A Brasil Paralelo é bolsonarista?

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo
1/5/2022
Compartilhe com amigos

Alguns meios de comunicação com viés ideológico mais à esquerda por vezes referem-se à Brasil Paralelo, como sendo “bolsonarista”

Entretanto, a Brasil Paralelo nunca celebrou contratos com o Poder Público, bem como, jamais recebeu financiamento de político, ou qualquer incentivo por meio da lei de audiovisual e mesmo assim há quem insista em tentar acusá-la de receber dinheiro público. Não só não recebe nem um real, como também não recebe nenhum tipo de interferência editorial. Não existe vínculo com pautas, ideias, acordos, nada.

Quando a falsa narrativa, de que a Brasil Paralelo é “bolsonarista” e recebe dinheiro do governo chegou em Brasília, alguns políticos pediram a quebra do sigilo bancário da empresa. Não foi preciso, pois os sócios fundadores, Henrique Viana, Filipe Valerim e Lucas Ferrugem, mostraram espontaneamente todas as contas da empresa ao vivo em uma live.

Todos os que estavam ao vivo e os que assistiram à live posteriormente puderam confirmar que não existe nenhum real de dinheiro público ou de qualquer político na empresa.

O financiamento recebido vem dos Membros que assinam os planos para ter acesso aos conteúdos exclusivos, como, por exemplo, ao streaming de filmes BP Select.

O que você vai encontrar neste artigo?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

A Brasil Paralelo é uma empresa bolsonarista?

A Brasil Paralelo Entretenimento e Educação S.A não declara apoio algum a políticos em particular, não possui partido, pautas identitárias ou ideológicas. A missão da empresa consiste em resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros, sem qualquer tipo de viés político. 

Os valores que norteiam a empresa são respectivamente: Verdade, Liberdade, Arte, Ambição, Meritocracia, União e Diplomacia.

Para Fernando Nicolazzi, por exemplo, que é professor de história da UFRGS, a Brasil Paralelo é uma engrenagem da máquina ideológica bolsonarista. Segundo ele, o foco da empresa é criar conteúdos de história repletos de falsificação documental, distorções interpretativas, preconceito religioso, inverdades históricas e desonestidade intelectual.

Apesar das acusações, nenhuma narrativa manteve-se perante a Justiça. As acusações são sempre desmentidas com argumentos e pelo próprio histórico da empresa. Em geral, as acusações são fruto de mentiras, má-fé ou desconhecimento sobre a atuação da Brasil Paralelo.

Com prova cabal, não existe nenhum conteúdo da Brasil Paralelo no qual conste propaganda política, seja para o Presidente Jair Bolsonaro ou qualquer outro. 

Em entrevista ao programa Pânico, da Jovem Pan, o CEO da Brasil Paralelo, Henrique Viana, respondeu publicamente se a Brasil Paralelo é uma empresa bolsonarista:

“Quando o dinheiro vem do governo, o conteúdo torna-se enviesado para o grupo dos políticos que controlam a verba. [...] Nós já falamos várias vezes, somos radicalmente contra o uso do dinheiro público em nossos filmes. [...] Nossa independência está alicerçada no nosso público e na nossa consciência. (Fala iniciada a partir do minuto 13:47)  

Imagina, Emílio, nós começamos a receber dinheiro do governo. Passa um tempo e nós decidimos fazer um filme que incomoda os caras, mas o dinheiro vem deles. Nesse momento acabou a independência. (Fala iniciada no minuto 37:55)

A entrevista foi gravada após o fim da CPI do Covid. Antes que os senadores executassem a ordem de quebra de sigilo bancário, os próprios fundadores adiantaram-se e mostraram que não há qualquer vínculo da empresa com o governo, dinheiro público, políticos ou leis de incentivo audiovisual.

Inclusive em recente decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal foi determinado ao Senado a destruição de todos os dados indevidamente coletados da Brasil Paralelo em processo no qual foram verificadas diversas ilegalidades nos pedidos que embasaram a quebra de sigilo da empresa.

Por que acusam a Brasil Paralelo de ser bolsonarista?

Em tempos de atividade intelectual corrompida, na qual não se busca a verdade como norte mas sim a comprovação de uma ideologia pré-concebida, a Brasil Paralelo surge contrária às narrativas enviesadas. 

