Artigo
8
min de leitura

Conheça a história de Lampião, o cangaceiro que se tornou herói popular

Política
História
Brasil
face oculta de Lampião.
Fonte da imagem: Wikimedia Commons.
Redação Brasil Paralelo

Virgulino Ferreira da Silva, mais conhecido como Lampião, é um dos bandidos mais famosos da história do Brasil. Após uma juventude de dificuldades, ele decidiu buscar vingança por meio da força. 

Ele foi o personagem principal do cangaço, movimento que fez parte da história do Nordeste do final do século XIX até o início do século XX. 

Rui Facó, em sua obra Cangaceiros e Fanáticos: Gênese e Lutas, oferece uma análise relevante sobre o cangaço e o papel de Lampião:

“O exemplar mais famoso entre os cangaceiros é Virgulino Ferreira da Silva, Lampião. [...] Seu objetivo confesso é vingar a morte do pai. Este motivo aparente, no entanto, tem a função de gota de água que faz transbordar o copo. Aí começa a peregrinação de vinte anos daquele que seria depois conhecido como o Rei do Cangaço e Governador do Sertão”. 

Apesar de todo o histórico de violência, atraiu a simpatia de parte da população local que o enxergava como uma espécie de herói social, revoltando-se contra as desigualdades.

Sua história chegou a ganhar as folhas da literatura de cordel e sua morte, em 1938, acabou por decretar o fim do cangaço no país.  Conheça a Face Oculta de Lampião:

O que você vai encontrar neste artigo?

As origens de Lampião - Biografia

Nascido no interior de Pernambuco, na cidade de Serra Talhada, em algum dia entre 4 de julho de 1897 e 12 de fevereiro de 1900, Lampião veio de uma família com condições financeiras suficientes para financiar a sua alfabetização. 

A data de nascimento mais aceita de forma geral é 7 de julho de 1897, informação encontrada em seu registro civil. 

O pai de Virgulino Ferreira da Silva, José Ferreira, trabalhava conduzindo bestas de carga, o que lhe permitiu adquirir algumas terras. Quando viajava, costumava levar Lampião para estados como Bahia, Ceará, Paraíba, Alagoas e Sergipe. 

Ainda de acordo com Rui Facó, a dureza da vida no campo ajudou a moldar o caráter dos cangaceiros que iriam se juntar a Lampião:

“Que espécie de homens compunham o bando? São todos, invariavelmente, gente da mais pobre do interior do Brasil, homens do campo que não têm terra, não podem ter gado, não têm sequer trabalho garantido”. 

Mas a história da família começou a mudar após a ascensão política do vizinho, José Alves de Barro, também conhecido como Zé Saturnino. 

Eles iniciaram uma disputa por terras, fazendo com que a família de Lampião tivesse que mudar de casa algumas vezes para evitar conflitos. 

As mudanças constantes foram negativas para a vida financeira da família, que acabou empobrecendo e perdendo poder aquisitivo. 

Zé Saturnino era mais influente politicamente e socialmente na região. Ele foi o responsável por pedir a morte de José Ferreira. 

Em 1920, o sargento da polícia José Lucena assassinou o pai de Virgulino e deu a ele motivos para entrar para o cangaço e se tornar Lampião

No livro Lampião, senhor do sertão: vidas e mortes de um cangaceiro, de Élise Grunspan Jasmin, ela ressalta os impactos das injustiças sociais do sertão nordestino na personalidade de Lampião, afirmando:

“Lampião seria, então, não somente o emblema da luta contra a injustiça e as desigualdades sociais, mas também a personificação do próprio Nordeste. Lampião tinha sido o primeiro homem do Nordeste oprimido pela injustiça dos poderosos, a batalhar contra o latifúndio e a arbitrariedade. Teria sido um símbolo de resistência”. 

Lampião entra para o cangaço

Os acontecimentos da sua juventude deram motivos para que Virgulino decidisse buscar vingança pelas injustiças que sua família sofreu. 

A rigidez do sertão também ajudou a forjar o seu caráter e serviu de combustível para que sua trajetória fosse tumultuada e marcada por violência. 

