O que foi a pax romana? Conheça um dos períodos mais importantes da história

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo
6/10/2021
Compartilhe com amigos
“Tudo cede à fortuna de César: Alexandria abre-lhe seus portos; o Egito torna-se uma província romana; Cleópatra, desejada de poder conservar seu reino, suicida após Antônio; Roma estende os braços a César, que permanece, sob o nome de Augusto e sob título de imperador, único senhor de todo o Império”.

Jacques Bossuet, Discurso sobre a História Universal

Grande parte das inovações e instituições que desfrutamos nos dias de hoje vieram do período da pax romana. Graças ao desenvolvimento de Roma, muitos benefícios perduraram pela história. 

O que você vai encontrar neste artigo?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

O que foi a pax romana

Pax Romana é a denominação do período de paz e prosperidade do Império Romano durante a transição do período republicano para o período imperial, no século I a.C. A administração do primeiro Imperador romano, Otávio Augusto, trouxe estabilidade às fronteiras romanas e cessou as guerras civis, sendo, por isso, chamado período da paz romana.

Após uma sucessão de conflitos internos, o Imperador buscava traçar uma política de unidade após tantas divisões internas.

As divisões causavam problemas em variadas áreas, tanto na falta de produção de alimentos e outros itens essenciais, como na falta de produção cultural.

Augusto, após conquistar poder total, passou a promover a aculturação das regiões que tinham problemas com a cultura romana.

Ao mesmo tempo que ele promovia o latim e a religião romana perante os outros povos, a própria cidade de Roma, centro do poder político e cultural do Império, recebia a cultura dessas mesmas nações em seu território. 

  • Você sabe realmente o que é cultura? Descubra a importância desse elemento essencial da vida humana. 

A cultura local dos locais conquistados passou a ser permitida e incentivada.

Festas e costumes de outras nações mesclavam-se à cultura romana. Seus deuses eram inseridos no panteão. Roma recebia até mesmo os sacerdotes de outras religiões e entregava-lhes templos.

Isso permitiu que os povos não enxergassem mais Roma com olhos hostis e vivessem harmoniosamente com os conquistadores.

A produção começou a aumentar em todo Império, produziam-se e negociavam-se riquezas em todo o mediterrâneo.

Projetos vindos do próprio governo levavam também desenvolvimento econômico para as províncias.

Algumas das resoluções romanas de destaque, foram a construção de estradas e aquedutos e melhorias no plantio agrícola.

efeitos da pax romana
Aqueduto romano.

Dentre as iniciativas do imperador Otávio, algumas das mais importantes são:

  • reforma do sistema romano de tributação; 
  • desenvolvimento de redes de estradas com um sistema de correio oficial; 
  • estabelecimento de um exército permanente e da guarda pretoriana;
  • serviços oficiais de policiais e bombeiros para Roma;
  • reconstrução de grande parte da capital durante seu reinado.

Entretanto, não apenas a transmissão da cultura romana e o desenvolvimento econômico garantiram a pax romana

Em alguns casos, o Império Romano usou da força para manter o controle. Para isso, contou com as legiões romanas, muito mais bem preparadas e organizadas que os demais exércitos, além de possuírem mais soldados que os inimigos. 

A presença das legiões romanas nas províncias agradava a população local em muitos de seus territórios.

  • Por que é importante estudar história? A ampliação do imaginário é apenas uma das respostas. Descubra a resposta aqui

Povos inimigos habitavam as fronteiras de muitos dos povos dominados. Com as legiões, tanto Roma como os nativos estavam em segurança. 

O avançado sistema político e administrativo de Roma permitia que os representantes do Imperador conseguissem administrar as suas províncias com ordem e paz, garantindo a integridade de todo o enorme império. 

Plutarco, historiador do século I d.C., exaltou a pax romana por perceber que ela livrou os gregos de suas constantes guerras e lhes deu oportunidade de viver harmoniosamente. 

A pax romana, estabelecida em 27 a.C., durou até o ano de 180 d.C. A morte do Imperador Marco Aurélio é considerada como o marco do início do período de decadência do Império Romano.

O processo de formação da pax romana

A fama e a importância da pax romana se dá pelo fato da grande quantidade de revoltas com as quais os romanos tinham que lidar no vasto império e na sua política local. Roma nunca havia passado por um período de tanta calma e progresso. 

  • Conheça como o Direito Romano, em união com a Filosofia Grega e o Cristianismo, foi essencial para a formação da cultura ocidental.

Antes da pax romana, gastava Roma grande parte de seus esforços para conter revoluções internas e intrigas políticas.

Poucos anos antes da coroação de Otávio Augusto, entre 73 e 71 a.C., um movimento que ecoaria pela história abalava os alicerces do Império: A Revolta de Espártaco.

Espártaco liderou uma grande revolta de escravos que lutavam pelo fim da condição servil e buscavam melhores condições de vida. Pela primeira vez, um movimento foi contra a prática que sustentava toda a economia romana.

Posteriormente, o senador Catilina tentou subverter o Império e tornar-se rei, gerando as célebres Catilinárias do filósofo e político Marco Túlio Cícero. 

