Devido ao lançamento da série A Sétima Arte, não teremos os programas diários nessa semana. Retornaremos com a programação normal no dia 01 de novembro.

O professor Rodrigo Gurgel comenta os impactos da Semana de Arte Moderna na cultura brasileira

Redação Brasil Paralelo

O pintor Di Cavalcante, um dos artistas que expôs sua obra na polêmica Semana de Arte Moderna, assim a descreveu:

“Seria uma semana de escândalos literários e artísticos, de meter os estribos na barriga da burguesiazinha paulista”.

A proposta dos artistas desde o início se mostrou clara: a afronta, o escândalo e o rompimento com os padrões estéticos vigentes. Conheça a Semana de 22.

O que você vai encontrar nesta entrevista?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

O que foi a Semana de Arte Moderna?

Semana de Arte Moderna

A Semana de Arte Moderna foi um evento artístico e cultural que ocorreu no Teatro Municipal de São Paulo, entre os dias 13 a 18 de fevereiro de 1922. A proposta era apresentar uma nova estética artística para todos os campos das artes.

O evento contou com apresentações de dança, música, recital de poesias, exposição de obras de arte, como pinturas e esculturas, e palestras.

Os artistas envolvidos na organização da Semana de 22 propunham novas visões de estética artística, baseadas nas vanguardas artísticas europeias.

  • O que é arte? Qual seu papel na vida do homem? Conheça as sete artes e se surpreenda.

Assim, inauguraram a corrente do Modernismo nas artes brasileiras. Todavia, este não era o único objetivo dos artistas.

Qual era o objetivo da Semana de Arte Moderna?

O evento, que chocou grande parte da platéia presente, buscou implementar novos processos na confecção das artes e dar-lhe uma feição mais brasileira. Um dos principais objetivos era o rompimento com a estética da arte acadêmica, especialmente do parnasianismo.

A informalidade e o improviso, a liberdade de produção, tudo isso tornou-se regra da arte moderna, de modo a romper o formalismo das artes até então vigentes.

Os principais objetivos da Semana de Arte Moderna foram:

  • romper com o formalismo da estética artística;
  • criticar a arte acadêmica;
  • inaugurar o movimento modernista brasileiro inspirado nas vanguardas europeias;
  • criar uma arte que fosse autenticamente brasileira;
  • popularizar a arte.

Além dos objetivos, algumas características definem bem o que foi apresentado na Semana de 22.

  • Veja, na opinião do professor Rodrigo Gurgel, as principais características da Semana de Arte Moderna. Trecho disponível na nossa série “Brasil — A Última Cruzada”: 

Principais características da Semana de Arte Moderna:

  • ausência de formalismo;
  • ruptura com o academicismo e o tradicionalismo artístico;
  • crítica ao modelo parnasiano;
  • influência das vanguardas artísticas europeias, sobretudo destas: futurismo, cubismo, dadaísmo, surrealismo e expressionismo;
  • valorização da identidade e cultura brasileira;
  • fusão de influências externas aos elementos artísticos brasileiros;
  • experimentações estéticas;
  • utilização da linguagem coloquial e vulgar para aproximar-se da linguagem do povo;
  • temáticas nacionalistas e cotidianas.

A Semana de Arte Moderna e suas propostas inovadoras são frutos dos acontecimentos de seu tempo.

  • Contribua para que mais artigos como este continuem a ser produzidos e torne-se Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 mensais. Além disso, você acessa materiais exclusivos todos os meses e ajuda na expansão e continuidade deste trabalho.

Qual o contexto histórico social da Semana de Arte Moderna?

A Semana de Arte Moderna ocorreu no ano de 1922, ocasião do centenário da Independência do Brasil. Esta festa motivou alguns dos artistas a repensarem a identidade nacional e a buscarem criar algo mais brasileiro.

  • Como ocorreu a Independência do Brasil? Conheça toda a história de bravura e coragem que permitiu os brasileiros romperem com Portugal.

O Brasil nesse período passava por diversas mudanças políticas, econômicas e sociais. São elas:

  • o advento da industrialização;
  • o crescimento da urbanização;
  • a imigração estrangeira;
  • o clima do fim da Primeira Guerra Mundial.

Todas essas transformações motivaram os artistas a buscarem uma nova imagem para o país, que lhe acompanhasse a modernização.

Boa parte dos artistas precursores do modernismo, que pretendiam criar essa nova figura brasileira, tiveram sua formação em universidades europeias. É através destes círculos acadêmicos que eles se inspiram nas vanguardas e buscam implementar seus princípios na arte brasileira.

Apesar de procurarem criar uma arte autenticamente brasileira, a inspiração principal de suas ideias veio da Europa, assim como no parnasianismo.