Lampião decidiu entrar para o cangaço e se juntou ao bando de Sinhô Pereira, um dos principais cangaceiros da região. 

Suas habilidades chamaram a atenção de Sinhô Pereira, que rapidamente o transformou em um dos líderes do bando. Dois anos depois, com a saída de Pereira do cangaço, Lampião assumiu o comando. 

A origem do apelido "Lampião"

O apelido de Lampião teria sido dado pela destreza de Virgulino em manejar o rifle e a rapidez com que fazia os tiros sucessivos iluminarem a noite, afirma o biógrafo Cicinato Ferreira Neto. 

Ele também era conhecido por sua perspicácia e habilidade em batalha. Em 1927, no município de Riacho de Sangue, Lampião e outros 50 cangaceiros foram cercados por 400 policiais. 

O tiroteio indicava a derrota derradeira da carreira de Lampião e sua quadrilha. Porém, ele teria pedido para que seus cangaceiros parassem de atirar e se pusessem em total silêncio. 

Os policiais acharam que tinham vencido a batalha e avançaram em direção à armadilha. Foram surpreendidos por tiros à queima roupa e obrigados a bater em retirada. 

A romantização dos cangaceiros

Lampião passou duas décadas agindo com violência pelas terras do Nordeste, mas, mesmo assim, uma parte da população local enxergava o bando como heróis justiceiros que estavam enfrentando as oligarquias. 

O historiador marxista Eric Hobsbawm, em seu livro Bandidos, popularizou o conceito de banditismo social. 

O bandido social era aquele fora da lei que vivia em um mundo rural esquecido pelo capitalismo industrial urbano. Tornava-se assim, um instrumento de justiça popular contra um sistema profundamente injusto, onde imperava a lei do mais forte. 

As pessoas que apoiavam as ações dos cangaceiros eram conhecidas como coiteiros, responsáveis por oferecer comida e proteção contra a polícia. 

Entre as mulheres coiteiras estava Maria Gomes de Oliveira, mais conhecida como Maria Bonita. Ela era casada com Zé Neném, um sapateiro, mas acabou se apaixonando por Lampião, tornando-se amante dele em 1929. 

Ainda de acordo com Elise Grunspan Jasmin, na obra Lampião, senhor do sertão: vidas e mortes de um cangaceiro, Maria Bonita teve participação importante no cangaço:

“Maria Bonita é talvez, com Dadá, a mulher de Corisco, a personagem feminina mais emblemática do cangaço. Em algumas narrativas contemporâneas e posteriores ao cangaço, mas principalmente nos versos da literatura de cordel, Maria Bonita distingue-se por sua beleza excepcional, a qual seduziu o ‘Rei do Cangaço’”. 

Ela ficou conhecida como a primeira mulher a se tornar uma cangaceira. A partir daí, Lampião permitiu que seus companheiros também tivessem mulheres. 

Em 1932, os dois tiveram uma filha cujo nome era Expedita Ferreira Nunes. 

O modo de agir dos cangaceiros

No período entre 1922 e 1938, Lampião e seus companheiros foram responsáveis por diversos ataques a fazendas, cidades e comboios. 

Contrapondo a imagem do justiceiro, Lampião e seu bando são acusados de massacres, pilhagens e uma série de horrores que incitavam o medo nas comunidades sertanejas. 

Virgulino tinha seu próprio código de ética: justo para alguns, cruel para outros. Muitos relatos da época descrevem suas punições brutais, narra Tiago Pavinato no livro Da Silva: a Grande Fake News da Esquerda: o Perfil de um Criminoso Conhecido e Famoso Pela Alcunha Lampião. Algumas das principais ações eram:

  • decapitações;
  • castração;
  • estupros;
  • torturas;
  • assassinatos;
  • assaltos
  • extorsões.

Boa parte desses atos violentos era empregada contra o próprio bando. Também contra os mais humildes, justamente para assegurar sua liderança e seu domínio sobre os territórios

Há relatos da época indicando que homens e mulheres foram marcados com feridas em forma de cruz. As mulheres ainda sofriam com a marcação do rosto com ferro quente. 

No livro Lampião: a Raposa das Caatingas, o autor José Bezerra Lima Irmão ressalta o impacto da violência perpetrada por Lampião e seus cangaceiros. 

