Quais são as consequências do aborto? O câncer de mama é apenas um dos exemplos

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo

Embora este assunto seja tratado como uma questão de saúde da mulher, existe um silêncio mortal sobre quais são as consequências do aborto. Entre os problemas espirituais, morais e sociais, os problemas físicos e psicológicos são evidentes.

Uma leitura sugerida para entender bem quais são as consequências do aborto, sua história e propósito, além dos grupos interessados em sua legalização, é Precisamos Falar Sobre Aborto: Mitos E Verdades. São 661 páginas sobre o assunto.

O que você vai aprender neste artigo?

  1. Quais são as consequências do aborto?
  2. Quais são as consequências psicológicas do aborto?
  3. O aborto está diretamente ligado ao câncer de mama;
  4. Bebês diminuem os índices de câncer de mama.

Quais são as consequências do aborto?

consequencias-psicologicas-e-fisicas-do-aborto-provocado

O aborto tem muitas consequências. A ênfase, entretanto, será dada sobre a saúde da mulher, física e mental.

O conjunto de problemas que será apresentado deve ser considerado por todos aqueles que refletem sobre a legalização do aborto, pelas mulheres que pensam em abortar caso engravidem de forma indesejada, e especialmente por aquelas que já são mães de filhos nascidos ou não-nascidos.

As consequências que serão descritas refletem a situação de abortos provocados e não dos abortos espontâneos. Estes últimos acontecem sem a intenção da mãe por complicações do organismo, doenças, impactos e outras complicações.

São casos menos preocupantes, mas é necessário ter avaliação do obstetra, que é o médico que acompanha a gestação da mulher, a fim de garantir a segurança, bem-estar e saúde da mãe e do bebê.

Ele avaliará se o aborto espontâneo deixou focos de sangramento, infecções, malformações e assegurará a limpeza do útero retirando os tecidos de um aborto incompleto.

O aborto provocado, por outro lado, vem acompanhado de uma triste série de problemas.

Efeitos colaterais do aborto na mulher

Os efeitos colaterais físicos do aborto podem ser:

  • Perfuração do útero, se o aborto for realizado pelo método de sucção;
  • Ruptura do colo uterino;
  • Histerectomia, que é a remoção do útero devido a complicações severas;
  • Hemorragia uterina, também causada por pílulas abortivas;
  • Inflamação pélvica;
  • Infertilidade;
  • Gravidez ectópica, na qual o óvulo é fertilizado fora do útero, como nas tubas uterinas, por exemplo;
  • Parto futuro prematuro;
  • Infecção por curetagem mal feita;
  • Aborto incompleto, quando os restos da placenta podem não ser completamente removidos do útero, o que pode levar a infecções graves;
  • Comportamento autopunitivo;
  • Transtorno alimentar;
  • Embolia pulmonar;
  • Insuficiência cardíaca.

Como o aborto é um procedimento invasivo, ocorre uma baixa em todo o estado de saúde da mulher, uma vez que o sistema imunológico também é afetado.

Esta lista de complicações tende a aumentar com o tempo de gravidez, porque quanto mais desenvolvido o bebê estiver, piores serão as consequências para a mulher.

Alguns métodos específicos aumentam as consequências do aborto. Por exemplo, 20 a 30% dos abortos realizados por sucção ou dilatação fetal e curetagem (DC) reduzem a fertilidade e a reprodução da mulher.

Nos EUA, o segundo maior risco de fatalidade uma vez envolveu o aborto salino. As mulheres morriam porque uma forte solução salina era introduzida no útero. Desta forma, a criança era queimada viva para depois ser extraída, mas muitas vezes a mãe morria junto com ela.

Outro fator frequente de mortes maternas envolve a anestesia mal administrada e reações de rejeição do corpo, devido a alergias ou doses equivocadas.

Após o procedimento de aborto, a busca por consultas médicas por causas físicas aumenta em 80%.

Ativistas e militantes que defendem o aborto como uma questão de saúde pública e defendem a interrupção da gravidez para o bem da mulher revelam todos estes problemas?

