Devido ao lançamento da série A Sétima Arte, não teremos os programas diários nessa semana. Retornaremos com a programação normal no dia 01 de novembro.

Como ler A Divina Comédia? Com este resumo e com estas dicas você vai conseguir

Redação Brasil Paralelo
Redação Brasil Paralelo

Na entrada do inferno, lê-se assim: “Abandonai toda esperança, vós que entrais”. Como ler A Divina Comédia é uma dúvida recorrente entre os aventureiros das leituras épicas. Esse clássico foi escrito em versos e segue métricas definidas, além de ter muitos significados possíveis.

No entanto, é possível ter mais facilidade na leitura entendendo melhor a obra e tendo algumas dicas, que serão apresentadas neste artigo.

O que você vai encontrar neste artigo?

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Introdução e informações técnicas do livro A Divina Comédia de Dante Alighieri

A Divina Comédia (Divina Commedia) foi publicada entre 1304 e 1321, século XIV. Trata-se de uma publicação póstuma, ou seja, após a morte de Dante Alighieri.

Essa obra é um poema épico de cunho teológico, dividido em três partes: Inferno, Purgatório e Paraíso. Ela figura entre os maiores poemas do Ocidente e não há lista de clássicos que a ignore.

A Divina Comédia foi originalmente escrita em dialeto florentino ou toscano, língua matriz do italiano. Na época, era comum que todas as obras fossem escritas em latim. Dante foi pioneiro escrevendo na língua vernácula, já que o dialeto toscano era vulgar.

Inicialmente, houve muita rejeição em vários países, porque o vernáculo da região de Florença era considerado uma língua feia.

Porque a obra é considerada uma comédia?

Originalmente, Dante nomeou seu poema épico apenas com o nome de Comédia. Fez isso para se contrapor à tragédia.

A diferença é que uma tragédia começa bem e termina mal; e a comédia começa mal e termina bem. No caso, A Divina Comédia começa na escuridão, passa pelo inferno, pelo purgatório e termina na luz do Paraíso.

Não se entenda comédia no sentido de dar risadas, mas um conceito de enredo que possui um final feliz.

Donde surgiu então o nome conhecido hoje, A Divina Comédia?

Foi Giovanni Boccaccio que renomeou a obra após a morte de Dante. Ele foi um poeta italiano muito renomado, autor da famosa obra Decamerão. A primeira biografia de Dante Alighieri foi escrita por ele.

Boccaccio foi o responsável pela popularidade de A Divina Comédia, porque ele fazia leituras públicas da obra, aumentando o interesse das pessoas por ela. Isso aconteceu após a morte de Dante.

Grandes pintores de diferentes épocas criaram ilustrações para A Divina Comédia que marcaram a história. Os que mais se destacaram foram Botticelli, Gustave Doré e Dalí.

É interessante notar que o inferno é mais ilustrado que o paraíso, porque o inferno é algo mais próximo da humanidade. Já a vida no céu é mais difícil de imaginar. Os desenhos são mais brancos, para exaltar a presença de luz.  

  • Além de A Divina Comédia ter sido representada nas artes visuais, tornou-se também uma representação musical. É a famosa Dante Sonata de Franz Liszt. A união dessas artes foi tema do Clube da Música da Brasil Paralelo.

Estrutura

Como explicado, antes de entender como ler A Divina Comédia, alguns aspectos precisam ser ressaltados e um dos mais importantes é a simetria dos versos.

Toda a obra foi escrita em versos e está estruturada em uma simetria baseada no número três. No total, são 14.233 versos, que passaram a ser chamados de “tercetos dantescos”.

Várias trilogias podem ser percebidas:

  • Razão – Humano – Fé;
  • Onça – Leão – Loba;
  • Pai – Filho – Espírito Santo.

Nota-se a presença da terza rima (terça rima), onde as três últimas letras combinam e rimam durante todo o poema.

As estrofes possuem dez sílabas com três linhas cada, rimando na ordem ABA, BCB. CDC, DED, EFE. O verso do meio, de cada conjunto de três versos, rima com os versos marginais do terceto seguinte.  

A própria obra é dividida em três livros.

  • Inferno (34 contos – há um a mais por causa da introdução);
  • Purgatório (33 contos);
  • Paraíso (33 contos).

Somados, são 100 cantos, número da perfeição máxima. Cada canto tem 150 versos mais ou menos, divididos em tercetos.

Cada livro é separado em 9 círculos, compondo três conjuntos de nove.