A empresa é contrária a qualquer tipo de ideologização política de conteúdo, como acontece, por exemplo, em ideologias ditas de esquerda ou de direita. Mas uma vez que uma ideologia está estabelecida, o veículo que produz conteúdos não alinhados com uma ideologia predeterminada costuma ser perseguido.

A contemporaneidade vive em tempos de predomínio do materialismo, marxismo, relativismo, liberalismo. É comum ver apologia a ideologias como a de “gênero”, à luta de classes, à censura.

Um meio comum de censurar um adversário é criar rótulos, como: fascista, marxista, feminista, ou, como é o caso, bolsonarista. O rótulo age reduzindo, diminuindo e mentindo, para que se cause rejeição.

Quando a Brasil Paralelo é acusada de ser bolsonarista sem qualquer evidência, a tentativa pode ser a de difamar a empresa para tentar retirar a credibilidade de seu conteúdo. São casos de mentira, má-fé, ou simples falta de conhecimento.

Por causa da falta de fundamento dos ataques, a Brasil Paralelo nunca perdeu uma ação judicial contra seus detratores. A empresa mantém a luta pelos seus valores e continua crescendo com a ajuda de seus Membros e colaboradores.

O que a Brasil Paralelo oferece?

A empresa produz documentários, filmes, programas, cursos e séries que tratam da cultura, de ciência política, história, filosofia, economia, educação, artes e atualidades. Já são mais de 70 documentários que alcançaram milhões de brasileiros.

A Brasil Paralelo disponibiliza uma enorme quantidade de conteúdos gratuitos, mas, como apontado, a fonte de receita é o serviço de assinatura. 

Além de contribuir para o crescimento do projeto, os assinantes tornam-se membros da Brasil Paralelo, tendo acesso a diversos conteúdos exclusivos, como um catálogo de filmes e cursos sobre história, economia, filosofia, ciência política, arte e educação.

Além disso, recebem versões estendidas dos Originais BP, e assistem às entrevistas completas com grandes professores, escritores, filósofos, jornalistas e cientistas políticos, dentre outros.

Você pode assistir no computador ou em qualquer aparelho conectado à internet, como Smart TVs, smartphones e tablets.

BP Select — assista os melhores filmes clássicos

A BP Select estreou no dia 27 de setembro de 2021 e já possui mais de 47.000 assinantes. Trata-se de um streaming com filmes consagrados, produções originais da Brasil Paralelo e um catálogo com desenhos infantis.  A proposta da plataforma é oferecer um conteúdo que diverte e educa ao mesmo tempo.

A BP Select foi criada para suprir três demandas do público da Brasil Paralelo:

  1. Presença — oferecendo filmes com conteúdo de qualidade, sem valores contrários à família e que permitem bons aprendizados junto com entretenimento;
  2. Controle —  oferecendo aplicativo de televisão para que os conteúdos sejam assistidos em qualquer lugar, até mesmo no sofá de casa. O aplicativo é compatível com computadores, celulares, tablets e televisores;
  3. Experiência de cinema —  os assinantes da BP Select podem apertar o play sem medo. São mais de 50 produções originais, mais de 300 entrevistas exclusivas e uma lista de filmes escolhida a dedo, além do acesso aos programas da Brasil Paralelo direto na Plataforma de Membros.

Os filmes foram selecionados a dedo pela curadoria da Brasil Paralelo. São obras que saltam da tela e tocam o coração, com mensagens boas e valores seguros.

  • Não perca tempo! Todo esse catálogo de filmes pode ser acessado se você adquirir uma assinatura da BP Select. Por apenas 19 reais mensais, você destrava todo esse conteúdo e muito mais.

A Brasil Paralelo é de direita?

Acusar uma empresa de ser de extrema direita é uma tentativa pejorativa de desmerecimento, assim como a acusação de ser de extrema esquerda.

O que isto significa? A concepção atual é que qualquer um que seja de algum extremo é muito radical. Existem muitas formas de definição, que variam de acordo com o contexto e as gerações.

Hoje, esquerda e direita não têm o mesmo significado que tinham em seu surgimento no contexto da Revolução Francesa. As palavras em si não significam nada, mas são utilizadas de acordo com a intenção de seu autor.

Quem é o típico indivíduo de extrema direita? A definição pura não conceitua por si mesma. O significado depende da acepção cultural da palavra, algo que muda com o tempo. Que ponto de vista deve ser observado?

A Brasil Paralelo não é de extrema direita ou de extrema esquerda, nem liberal ou progressista. Preocupa-se com a busca da verdade e há liberdade na busca da verdade.