Aborto provocado e gestações futuras

As consequências físicas do aborto também prejudicam as futuras gestações. Supondo que uma mulher tenha abortado por causa de uma gravidez não desejada, quando ela realmente desejar ter um filho, poderá enfrentar problemas, reflexos do passado.

Por causa do aborto provocado, o risco de abortos espontâneos nas próximas gestações será dez vezes maior.

Os futuros filhos das mulheres que fizeram abortos também correm maior risco de nascerem com deficiência por causa dos danos cervicais uterinos.

Quais são as consequências psicológicas do aborto?

O que foi realizado no corpo traz consigo consequências para a mente, para o psicológico da mãe que abortou, de seus familiares e da equipe médica que realizou o aborto.

O Dr. L. Clemente de S. Pereira Rolim é especialista em Clínica Médica pela AMB e pós-graduado pela Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina, UNIFESP-EPM.

De acordo com ele, três tipos de fenômenos psíquicos são os mais frequentes nas mulheres que abortam:

  • Sentimentos de remorso e de culpa;
  • Depressão e oscilações de ânimo;
  • Choro desmotivado, medos e pesadelos.

Outras consequências psicológicas do aborto são frigidez (perda do desejo sexual) e aversão ao parceiro com quem teve relações.

Curiosamente, a chance de morte por homicídio é 14 vezes maior, porque a mulher assume comportamentos de risco e passa a se expor ao perigo com mais frequência.

A violência doméstica e o abuso infantil também aumentam. Com seu psicológico abalado, essas mulheres formam uma visão distorcida das crianças e passam a não saber lidar com elas.

Algumas até mesmo trocam de lado na rua para não cruzar com uma mãe que venha com um carrinho de bebê em sua direção.

A dificuldade em lidar com bebês gera um trauma. Não sem conexão com essa realidade, 45% dos abortos são reincidências. A chance de interromper outras gestações se torna quatro vezes maior do que na primeira.

Síndrome pós-aborto

40% dos casos de aborto levam à depressão.

A síndrome pós-aborto é análoga à síndrome do estresse pós-traumático, como aquela vivida pelos soldados que retornaram da guerra do Vietnã. O conjunto de consequências envolve depressão, ansiedade, enjoo, culpa, pesadelos e baixa autoestima.

É muito difícil assistir à execução do próprio filho dentro de si, matá-lo sem que ele sequer tenha nascido. A contrariedade natural e biológica causada pelo aborto é algo que permanece na consciência.

As mães que pertencem ao Movimento de Mulheres Vitimadas pelo Aborto relatam que a culpa se manifestou e cresceu com a própria experiência abortiva; parte da reação própria ao aborto e não algo infundido nelas por outras pessoas.

O aumento do número de consultas por razões psicológicas aumenta em 180%. Nos consultórios, observou-se que as mulheres apresentaram mais dificuldades.

  • 79% de culpabilidade e incapacidade de perdoar a si mesmas;
  • 63% de aumento do medo em relação à próxima gravidez;
  • 55% informaram pesadelos relacionados com o aborto;
  • 49% têm dificuldade em permanecer na presença de bebês;
  • 67% relataram-se emocionalmente sobrecarregadas;
  • 2x mais propensão  ao abuso de álcool;
  • 5x mais propensão ao uso de drogas ilícitas;
  • 10x mais propensão ao uso de maconha.

As consequências do aborto induzido também estão relacionadas ao suicídio. 60% das mulheres que abortam têm pensamentos suicidas e 28% das que abortaram duas ou mais vezes realmente tentam o suicídio.

De acordo com um estudo realizado pela Bowling Green State University, Aborto y salud mental: Síntesis cuantitativa y análisis de investigaciones, o risco de abuso no consumo de maconha aumenta 200%; de álcool, 110%; de depressão, 37%; problemas de ansiedade, 34% e suicídio, 42%.

Os resultados foram apresentados pelo professor de psicologia da Universidade de Otago, David M. Ferguson.

