Índices chocantes de Criminalidade no Brasil

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo
26/7/2022
Compartilhe com amigos

O Brasil registrou 47.503 homicídios ao longo de 2021, equivalente a 130 mortes por dia. O número representa uma queda na comparação aos índices de criminalidade de 2020 e é o menor registrado desde 2011.

Mas apesar da redução de alguns números, o Brasil ainda apresenta dados alarmantes sobre o crime. Muitas guerras conseguiram ser menos letais que a guerra ao tráfico que há no Brasil, por exemplo.

A cifra de furtos é uma das mais expressivas no mundo e o lucro que o tráfico anualmente obtém no Brasil choca qualquer um.

O que você vai encontrar neste artigo?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Índices de Criminalidade no Brasil

Os dados sobre os índices de criminalidade no Brasil serão divididos em três grupos:

  1. taxas de homicídio;
  2. taxas de furto;
  3. dados sobre o tráfico de drogas.

Taxas de Homicídio - dados comparativos antigos e atuais

Em 2018, o Brasil registrou 57.956 homicídios. Em 2019 este número ficou em 45.503. A queda foi de  21,5%. De 2014 a 2019, a queda na taxa de homicídios é ainda maior: 24,8%.

Em 2021, o número de mortes ficou na casa dos 47.503. As quedas apontam um avanço no combate ao crime. O Brasil convivia com taxas de homicído tão altas que elas se tornaram algo banal. As frequentes notícias de mortes não pareciam mais chocar a população brasileira. Retrato preocupante dos índices de criminalidade no Brasil.

Para se ter uma ideia:

  • na última década, o Brasil manteve uma média  de 60.000 homicídios por ano;
  • 1 brasileiro é morto a cada 9 minutos;
  • a taxa de homicídios é de 27,5% ao ano, a cada 100 mil habitantes.

Os dados são de 2018, do Instituto Igarapé. Estas estatísticas são fruto de uma crise de criminalidade que não possui similar no mundo.

Pode parecer sensacionalismo, mas é a realidade. O Brasil apresenta índices de letalidade muito maiores do que muitas guerras internacionais. A título de comparação:

  • na 1ª Guerra Mundial, 2,45% do exército americano foi morto;
  • na 2ª Guerra Mundial, foram 2,52%;
  • na Guerra do Vietnã, foram 0,98%;
  • na retomada do Kuwait, 0,02%;
  • a porcentagem de PMs mortos no Rio de Janeiro é de 3,22%.

Fontes: PMERJ/EMG/EQG, PMERJ/EMG/PM1, PMERJ/EMG/EI, USA Congressional Research Service CRS Report RL 32492 e US Veteran Statistics

O Brasil é o 22º no ranking dos piores índices de criminalidade. Os dados comparam os 193 estados-membros da ONU. Apenas Colômbia, Venezuela e Paraguai apresentam dados piores que os do Brasil na América do Sul.

Estes dados constam no Índice Global do Crime Organizado, levantamento feito pela Iniciativa Global Contra o Crime Organizado Transnacional (GI-TOC), entidade não-governamental sediada em Genebra, na Suíça.

A concentração da violência no Norte

Os números de violência permanecem altos. Comparando os dados brasileiros com o restante do mundo, o Brasil é líder na quantidade absoluta de mortes e está entre os dez países mais violentos do planeta.

30 cidades brasileiras têm taxas acima de 100 mortes por 100 mil habitantes, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública.

Entre as 30 cidades mais violentas do País, 13 integram a Amazônia Legal e a maior parte delas está situada na região de fronteira.

Há um processo de migração da violência para a região Norte do país. Com as medidas de combate ao crime organizado nas capitais do sudeste, as facções e as milícias estão migrando para o Norte.

Tudo isto fez com que fossem elevados os índices de violência em Estados como o Amazonas.

O material do Fórum aponta que os registros de homicídio caíram em todas as regiões do País, exceto no Norte. Em 2021, foram registrados 6.291 assassinatos nessa região, ante 5.758 em 2020.

A maior alta foi no Amazonas, onde as mortes subiram de 1.121 para 1.670. O caso do assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips em Atalaia do Norte chamou atenção para a intensa violência na área.

Os conflitos na Amazônia dão continuidade a uma série de disputas entre facções que vêm ocorrendo desde 2017 e que resultaram numa alta de homicídios.

Em entrevista ao jornal Estadão, o ex-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o sociólogo Renato Sérgio de Lima explica este processo:

“Existe um processo de migração da violência para a região Norte”, explicou Lima. As facções e milícias têm migrado suas bases de operações para a região, o que teria elevado os índices de violência em Estados como, principalmente, o Amazonas.

Neste período, outras regiões entraram no radar das facções: “Tabatinga (AM) hoje é considerada a segunda principal cidade de tráfico internacional de drogas e armas. Só perde para a rota de Ponta Porã (MS)”, destacou Lima.