Foi com o general e cônsul, Júlio César, que os caminhos da pax romana começaram a se delinear.

Júlio César e a paz em roma
Estátua de Júlio César.

O general conquistou territórios estratégicos já desejados por muitos líderes do Império.

Suas conquistas se alastraram pelo Império e o general e cônsul era cada vez mais louvado.

Grande parte do povo desejava ver César como chefe de Roma. Alguns senadores chegaram a oferecer-lhe o título de poder máximo (considerado infame por grande parte do povo romano). 

  • Contribua para que mais artigos como este continuem a ser produzidos e torne-se Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 mensais. Além disso, você acessa materiais exclusivos todos os meses e ajuda na expansão e continuidade deste trabalho.

Temendo-lhe o poder, os senadores romanos, os dirigentes do Império, assassinaram o general. 

Mais uma vez, Roma entrava em caos. Agora de forma absoluta, já que o problema foi gerado entre os chefes do poder central.

Otávio Augusto, pupilo e sobrinho de César, buscando vingar seu mestre e organizar o Império Romano, partiu em uma das maiores empreitadas militares da história.

Puniu os assassinos de seu tio-avô e conseguiu reconquistar província por província.

Fez isso com a ajuda de dois outros grandes generais: Marco Antônio e Lépido.

Após vencer a Batalha de Filipos, os três dividiram o Império Romano entre si, passando a governar como ditadores militares.

O pacto realizado entre os três generais era formal (diferente do primeiro triunvirato) e ratificado pela Assembleia do Povo. Assim, os três governaram Roma por 5 anos.

Todavia, após Lépido tentar tomar o poder total para si e fracassar, o triunvirato é rompido, recebendo ele a pena do exílio.

Marco Aurélio estava estabelecido em Alexandria, e Otávio em Roma.

No Oriente, Marco Aurélio apaixonou-se por Cleópatra, ex-amante de seu general chefe, Júlio César, e decidiu casar-se com ela. Para tanto, ele dispensou sua atual mulher, irmã de Otávio Augusto, e a mandou de volta para Roma.

Otávio encarou o gesto como uma afronta, mas a intriga iria piorar. 

Durante uma cerimônia pública no Egito, Marco Aurélio declarou que Cesário, filho de Cleópatra (e provavelmente de Júlio César), era o legítimo herdeiro de César; segundo ele, o verdadeiro chefe do Império Romano. 

Diante dessa declaração, o senado tomou uma atitude firme: destituiu Marco Antônio da posição de protetor do Oriente. Provavelmente temiam que, caso o general tomasse o poder, nomeasse Alexandria capital do Império Romano. 

Após os ânimos terem chegado ao cume, a batalha entre ambos os generais teve início.

Uma guerra de proporções épicas foi travada, cuja última batalha ficou conhecida como Batalha de Acácio

Com a derrota de Marco Aurélio, em 31 a.C., Otávio Augusto era o único líder de Roma.

Ele manteve as funções de ditador militar e foi, posteriormente, nomeado pelo Senado com o título de Augusto, que quer dizer escolhido dos deuses (este título era apenas usado para designar divindades até o momento). 

  • Conheça o que é paralaxe cognitiva — eles tomaram o lugar de Deus e negaram a realidade.

Após conquistar o poder, Otávio deu início à pax romana. 

Quais foram os efeitos da pax romana?

formação da pax romana

Os efeitos da pax romana foram transmitir para outras sociedades as conquistas civilizacionais do Império Romano e cessar a maior parte das guerras da época.

A pax romana permitiu que o mundo fosse interligado por estradas e as culturas se desenvolvessem mutuamente.

Até os dias de hoje estão de pé os aquedutos romanos construídos nos países da Península Ibérica, por exemplo, locais cujas conquistas se realizaram de forma integral por Otávio Augusto.

A cultura e as tecnologias avançadas de Roma se espalharam pelo mundo, tais como sua engenharia e medicina altamente avançadas, além da filosofia e da literatura.

Como a pax romana acabou?

A pax romana teve fim após a morte do Imperador Marco Aurélio, em 180 d.C., devido a crise político-cultural e econômica que lhe assolou os domínios e a população. Os conflitos políticos internos, a falta de trabalho escravo e o declínio cultural foram os principais fatores.

Com o poder total concedido ao imperador, o sistema de equilíbrio entre monarquia, aristocracia e democracia se encerrou em Roma. 

No período imperial, o poder não era exercido necessariamente pela hereditariedade, mas sim, em geral, pela pessoa mais influente. 

Com a profissionalização do exército e o fortalecimento político da figura do general, travou-se uma grande luta por poder, onde conspirações e assassinatos de imperadores tornaram-se comuns, enfraquecendo a administração romana.

O abandono de uma cultura unificada foi outro fator essencial. Os romanos adotaram demasiadamente culturas estrangeiras. No fim do Império ocidental, muitos militares e administradores eram bárbaros, pertencentes aos mesmos povos que viriam a ser os futuros invasores.

A falta de uma unidade romana foi um dos principais fatores da queda.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre o que foi a pax romana?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Compartilhe com amigos

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outros Artigos

VER TODOS