Lampião e seu grupo costumavam enganar os policiais para atacar as cidades escolhidas. Postos de telégrafo eram tomados para que o bando pudesse enviar mensagens relatando a presença em uma determinada região. 

Com o deslocamento dos policiais, outras regiões ficavam vulneráveis e podiam ser atacadas mais facilmente. 

Os dados da época são incertos, mas segundo relatos, Lampião e seu bando teriam sido responsáveis por: 

  • mais de 1.000 assassinatos;
  • mais de 500 propriedades incendiadas;
  • mais de 5 mil cabeças de gado mortas;
  • mais de 200 mulheres violentadas. 

A conexão de Lampião com poderosos coronéis é outro aspecto polêmico. Ele teria construído uma enorme rede de coiteiros e coronéis aliados a seu bando

Os coronéis ofereciam armas e proteção aos cangaceiros, que em troca ofereciam serviços de milícia. 

Dois dos maiores coiteiros de Lampião foram homens muito poderosos. O coronel Petrolino de Alcântara Reis e o capitão do exército Erônides de Carvalho que viria a ser governador de Sergipe. 

Durante entrevista concedida em 1926, Virgulino afirmou:

“Aprecio de preferência as classes conservadoras: agricultores, fazendeiros e comerciantes”. 
  • Conheça aspectos pouco conhecidos de Lampião, no programa Face Oculta, original da Brasil Paralelo: 

Combate ao cangaço

Para tentar conter a tática de combate móvel de Lampião e seu grupo, os governos de Pernambuco e Paraíba acabaram criando a Força Volante de Combate ao Banditismo. 

Esses policiais tinham a autorização para entrar em todos os estados vizinhos e executar planos de ação para combater o cangaço. 

Em uma dessas ações, o irmão de Lampião acabou sendo morto. Em julho de 1925, a Força Volante conseguiu encurralar o bando em uma fazenda entre Pernambuco e Alagoas. 

Isso foi possível porque outros estados acabaram adotando essa mesma tática, permitindo que suas forças armadas procurassem o bando por todo o território próximo. 

“A derrota de Lampião foi o resultado de uma campanha implacável do governo para erradicar o cangaço. Após anos de perseguição e confrontos, as forças volantes finalmente conseguiram cercar Lampião e seu bando, levando à sua morte e ao fim de sua insurgência”. 

Neste trecho do livro Cangaceiros e Fanáticos, Rui Facó destaca a força-tarefa necessária para dar fim aos episódios de violência de Lampião e seus cangaceiros. 

A terrível morte de Lampião

A morte de Lampião seria tão macabra quanto os relatos de suas atrocidades. Um dos coiteiros de confiança, Pedro de Cândido, teria sido torturado para que entregasse a localização do bando. 

Traído, Lampião e seus cangaceiros foram surpreendidos em seu esconderijo, a famosa Grota do Angico, em Sergipe. 

O tenente João Bezerra liderou uma operação de emboscada realizada no dia 28 de julho de 1938, que teve a participação de 48 policiais volantes. 

Após uma noite de descanso sob muita chuva, Lampião e seu bando foram surpreendidos pela polícia logo no começo do dia. 

Os policiais volantes estavam portando metralhadoras e dispararam incessantemente contra os 34 integrantes do bando, incluindo Lampião e Maria Bonita. Ao todo, 11 pessoas foram mortas. 

Todos os mortos foram degolados e a polícia preservou as cabeças para depois desfilar com todas elas pelas cidades do Nordeste, como um gesto de celebração da vitória contra o cangaceiro mais famoso do Brasil. 

Com a morte de sua principal liderança, foi questão de tempo para que o cangaço chegasse ao fim. Outras lideranças e bandos começaram a se entregar com a promessa de anistia para quem delatasse companheiros. 

A romantização do cangaço

Hoje, o cangaço vive na cultura popular. Filmes, músicas, livros, a influência de Lampião é inegável. Algumas das histórias que circulam sobre ele são repletas de mitos e lendas. 