A Brasil Paralelo não define seu conteúdo com base em nenhuma corrente, em nenhum grupo. Não é possível ser de extrema direita porque não se sabe o que isso é e porque não tem como significar algo para todos. A empresa é guiada apenas por fontes seguras e bons valores.

“Palavras como ‘direita’ e ‘esquerda’ são como guarda-chuvas para aglutinar milhões de pessoas, que certamente discordam muito entre si”.

A Brasil Paralelo entrevista personalidades da esquerda?

A empresa já recebeu nomes normalmente tidos como “de esquerda”. Gilmar Mendes foi entrevistado quando era presidente do Tribunal Superior Eleitoral e Ministro do STF. Outros entrevistados foram: Mariana Carvalho e Xico Graziano, lideranças do PSDB; Simon Schwartzman, presidente do IBGE, Paulo Rezzutti, escritor; e Aldo Rebelo, Ex-ministro da Defesa do Brasil

Vários foram entrevistados e muitos outros foram convidados e não aceitaram.

O próprio Haddad foi convidado, afinal era Ministro da Educação e sua versão dos fatos foi solicitada. Mário Sérgio Cortella foi convidado para falar sobre sua visão de Paulo Freire e também recusou.

As entrevistas são escassas, mas o que muitos podem não saber é que os autores considerados “de esquerda” são lidos.

Os pesquisadores da Brasil Paralelo leem: Georg Lukács, Herbert Marcuse, Habermas, Rousseau, Paulo Freire e Karl Marx. Até José Paulo Neto, um dos comunistas mais conhecidos do Brasil, foi uma das fontes pesquisadas, além de cursos abertos de Yale, por exemplo.

Não há preocupação em eliminar uma parte das fontes. É obrigação do investigador ver o mesmo assunto do maior número possível de ângulos.

Quem na mídia tradicional, nas universidades brasileiras, convida especialistas não alinhados ideologicamente? Quando a Globo chama, a não ser para fazer chacota? Em qual universidade se estuda a Revolução Francesa considerando Edmund Burke?

Não há diálogo de fontes. Mas a Brasil Paralelo estuda a todos antes de apresentar qualquer conteúdo. A busca é por conquistar a legitimidade na busca da verdade.

Simon Schwartzman está presente nos episódios de história do Brasil e no Pátria Educadora. Paulo Rezzutti teve um destaque no episódio quatro da série Brasil por causa do livro que escreveu sobre Leopoldina. Gilmar Mendes falou sobre o fatiamento do impeachment feito por Lewandowski.

Qual é a história da Brasil Paralelo? [Resumo]

A Brasil Paralelo é bolsonarista?
Filipe Valerim, Henrique Viana e Lucas Ferrugem, os fundadores da Brasil Paralelo.

Em 2016, a Brasil Paralelo foi criada no Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. Dos 5 sócios fundadores, três eram ex-alunos da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM): Henrique Viana, Filipe Valerim e Lucas Ferrugem. Eles permanecem à frente da empresa até hoje.

Na época, usaram aproximadamente R$ 13 mil do próprio bolso e empréstimos bancários a juros, sem nenhum incentivo estatal, apoio da Lei Rouanet ou qualquer coisa do gênero.

Eles perceberam que as pessoas estavam emocionalmente envolvidas com o cenário político, quando muitos acreditavam que o impeachment da Dilma Rousseff resolveria todos os problemas brasileiros.

Havia a necessidade de compreender o que tinha levado o povo àquele momento de crise política extrema.

Naquele contexto, notaram uma demanda social latente. De um lado estava o público com uma interpretação superficial do fenômeno político do momento. Por outro lado, havia um conjunto de influenciadores com um profundo entendimento desta questão, mas que não tinham espaço na grande mídia, nem estrutura profissional para falar sobre o assunto.

A ideia era conectar a falta de conhecimento das pessoas com aqueles que sabiam o que falar e ainda não tinham a oportunidade de fazê-lo.

Por esta razão, convidaram professores, políticos, escritores, historiadores, filósofos, pesquisadores e profissionais que eram referências em suas áreas para contribuir de forma mais lúcida para a análise dos acontecimentos.

  • Veja mais: conheça mais sobre a fundação da Brasil Paralelo através dos próprios fundadores:

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre a Brasil Paralelo ser bolsonarista?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Compartilhe com amigos

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outros Artigos

VER TODOS