No Reino Unido, o Dr. Gregory Pike, do Adelaide Centre for Biothics and Culture, recolheu trabalhos realizados mundialmente e publicou um trabalho intitulado “O aborto e a saúde das mulheres”.

O estudo foi realizado na Sociedade para a Proteção da Criança por Nascer do Reino Unido (SPUC).

O Dr. Pike descobriu entre as mulheres do estudo, que:

“O suicídio é cerca de seis vezes maior após o aborto do que após dar à luz”.
“O aborto está associado a taxas significativamente maiores de morte para as mulheres até dez anos após um aborto, em comparação a mulheres que dão à luz”.

Ao apresentar o relatório em 27 de outubro de 2017, Antonia Tully, diretora de campanhas da SPUC, criticou que:

“[…] ao lobby pró-aborto e à indústria do aborto, que gasta milhões de libras do contribuinte por realizar abortos financiados pelo Estado, não parece interessar o impacto do aborto nas mulheres ou se recusam a olhar o impacto que tem”.
“Nós realmente nos importamos com o fato de que mulheres que têm um aborto experimentam problemas de saúde mental 30% mais do que mulheres que dão à luz. […] Para nós, importa muito que o risco de suicídio seja aproximadamente seis vezes maior após um aborto do que após um parto”.

E os efeitos psicológicos estendem-se à família e aos médicos e enfermeiros envolvidos.

Os terceiros

A equipe médica envolvida com o aborto também enfrenta problemas. A cena de crianças sendo retiradas em pedaços do útero deixa sua marca.

Os profissionais de saúde envolvidos relatam pesadelos recorrentes, pensamentos obsessivos sobre o aborto, depressão, angústia, fadiga física, baixa autoestima, crise de identidade, sentimento de culpa, resistência para ir ao trabalho, sentimento de desassossego e fixação em imagens relacionadas ao aborto.

Os problemas descritos são mais intensos em profissionais que realizaram procedimentos abortivos contra sua própria consciência, por imposição dos hospitais e pressão social.

O aborto também apresenta um efeito desmoralizante, pois o médico se vê contrariando o que deveria fazer: salvar vidas, não assassiná-las.

Abaixo, um exemplo de um relato de uma enfermeira:

“Sonho com fetos, com todos que trabalham comigo: sonho com abortos, um atrás do outro, baldes cheios de sangue salpicados pelas paredes, árvores repletas de fetos rastejando… ‘Façamos um aborto!’, diziam com uma lascívia nauseabunda. Comecei a gritar, estava submergida em uma visão de soluções de dores fustigantes, de ser estendida e desmembrada por uma série de instrumentos que cumprem a função para que foram feitos.
Despertei quase sem poder respirar e imaginei mesas de cozinha, agulhas de tecer manchadas de sangue e as mulheres que em solidariedade apertavam almofadas em suas bocas para evitar que seus gritos passassem pelas paredes de seus departamentos”.

Finalmente, uma das principais doenças diretamente ligadas ao aborto que, curiosamente, nem sequer é mencionada.

O aborto está diretamente ligado ao câncer de mama

O-aborto-e-uma-das-principais-causas-de-cancer-de-mama

O “Outubro Rosa” é uma campanha comum que tem como objetivo prevenir o câncer de mama. Muitas pessoas aderem e se solidarizam com as mulheres que passam por isso. A contradição, entretanto, é que uma das principais causas deste problema é o aborto e não se fala sobre isso.

  • Torne-se Membro da Brasil Paralelo para ter acesso a conteúdos exclusivos de todos os documentários e acesso a dezenas de cursos sobre história, filosofia, economia, arte e educação.

Os primeiros estudos científicos que mostraram o aborto induzido como um fator de aumento de risco para o câncer de mama foram realizados em 1957. São décadas de estudos, registros e pesquisas.

Estudos feitos no mundo inteiro nos últimos 10 a 15 anos têm comprovado a consistência desta relação.

Propositalmente, os tradicionais veículos de comunicação e as grandes organizações que têm entre seus clientes, investidores e financiadores, grandes fundações e empresas ligadas à indústria bilionária do aborto, ignoram o fato.

