Mariana Goelzer
Diálogos entre nós
Diálogos entre nós

Anamnese ou de onde a ideia vem

Por 
Mariana Goelzer
4/20/2022
Compartilhe com amigos

Olavo de Carvalho, retransmitindo em forma de conselho um legado que Comte nos havia deixado, instava-nos a procurar no baú de nossas reminiscências a origem das ideias que regem nossa vida. Apesar da evidente importância do exercício, confesso que nunca submeti voluntariamente a este precioso exame as concepções que governam minhas decisões. Mas aquilo que eu mesma não fui capaz de fazer, o destino o fez por mim.

Foi assim que, recentemente, ao mergulhar em uma nova leitura, vi-me obrigada a refletir sobre minha trajetória e sobre certos sonhos antigos, ao descobri-los herdeiros de um movimento político a cujas soluções eu claramente me opunha.

Compartilhe com amigos

Durante muitos anos, vi meus projetos e projeções rondarem o mito da ascensão profissional como um equivalente para realização pessoal. Não é que a família fosse aí uma opção ausente do jogo - ela raramente é. É que ela não figurava como a peça-mestra do tabuleiro, a partir da qual elaborava meu futuro e a qual eu deveria defender, acima de tudo, com unhas e dentes. 

Com o passar dos anos, essa configuração da carreira como fonte essencial de satisfação emocional perdeu força, mas não deixou de ser um referencial, um ponto para o qual eu me voltava pensativa; uma outra estrada que me convidava sedutoramente, e a que eu recusava, ainda que um tanto vacilante.

O impulso, agora, não era propriamente deixar para trás a profissão como esse campo de preenchimento interior, mas tentar conjugá-la com o cuidado da casa e a dedicação ao relacionamento. Sem me dar conta, eu estava inadvertidamente no meio do fogo cruzado entre dois mundos, o antigo e o moderno, tentando conciliá-los. 

Como muitas mulheres na mesma posição, tive que confrontar aquela velha sabedoria de que não nos é possível abraçar todas as missões do mundo. Querer tudo significava, simultaneamente, abrir mão de algo dentro das duas esferas.

O que eu não esperava era descobrir que esse conflito interno, com todas as suas derivações, não era uma casualidade da nova circunstância social, mas antes a execução precisa do plano da pessoa que gestara para as mulheres o ideal de encontrar no trabalho o eixo central de orientação da existência.

Essa revelação me chocou. Primeiro, porque Betty Friedan, feminista dos anos 1960 responsável por elaborar essa proposta, era coautora dos meus atos, palavras e sentimentos. Segundo, porque a descoberta tinha implicações práticas urgentes que não podiam ser negligenciadas e para as quais eu não tinha uma resposta convicta.

Terceiro, porque isso me forçou a questionar quantas outras vozes e forças das quais eu discordo atuam sobre mim, participando da determinação do meu contorno final, sem que eu tenha a menor ciência disso. 

Entre tantas ponderações pertinentes, muitas ainda em fase de amadurecimento e sem formulação definitiva, ficou a rememoração de que as nossas lembranças não

são o único ponto em que podemos buscar apoio para determinar de onde vêm as nossas ideias. A cultura preserva os caminhos intelectuais percorridos pelas mentes na formatação das lentes que hoje usamos para enxergar a realidade.

Reside aí uma outra fonte nesse processo de investigação para escavar aquilo que, sem ser nosso, tornou-se parte de nós. 

Trocando os termos, podemos apontar que a história guarda o segredo de quem somos mais nitidamente, porque expõe as correntes de pensamento que nos subjugam e nos localizam no tempo.

Por isso, procurar o conhecimento é desvendar a si mesmo e, ao mesmo tempo, alcançar um instrumento para remodelar-se conscientemente a imagem e semelhança do que, de fato, nos pareça mais precioso. Uma tarefa que, sem um delinear das ideias que agem sobre nós, dificilmente conseguiremos empreender.

Compartilhe com amigos

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Publicações recentes

Vozes da BP