Segundo o professor Rodrigo Gurgel: 

“Aquele grupo de jovens estava lá em Paris decidindo porque o Brasil precisava de uma nova literatura brasileira. Os caras estavam lá estudando nas melhores universidades, comendo do bom e do melhor, servindo-se com talheres de prata, estabelecendo altas discussões filosóficas e literárias com a elite cultural francesa, mas achavam que eles tinham a solução para a literatura brasileira. É a mesma arrogância, é o mesmo tipo de comportamento, algo eminentemente populista, demagógico”.

Na opinião do professor, o movimento da Semana de 22 é extremamente elitista, posto que um pequeno grupo de artistas se reúnem e creem ter legitimidade para estabelecer como deve ser a arte nacional.

Assim, a burguesia paulista, que dominava o cenário político e econômico nacional, busca tomar a frente da cultura nacional.

Apesar do caráter burguês e paulista do movimento, as novas regras modernistas tomaram todo o cenário artístico nacional.

Quem foram os artistas da Semana de Arte Moderna?

Semana de 22

A Semana de Arte Moderna de 1922 contou com a participação de alguns artistas, dentre os quais:

  • Mário de Andrade (1893-1945);
  • Oswald de Andrade (1890-1954);
  • Graça Aranha (1868-1931);
  • Victor Brecheret (1894-1955);
  • Plínio Salgado (1895-1975);
  • Anita Malfatti (1889-1964);
  • Menotti Del Picchia (1892-1988);
  • Ronald de Carvalho (1893-1935);
  • Guilherme de Almeida (1890-1969);
  • Sérgio Milliet (1898-1966);
  • Heitor Villa-Lobos (1887-1959);
  • Tácito de Almeida (1889-1940);
  • Di Cavalcanti (1897- 1976);
  • Guiomar Novaes (1894-1979).

E o que foi exposto na exibição?

Quais foram as principais obras apresentadas?

Artistas e características da semana de arte moderna de 22

Realizado entre os dias 13 e 17 de fevereiro, no saguão do Teatro Municipal de São Paulo, o festival da Semana de Arte Moderna incluiu a exposição diária de cerca de 100 obras e três sessões literárias e musicais noturnas.

O evento foi inaugurado pela palestra do escritor Graça Aranha: “A emoção estética da Arte Moderna”, seguido de apresentações musicais e exposições artísticas.

No segundo dia, houve uma apresentação musical, a palestra do escritor e artista plástico Menotti del Picchia e a leitura do poema “Os Sapos” de Manuel Bandeira.

Ronaldo de Carvalho fez a leitura, pois Bandeira encontrava-se numa crise de tuberculose. Nesse poema, a crítica à poesia parnasiana era severa, o que causou indignação do público, que respondeu com muitas vaias e burburinhos.

  • A boa arte leva o homem a contemplar o belo e a verdade. Conheça a Síndrome de Stendhal, a estranha doença que acomete pessoas que se abalam com belas obras de arte.

A agitação geral só aumentou ao longo da Semana. As obras e suas propostas contestadoras e irreverentes foram muito mal recebidas.

Por fim, no terceiro dia, o teatro já se encontrava bem mais vazio. Quem subiu ao palco para apresentação foi o maestro Villa Lobos.

Ele entrou no palco calçando num pé um sapato e noutro um chinelo. O público vaiou, pois considerou a atitude futurista e desrespeitosa. Depois, foi esclarecido que Villa-Lobos entrou desta forma porque estava com um calo no pé.

Apesar da péssima recepção do público, as obras da Semana de Arte Moderna tiveram grande impacto.

  • Torne-se Membro do Núcleo de Formação da Brasil Paralelo para ter acesso ao Núcleo de Formação. Você terá conteúdos exclusivos de todos os documentários e acesso a dezenas de cursos sobre história, filosofia, economia, arte e educação. Aprenda com os grandes pensadores da humanidade e receba conteúdo inédito todos os meses.

Quais foram os impactos da Semana de Arte Moderna?

A recepção do movimento gerou duas reações: a da crítica, que condenou tudo que foi apresentado, chegando inclusive a comparar os artistas com doentes mentais e loucos, e a do público que, desconfortável e insatisfeito com o que foi apresentado, ignorou o movimento modernista.

Apesar do fracasso dos três dias de evento da Semana de Arte Moderna, ela se tornou um marco cultural para a arte brasileira.

Suas ideias tornaram-se regras na academia brasileira, principalmente por influência das revistas, movimentos e manifestos que após a Semana de 1922 surgiram.

O objetivo desses grupos era espalhar o novo modelo artístico. Os que mais se destacaram foram:

  • Revista Klaxon (1922);
  • Revista Estética (1924);
  • Movimento Pau-Brasil (1924);
  • Movimento Verde-Amarelo (1924);
  • Manifesto Regionalista (1926);
  • Revista de Antropofagia (1928);
  • Movimento Antropofágico (1928).

A Semana de 22 cumpriu o papel de divulgação da arte moderna, que, por sua vez, cultivou o terreno para a consolidação de uma revolução artística e literária que tomou forma após 1922.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre a Semana de Arte Moderna?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outras entrevistas

VER TODAS