Outro ponto interessante é que todos os livros que compõem A Divina Comédia de Dante Alighieri terminam com a mesma palavra: estrela.

Essas informações já são uma valiosa dicas, mas as outras, para quem deseja saber como ler A Divina Comédia, ainda serão explicadas. Primeiro, é recomendável ler este pequeno resumo da obra.

Resumo de A Divina Comédia

Como-ler-a-Divina-Comedia-de-Dante-Alighieri

Devido ao tamanho do poema épico de Dante, um resumo é uma empreitada árdua, sendo este tópico apenas uma linha condutora para o leitor se situar na trama principal.

Os personagens principais são:

  • Dante, protagonista que serve de símbolo para todos os homens;
  • Virgílio, poeta que guia Dante pelo Inferno e pelo Purgatório a pedido de Beatriz, considerado símbolo da razão.
  • Beatriz, guia no paraíso terrestre, amada de Dante e símbolo da fé;
  • São Bernardo, guida de Dante nas esferas celestes mais elevadas.

Tudo começa com Dante perdido em uma selva escura, cercado por três feras.

“Da nossa vida, em meio da jornada,
Achei-me numa selva tenebrosa,
Tendo perdido a verdadeira estrada.”
“Eis da subida quase ao mesmo instante
Assoma ágil e rápida pantera
Tendo a pele por malhas cambiante.”
“A hora amena e a quadra doce e mansa.
De um leão de repente surge o aspecto,
Que ao meu peito o pavor de novo lança.”
“Eis surge loba, que de magra espanta;
De ambições todas parecia cheia;
Foi causa a muitos de miséria tanta!”

Dante tem consciência de que se desviou do caminho de Deus. Diversos estudiosos dizem que todo o percurso durou uma semana e que ele se perdeu na sexta feira santa.

A sombra de Virgílio surge para salvá-lo guiá-lo a pedido de Beatriz. Dante estava angustiado, desesperado, e recebeu ajuda sobrenatural a pedido de Beatriz.

“Quando ao vale eu já ia baquear-me
Alguém fraco de voz diviso perto,
Que após largo silêncio quer falar-me.
Tanto que o vejo nesse grão deserto,
– Tem compaixão de mim – bradei transido –
Quem quer que sejas, sombra ou homem certo!”
“Agora, por teu prol, eu tenho o intento
De levar-te comigo; ir-te-ei guiando
Pela estância do eterno sofrimento,
Onde estridentes gritos escutando,
Verás almas antigas em tortura
Segunda morte a brados suplicando.”

Ela, sua amada, é a força libertadora de Dante diante das agruras da vida.

O processo de encontro com o humano começa enfrentando o que é doloroso. Assim, inicia-se o caminho de Dante pelo Inferno e pelo Purgatório até chegar ao paraíso.

Após a experiência do desespero, encontra-se a força da esperança, única coisa que ajuda a chegar ao fim da jornada.

Ao longo do caminho, Dante encontra personagens bíblicos do Antigo e do Novo Testamento, além de grandes nomes da história da humanidade até o século XIV.

Em A Divina Comédia, a terra dos vivos está localizada em meio a uma sucessão de círculos concêntricos. Eles foram a Esfera armilar e o meridiano onde se encontra a cidade de Jerusalém.

Quando Lúcifer caiu das esferas superiores, fez da Terra Santa um Portal do Inferno. Sua queda fez um buraco em formato de funil e toda a massa deslocada por seu corpo formou uma montanha, que é o purgatório.

A depressão do Mar Morto é resultado do buraco do inferno, para onde todas as águas convergem. E foi pelo submundo que seu guia começou com ela a jornada.

A presença de Virgílio.

Públio Virgílio Maro ou Marão foi um poeta romano clássico. É mais conhecido por sua obra Eneida, também um poema épico considerado um clássico ocidental.

Basicamente, Virgílio narra a saga de Eneias, troiano salvo dos gregos que viaja errante pelo Mediterrâneo até chegar à península Itálica. Seu destino era ser o ancestral de todos os romanos.

Tendo um poeta já conhecido guiando um outro poeta dentro de seu próprio texto, vê-se a literatura presente dentro da literatura.

  • Contribua para que mais artigos como este continuem a ser produzidos e torne-se Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 mensais. Além disso, você acessa materiais exclusivos todos os meses e ajuda na expansão e continuidade deste trabalho.

Inferno – O submundo

Divina-Comedia-Inferno

Os círculos do inferno correspondem aos pecados dos homens durante a vida. Por terem se obcecado nisso, cristalizaram essa realidade para toda a eternidade.