Isso dificulta a distinção entre o que é real e o que trata de um personagem folclórico. Porém, ao analisar os fatos, Lampião nada mais era do que um cangaceiro

Como tal, cometia atrocidades que foram romantizadas com o passar dos anos, a ponto de criar para muitos a imagem de herói rebelde, um verdadeiro exemplo de bandido social.

Segundo o artigo Cangaço: mulheres e memória (1930 - 1940), dos autores Antoniel Neres dos Santos e Jackeline Mendonça Costa:

“Pode-se dizer que a história foi gentil com eles, por meio de uma série de acontecimentos - como a romantização feita pelos cordelistas e a heroificação da história contada pelos coiteiros - o cangaceiro é preservado na memória popular como sendo o ‘justiceiro do sertão’. Os assassinatos e estupros cometidos muitas vezes sem motivo aparente, caíram num obscurantismo no que diz respeito à memória”. 

DE DESCONTO

Assine o plano ideal para você

Aperte o play sem medo

Básico

de
R$
19
/mês
12x
R$
19.00
/mês
Originais e Séries BP, Aplicativo e plataforma e Programação BP completa
Assine agora
*Assinatura anual com renovação automática.
Garantia incondicional de 7 dias
HD
Qualidade de vídeo
Nenhum
Downloads offline
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação
MELHOR PLANO

Premium

de
R$
59
/mês
12x
R$
59.00
/mês
Originais e Séries BP, Aplicativo e plataforma e Catálogo de filmes selecionados
Assine agora
*Assinatura anual com renovação automática.
Garantia incondicional de 7 dias
Originais 4K
Qualidade de vídeo
10 Títulos
Downloads offline
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação

Intermediário

de
R$
39
/mês
12x
R$
39.00
/mês
Originais e Séries BP, Cursos e formações BP eCatálogo de filmes sele
ASSINE AGORA
*Assinatura anual com renovação automática.
Garantia incondicional de 7 dias
Full HD
Qualidade de vídeo
2 Títulos
Downloads offline
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação

Plano Básico

Assinatura Vitalícia
Valor sem desconto:
12x de
R$ 190,00
Valor à vista:
R$ 2.280,00

Cupom aplicado 37% OFF

Valor com desconto:
12x de
R$ 119,00
Valor à vista:
R$ 1.428,00
Assine uma única vez >
Garantia incondicional de 7 dias.
de
R$
19
/mês
Originais e Séries BP, Aplicativo e plataforma e Programação BP completa
*Assinatura anual com renovação automática.
Resumo do plano:
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação
Downloads simultâneos:
Não disponível neste plano.
Qualidade do vídeo:
HD

Plano Premium

Assinatura Vitalícia
Valor sem desconto:
12x de
R$ 590,00
Valor à vista:
R$ 7.080,00

Cupom aplicado 62% OFF

MAIOR DESCONTO

Valor com desconto:
12x de
R$ 219,00
Valor à vista:
R$ 2.628,00
Assine uma única vez >
Garantia incondicional de 7 dias.
de
R$
19
/mês
Originais e Séries BP, Aplicativo e plataforma e Programação BP completa
*Assinatura anual com renovação automática.
MAIS COMPLETO
Resumo do plano:
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação
Downloads simultâneos:
10 títulos para assistir offline.
Qualidade do vídeo:
Originais em 4K

Plano Intermediário

Assinatura Vitalícia
Valor sem desconto:
12x de
R$ 390,00
Valor à vista:
R$ 4.680,00

Cupom aplicado 54% OFF

Valor com desconto:
12x de
R$ 179,00
Valor à vista:
R$ 2.148,00
Assine uma única vez >
Garantia incondicional de 7 dias.
de
R$
19
/mês
Originais e Séries BP, Aplicativo e plataforma e Programação BP completa
*Assinatura anual com renovação automática.
Resumo do plano:
Originais e Séries BP
Catálogo de filmes selecionados
Catálogo infantil seguro
+ de 300 entrevistas completas
Cursos do Núcleo de Formação
Downloads simultâneos:
2 títulos para assistir offline.
Qualidade do vídeo:
Full HD

Torne-se Membro da Brasil Paralelo

Assine e tenha 12 meses de acesso a todo o catálogo e aos próximos lançamentos da BP