“A rota de Ponta Porã é controlada pelo PCC (Primeiro Comando da Capital), já a de Tabatinga é controlada pelo Comando Vermelho. Mas essas rotas são disputadas.”

Taxas de furto

Seguem alguns dados alarmantes sobre furtos que escancaram a realidade de como estão os índices de criminalidade no Brasil:

  • 40% dos brasileiros já foram assaltados.
  • cerca de 25% dos roubos de celulares que acontecem no mundo são no Brasil. Dados apresentados pela Câmara dos Deputados, no dia 05 de agosto de 2015;
  • cerca 3,35 roubos acontecem por minuto no Brasil;
  • em 2016, foram registrados 1 milhão e 850 mil roubos em um ano, apenas nas 27 capitais brasileiras. Dados da Secretaria de Segurança Pública.
  • os roubos de carga custaram R$ 6,1 bilhões à economia brasileira entre 2011 e 2016. Dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Muitos dos crimes estão associados à questão das drogas e do tráfico no Brasil.

Tráfico de drogas

O Brasil é ainda o segundo colocado global no que diz respeito ao tráfico de cocaína – empatado com México, Peru e Venezuela, e atrás apenas da Colômbia.

Os dados constam no Índice Global do Crime Organizado (GI-TOC).

Seguem outros dados que ajudam a contextualizar o impacto do tráfico de drogas no Brasil:

  • o Primeiro Comando da Capital (PCC) lucra 1 bilhão e meio por ano com o tráfico de cocaína;
  • “Comando Vermelho constrói filial no Amazonas e lava 126 milhões em 1 ano e meio” - Letícia Graziely DM.com.br, 18/06/2021;
  • "Coaf aponta que lavagem de dinheiro do PCC girou 700 milhões”, Istoé 03/05/2021.

Os índices de criminalidade do Brasil estão em queda, mas seguem alarmantes

A cada 10 minutos um brasileiro é assassinad

o. Dificilmente um país que não está em guerra apresenta índices como os brasileiros. Este levantamento faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Os dados apontam que:

  • o país teve 41.069 assassinatos em 2021, o menor número de toda a série histórica, iniciada em 2007;
  • houve 3.049 mortes a menos na comparação com 2020, uma queda de 7%;
  • 21 estados do país tiveram redução de assassinatos no ano;
  • a maior queda foi registrada no Acre, de -38%;
  • 6 estados tiveram aumento de mortes violentas - sendo que 4 deles estão na região Norte;
  • o Norte foi a única região do país que registrou alta de assassinatos, de 10%;
  • a maior alta foi registrada no Amazonas, de 54%.

A redução dos números representa uma melhora, mas a situação está longe de ser a ideal. A realidade segue tornando possível comparar os índices de criminalidade no Brasil com os números de uma guerra internacional.

O Brasil é um dos países mais violentos do mundo. 10 das 30 cidades mais violentas do mundo são brasileiras. Apenas o México está a frente do Brasil neste índice, com 19 cidades.

Fonte: Boletin Ranking de las 50 ciudades más violentas del mundo (Consejo Ciudadano para la Seguridad Pública y la Justicia Penal - México)

O Brasil está à frente até da Venezuela, que tem 6 cidades entre as mais perigosas do mundo.

Um dos fatores que explica tanta violência e insegurança, são os recursos dos criminosos. Os bandidos no Brasil portam armas com calibres de guerra. Em muitos casos, armas superiores às que portam os órgãos de Segurança Pública.

Todas as embaixadas e consulados estrangeiros possuem em suas páginas recomendações para seus cidadãos quando eles vão viajar. Alertas, cuidados e recomendações para uma viagem segura.

Quando se acessa as informações que fornecem sobre o Brasil, elas são semelhantes às recomendações dadas para países em estado de guerra.

Como chegamos a dados tão alarmantes do crime no Brasil?

O problema que vivemos une todos os brasileiros, é uma crise sem precedentes. Em 2022, a Brasil Paralelo decidiu investigar o maior problema de nosso país.

Falaremos sobre a crise de segurança pública que atinge a todos os brasileiros em nosso projeto mais ambicioso dos últimos anos. Um filme inédito: Entre Lobos.

Viajamos o Brasil de Norte a Sul e Leste a Oeste para entrevistar as maiores autoridades do assunto. São mais de 50 entrevistados entre policiais, juízes, advogados, políticos, professores, intelectuais e jornalistas.

O filme revela pela primeira vez as verdadeiras causas da insegurança que afeta todos os brasileiros.

Ele também irá mostrar o mundo real do combate ao crime, com o dia a dia e as dificuldades das polícias no Brasil.

E apresentará um olhar científico amparado em dados e uma longa pesquisa livre de ideologias e desinformação.

Assista agora Entre Lobos, uma trilogia inédita sobre a maior crise da história recente do Brasil. Clique no link e saiba mais.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre os índices de criminalidade no Brasil?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Compartilhe com amigos

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outros Artigos

VER TODOS