A passagem pelo inferno é angustiante, mas serve de alerta porque convida ao exame de consciência.

Dante mostra que o ser humano não é muito criativo para cometer pecados. O que está descrito lá, vê-se ainda hoje.

Uma das passagens mais marcantes é aquela em que se lê no portal do inferno:

“Por mim se vai das dores à morada,
Por mim se vai ao padecer eterno,
Por mim se vai à gente condenada.”
“No existir, ser nenhum a mim se avança,
Não sendo eterno, e eu eternal perduro:
Deixai, ó vós que entrais, toda esperança!”

Ele passa pelos nove círculos do Inferno tendo Virgílio como guia.

  • Primeiro Círculo, o Limbo (virtuosos pagãos);
  • Segundo Círculo, Vale dos Ventos (luxúria);
  • Terceiro Círculo, Lago de Lama (gula);
  • Quarto Círculo, Colinas de Rocha (ganância);
  • Quinto Círculo, Rio Estige (ira);
  • Sexto Círculo, Cemitério de Fogo (heresia);
  • Sétimo Círculo, Vale do Flegetonte (violência);
  • Oitavo Círculo, o Malebolge (fraude);
  • Nono Círculo, Lago Cocite (traição).

Purgatório – O lugar da purificação

Divina-Comedia-Purgatorio
“Mostrei-lhe a gente, que por má padece.
Mostrar-lhe intento os que ora estão purgando
Pecados no lugar, que te obedece.”

O Purgatório seria uma montanha composta por círculos ascendentes (as cornijas), reservados àqueles que se arrependeram em vida de seus pecados e estão em processo de expiação dos mesmos.

Como se arrependeram, podem ser salvos. Começa a experiência de redenção, esperança de purificação, possibilidade de mudar e se humanizar.

Virgílio continua sendo o guia no Purgatório. Dante sai pelo lado oposto de quando Lúcifer caiu.

  • O Rio Tibre, onde um anjo em uma barca leva as almas até o Purgatório;
  • O Ante-Purgatório, onde estão as almas dos que se arrependeram no último instante, composto de três partes;
  • O Baixo Purgatório, onde estão as almas daqueles que perverteram o amor;
  • O Médio Purgatório, onde estão as almas daqueles que não conseguiram amar;
  • O Alto Purgatório, onde ficam aqueles que amaram em excesso;
  • O Paraíso Terrestre, ou o Jardim do Éden.

Paraíso – A esfera mística

Divina-Comedia-Paraiso
“Os tesouros, porém, do reino santo,
Que arrecadar-me pôde o entendimento,
Serão matéria agora do meu canto.”

Este é o Jardim do Éden, o paraíso terrestre. Virgílio não pode mais ser o guia, porque é  pagão, não conheceu o Salvador, Jesus. Beatriz o recebe e o conduz para o paraíso.

Olhando para os olhos de Beatriz, Dante diz que todo o mundo e todo o universo se enchia de luz.

Existem sete céus móveis, cada céu corresponde a um planeta, sendo o primeiro o da Lua. Em cada um dos céus Dante é abençoado e depois vai ao encontro de Deus.

O oitavo céu, ou o primeiro céu fixo, é onde as estrelas têm a configuração que normalmente se vê da terra.

Na sequência, Dante segue para o segundo céu fixo, nono céu, que é o céu Cristalino. Já não há mais estrelas e tudo é quase apenas luz, embora ainda material.  

O décimo céu é apenas luz, é o terceiro céu fixo. Ele sim é imaterial. Em seu centro, encontra-se a rosa branca, que é Deus rodeado pelas almas, espíritos bons (eleitos, bem aventurados, santos, anjos).

É uma rosa poética, também chamada de rosa mística, em cujo centro existe um triângulo, a Santíssima Trindade.