Há dezenas de estudos sobre o link A-B-C (Link Between Abortion and Breast Cancer). Alguns serão abordados aqui.

A relação do câncer de mama ao aborto provocado

Em setembro de 1997, uma abortista renomada, Janet Daling, disse ao Los Angeles Daily News:

“Tenho três irmãs com câncer de mama, e eu abomino as pessoas que bagunçam dados científicos para apoiar sua própria agenda, seja favorável ou não ao aborto. Eu adoraria não ter encontrado qualquer associação entre o câncer de mama e o aborto, mas nossa pesquisa é sólida como rocha e nossos dados são precisos”.

Um estudo feito no Irã, com outros realizados nos Estados Unidos, China e Turquia; demonstra que o aborto é uma das principais causa do câncer de mama.

Em 2007, Patrick Carroll do PAPRI (Pension and Population Research Institute) em Londres intitulado “A Epidemia do Câncer de Mama” também demonstrou que o aborto é a principal causa desta enfermidade.

  • O aborto provocado duplica a possibilidade do câncer de mama;
  • Uma mulher com menos de 32 anos que aborta na primeira gravidez tem 140% a mais de chance de desenvolver câncer de mama, em relação a que não fez aborto.

A Dra. Angela Lanfranchi, entre as principais especialistas em câncer de mama nos Estados Unidos, conduziu uma revisão sistemática em 28 estudos epidemiológicos publicados em todo o mundo abordando o tema.

O LifeSiteNews analisou 14 estudos científicos sobre o assunto e descobriu que, na média geral, os estudos apontam que a experiência do aborto pode aumentar em 439% o risco de câncer de mama.

Outra meta-análise foi feita pelo Dr. Yubei Huang. Foram avaliadas 36 pesquisas científicas sobre a relação entre câncer de mama e aborto na China. Os resultados foram publicados na revista Cancer Causes and Control.

Os resultados foram:

  • Consequência de um aborto: 44% de chance de desenvolver câncer de mama;
  • Dois abortos: 76% de chance;
  • Três abortos ou mais: 89% de chance.

No Reino Unido, somente em 2015, de acordo com dados governamentais, 38% dos abortos foram feitos em mulheres que já tinham feito um aborto antes. Nos Estados Unidos, em média 40% dos abortos por ano são feitos por mulheres que já fizeram 1 ou 2 abortos em sua vida.

Na Rússia, o número médio de abortos por mulher varia de 7 a 8. Todas estas mulheres estão dispondo-se ao câncer, conscientemente ou não.

Em 2007, outro estudo abrangente foi publicado.

Os registros oficiais de casos de câncer de mama em nove países da Europa foram analisados:

  1. Inglaterra;
  2. Gales;
  3. Escócia;
  4. Irlanda do Norte;
  5. República da Irlanda;
  6. Suécia;
  7. República Checa;
  8. Finlândia;
  9. Dinamarca.

O estudo apresenta um gráfico apontando a correlação entre a incidência de câncer de mama e o aumento dos índices de aborto por cada 1.000 mulheres, com os dados da Inglaterra e País de Gales, no período de 1998 a 2004.

O crescimento dos casos de aborto e  câncer de mama tiveram um comportamento extremamente semelhante.

Por que o câncer de mama é uma possível consequência do aborto?

Cancer-de-mama-e-aborto

O aborto interrompe a vida da criança e todos os processos que estavam acontecendo no corpo da mãe. Na gravidez, o corpo inicia uma completa modificação hormonal para que o ambiente seja propício ao desenvolvimento da criança.

No processo de maturação das mamas, inerente à gestação, aumentam-se os níveis de estrogênio que, juntamente com outros hormônios, prepara o corpo da mulher para a amamentação.

Lóbulos, aglomerados de tecidos mamários, são desenvolvidos no seio e passam por um processo de maturação. Eles desenvolvem-se do seu estado básico, menos estáveis (lóbulos tipo 1 ou tipo 2) até os estados mais maduros, que são mais estáveis (lóbulos tipo 3 e tipo 4).

