; técnicos para as minas; artífices em ferro; negros entendidos na criação de gado e na indústria pastoril; comerciantes de pano e sabão; mestres, sacerdotes e tiradores de reza maometanos.”.

O índio teve um grande papel na formação da cultura brasileira. A gestação de uma língua popular em oposição à erudita, hábitos alimentares como a mandioca, na falta do habitual trigo dos europeus, e os cuidados de higiene que incluem banhos diários, algo extremamente incomum na Europa.

“Terão sido os pátios de tais colégios um ponto de encontro e de amalgamento de tradições indígenas com as europeias, de intercâmbio de brinquedos, de formação de palavras, jogos e superstições mestiças.”

A degradação sexual presente na sociedade colonial, é fruto da escravidão e da disparidade cultural. A cultura superior tende a dominar a inferior.

Assim se formou a sociedade colonial: agrária, trabalhando para obter frutos na terra bruta, escravocrata, mestiça e patriarcal.

  • Contribua para que mais artigos como este continuem a ser produzidos e torne-se Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 mensais. Além disso, você acessa materiais exclusivos todos os meses e ajuda na expansão e continuidade deste trabalho.

O mito da democracia racial

Mito-da-Democracia-Racial

Gilberto Freyre em nenhuma obra usou o conceito de democracia racial. Por que então seus opositores sempre o acusam de ter criado esse termo?

O sociólogo Florestan Fernandes, opositor à obra de Freyre, foi responsável por formular o termo democracia racial. O termo por ele cunhado marcou para sempre o escrito de Gilberto Freyre.

Vários pontos podem explicar as acusações. Alguns alegam que sua linguagem romântica suavizou demais a escravidão, a ponto de parecer branda e excluir a violência do processo.

Outro ponto, que explica o ódio da esquerda ao sociólogo, é seu apoio ao regime militar em 1964. Suas publicações são praticamente banidas da academia brasileira. Aparece apenas como sociólogo clássico, de ideias ou questionadas ou associadas à democracia racial.

Com alguns recortes do livro, é possível fazer parecer que o trato do autor a escravidão é doce, romântico, mas cujo texto desmente as acusações:

“Mas não foi toda de alegria a vida dos negros, escravos dos ioiôs e das iaiás brancas. Houve os que se suicidaram comendo terra, enforcando-se, envenenando-se com ervas e potagens dos mandingueiros. O banzo deu cabo de muitos. O banzo — a saudade da África. Houve os que de tão banzeiros ficaram lesos, idiotas. Não morreram: mas ficaram penando. E sem achar gosto na vida normal — entregando-se a excessos, abusando da aguardente, da maconha, masturbando-se. Doenças africanas seguiram-nos até o Brasil, devastando-os nas senzalas.”

Apesar disso, passou boa parte da sua carreira tendo de desmentir esse mito em várias reedições de seu livro, em edições críticas e em entrevistas, como na seguinte:

Não é que inexista preconceito de raça ou de cor conjugado com o preconceito de classes sociais no Brasil. Existe. Mas ninguém pensaria em ter Igrejas apenas para brancos. Nenhuma pessoa no Brasil pensaria em leis contra os casamentos inter-raciais. Ninguém pensaria em barrar pessoas de cor dos teatros ou áreas residenciais da cidade. Um espírito de fraternidade humana é mais forte entre os brasileiros que o preconceito de raça, cor, classe ou religião. É verdade que a igualdade racial não se tornou absoluta com a abolição da escravidão. (…). Houve preconceito racial entre os brasileiros dos engenhos, houve uma distância social entre o senhor e o escravo, entre os brancos e os negros (…). Mas poucos aristocratas brasileiros eram rígidos sobre a pureza racial, como era a maioria dos aristocratas anglo-americanos do Velho Sul”.

O que Gilberto Freyre defendia?

O polêmico e controverso autor já foi acusado de tudo: de louco e comunista inveterado, pela Igreja; e de racista suavizador da escravidão, pelo movimento negro.

Seu apoio ao regime militar lhe rendeu também títulos de reacionário, conservador e retrógrado.

Sua figura é repleta de paradoxos e controvérsias. Para muitos, Gilberto Freyre abriga em si a genialidade de um estudioso incansável.

Foi um grande nacionalista, defensor ferrenho dos costumes e da cultura nacional. Tinha um pensamento único, contrário a toda a corrente do racismo científico.

“Ficou-nos, entretanto, dessa primeira dualidade de línguas, a dos senhores e a dos nativos, uma de luxo, oficial, outra popular, para o gasto — dualidade que durou seguramente século e meio e que prolongou-se depois, com outro caráter, no antagonismo entre a fala dos brancos das casas-grandes e a dos negros das senzalas – um vício em nosso idioma, que só hoje, e através dos romancistas e poetas mais novos, vai sendo corrigido ou atenuado: o vácuo enorme entre a língua escrita e falada”.

Foi grande defensor de toda a cultura nacional e de como a miscigenação das três raças foi a grande vantagem e força brasileira, fecundando uma tradição completamente autêntica.

  • Torne-se Membro do Núcleo de Formação da Brasil Paralelo para ter acesso ao Núcleo de Formação. Você terá conteúdos exclusivos de todos os documentários e acesso a dezenas de cursos sobre história, filosofia, economia, arte e educação. Aprenda com os grandes pensadores da humanidade e receba conteúdo inédito todos os meses.

As principais influências de Freyre

Alguns autores foram cruciais na formação do pensamento de Gilberto Freyre. Com destaque para o antropólogo alemão Franz Boas (1858-1942), que cunhou a antropologia culturalista, que diferencia raça de cultura.

Os principais autores foram:

  • Franz Boas, antropólogo;
  • Max Weber, sociólogo;
  • Amy Lowell, poeta;
  • Walt Whitman, poeta.

As principais influências de Weber e Boas foram na maneira de encarar a sociedade colonial, sua dinâmica e suas relações.

Os poetas influenciaram o modo como escrevia Freyre. Em Casa Grande & Senzala vários recursos literários foram utilizados.

Como o imagismo, que utiliza metáforas, símbolos e imagens para expressar os argumentos, e o expressionismo, técnica que amplia e recorta cenas com intuito de gerar um exagero.

Outro importante recurso foi o uso de anáforas, onde o autor repete várias vezes a mesma palavra para construir o argumento, como no trecho:

“Rede parada, com o senhor descansando, dormindo, cochilando, Rede andando, com o senhor em viagem ou a passeio debaixo de tapetes ou cortinas. Rede rangendo, com o senhor copulando dentro dela. Da rede não precisava afastar-se o escravocrata para dar suas ordens aos negros; mandar escrever suas cartas pelo caixeiro ou pelo capelão; jogar gamão com algum parente ou compadre. De rede viajavam quase todos — sem ânimo para montar a cavalo: deixando-se tirar de dentro de casa como geleia por uma colher.”

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre o que Gilberto Freyre defendia?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Outros Artigos

VER TODOS