Os mais maduros são significativamente menos propensos a serem a causa de quaisquer problemas.

O problema é que o aborto interrompe de forma inesperada todo o processo da gravidez. Logo, o desenvolvimento dos lóbulos também é interrompido, desestabilizando este processo hormonal e celular.

Após a 32ª semana de gestação, os lóbulos se desenvolveram até o tipo 4, já são capazes de produzir leite e seu estágio de maturação protege a mulher contra o câncer de mama.

Com o nascimento, os lóbulos tipo 4 passam por um processo de retorno ao tipo 3, mantendo as alterações epigenéticas que protegem a mulher contra o desenvolvimento de câncer de mama.

O desenvolvimento do câncer está ligado aos lóbulos de tipo 1 e 2, ainda em um estágio instável. E este não é o único problema.

Mulheres com histórico de um aborto enfrentam 2,3 maiores riscos de ter câncer de colo de útero, em comparação com mulheres sem histórico de aborto. Mulheres com dois ou mais abortos enfrentam um risco 4,92 vezes maior.

Outros tipos de câncer também têm um risco maior de desenvolvimento após abortos simples ou múltiplos, como por exemplo o de ovário, cervical e de fígado.

Paradoxalmente ou não, o que pode ajudar a prevenir esses tipos de câncer é, justamente, ter o bebê.

Bebês diminuem o índice de câncer de mama

Amamentar-previne-o-cancer-de-mama

Uma primeira gravidez em idade tardia aumenta o risco de câncer de mama, enquanto mulheres que tiveram várias gravidezes têm 91% menos risco de ter câncer que aquelas que nunca estiveram grávidas.

Cada novo nascimento reduz o risco de câncer de mama em 50%.

O exemplo da Índia

Com uma população de mais de 1 bilhão de habitantes, o câncer de mama apresenta-se na população geral com baixos índices.

Especialistas explicam que um dos fatores que pode explicar os baixos índices de câncer de mama na Índia é o fato de as mulheres se casarem e terem filhos mais cedo do que a média de outros países, e a amamentação é um fator positivo que diminui os riscos do desenvolvimento de câncer de mama.

Os médicos consideram que a redução do risco de câncer devido à amamentação é uma questão pacificada, ou seja, não há polêmica quanto à sua eficácia.

Por todas estas razões, é possível dizer que o aborto é uma questão de saúde da mulher?

O exemplo da Argentina

No dia 30 de dezembro de 2020, a lei que legaliza o aborto na Argentina foi aprovada pelo Senado.

Não deixe de assistir a trilogia A Queda Argentina com as razões para a decadência do país e com um alerta para que o Brasil não siga os mesmos passos dos vizinhos.

O aborto até a 14ª semana de gestação passou a fazer parte do Programa Médico Obrigatório (PMO) do sistema de saúde público. Para abortar neste caso, já não é necessária uma justificativa, devendo o hospital atender à solicitação em até 10 dias.

No texto do Art. 4º – b, consta que a partir da 15ª semana de gestação o aborto continua a ser crime, exceto em caso de estupro ou “perigo à vida ou à saúde integral da mulher”. Na prática, interpretações garantem o aborto em qualquer fase da gestação.

A autoria do projeto foi do próprio presidente Alberto Fernandez junto de três de seus ministros. Ginés Gonzáles García, o Ministro da Saúde, disse ao vivo em um debate na TV Deputados para toda a nação:

“A vida não começa nunca. Não há duas vidas, mas apenas uma. Não é uma vida. Trata-se apenas de um fenômeno.”
“Se não fosse assim, estaríamos diante do maior genocídio já realizado na história, praticado por muito mais da metade do mundo civilizado.”

Está claro que os argentinos que comemoraram a legalização do aborto não se importam com as vidas dos bebês. Alguns sequer a reconhecem. Mas será que eles sabem das consequências do aborto e sabem o que as mulheres sofrerão por causa disso?

Comente e compartilhe. Quem você acha que gostará de ler sobre quais são as consequências do aborto?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Outros Artigos

VER TODOS