  • A Primeira Esfera, da Lua, é a de almas que foram virtuosas mas abandonaram seus votos, sendo insuficientes na coragem;
  • A Segunda Esfera, de Mercúrio, é a das almas que fizeram bo muso de seus desejos de fama, embora insuficientes na justiça;
  • A Terceira Esfera, de Vênus, é a das almas que fizeram bons usos do amor, embora insuficientes na temperança;
  • A Quarta Esfera, do Sol, é a das almas dos sábios, personificação da prudência. Aqui Dante encontra São Tomás de Aquino e São Francisco, por exemplo;
  • A Quinta Esfera, de Marte, é a das almas que encarnaram a coragem lutando pelo cristianismo. Dante encontra Carlos Magno, por exemplo;
  • A Sexta Esfera, de Júpiter, é a das almas que personificaram a justiça. Dante encontra Davi, por exemplo;
  • A Sétima Esfera, de Saturno, é a das almas contemplativas que personificaram a temperança;
  • A Oitava Esfera, das estrelas fixas, é a da Igreja triunfante. Dante tem visões de Cristo e da Virgem Maria nessa esfera. São Pedro testa sua fé, São Tiago sua esperança e São João seu amor.
  • A Nova Esfera, Primum Mobile, é movida diretamente por Deus e fonte do movimento das outras.
  • O Empíreo. Dante vai a uma região além da existência física. Nele, as almas de todos os crentes formam pétalas de uma enorme rosa.

Quem acompanha Dante a partir do terceiro céu é São Bernardo, que por intercessão da Virgem Maria conseguiu que Dante pudesse contemplar a face de Deus, fim último do homem.

“Virgem Mãe, por teu Filho procriada,
Humilde e superior à criatura,
Por conselho eternal predestinada!”
“Esse mortal, que da ínfima lacuna
Do mundo até o empíreo, passo a passo,
Viu quando a vida espiritual reúna,
Te exora auxílio ao seu esforço escasso:
A mente sublunar lhe seja dado
A Suma Dita no celeste espaço.”

É o livro mais difícil de ler do ponto de vista da sensibilidade moderna. É um processo de penetrar nas dimensões mais amplas e profundas dos patamares da realidade.

Beatriz – a amada de Dante

Não se sabe se Beatriz realmente existiu. Existe um túmulo, mas não se sabe se é realmente dela.

Beatriz é uma musa literária. Seu nome significa aquela que gera a beatitude. Em A Divina Comédia, quanto mais eles avançam no céu, mais bonita Beatriz fica, a ponto de Dante não conseguir mais olhar para ela.

Ela deixa Dante com São Bernardo para significar o limite da teologia. Daí em diante, tudo acontece por intercessão de Nossa Senhora.

Visão de Deus

“De êxtase assim minha alma toda presa,
Atenta, absorta, imóvel se imergia,
E sempre em contemplar mais estava acesa.”

Quando Dante se vê diante de Deus, compreende as naturezas divina e humana.

Deus aparece como três círculos que representam o Pai, o Filho e o Espírito Santo com a essência de cada parte de Deus, mas cada um separado.

O livro termina com Dante tentando compreender como os círculos se encaixam, como o Filho é separado, mas ainda uno com o Pai, mas, como o próprio Dante coloca, este “não é um vôo para as minhas asas”.

Apesar do resumo ser básico, ajuda a ter noções prévias para saber como ler A Divina Comédia.

Como ler a Divina Comédia? Passo a passo

Beatriz-a-amada-de-Dante-em-A-Divina-Comedia

Como a obra é um poema épico, o primeiro passo é compreender o modo como as rimas foram feitas, o que já foi explicado.

Ademais, o poema é narrativo. Ele conta uma história, cuja trama principal foi explicada no resumo.

  • Existem técnicas específicas para ler esse tipo de obra. Aprenda mais sobre isso no artigo Como Ler Livros.

Cada canto que compõe A Divina Comédia é uma micro história em um grande ciclo. Há princípio, meio e fim.

Além de entender a história e seu fio condutor, é necessário adaptar-se ao poema. Assim como há músicas que contam histórias, essa poesia também envolve com seu ritmo.

Antes dos cantos que compõem os três livros, o próprio autor escreveu resumos com os fatos que serão explicados na poesia. É aconselhável ler cada canto sem parar, para que não se esqueça do que foi lido ao retomar a leitura. É melhor completar os ciclos.

A poesia épica não está na linguagem direta como se está acostumado a ler hoje. Portanto, melhor é ler devagar e em voz alta.

O ponto final marca o fim dos raciocínios desenvolvidos nos versos. Sendo assim, ao ler, o correto é parar a respiração apenas no ponto, porque apesar das frases estarem “partidas” em versos, o sentido pode ser um só e contínuo.

Ao ler em voz alta, pode-se imitar um ator, mudando a entonação da voz, seja para raiva, tristeza ou alegria, dependendo da palavra e situação.

Ler e interpretar ajuda no entendimento e fixação do que está acontecendo.

Ler rapidamente será um erro fatal, que provavelmente levará à incompreensão.

Dante confirmou que a obra possui quatro sentidos sobrepostos: literal, moral, alegórico e místico.

Por essa razão, quem quer que busque entender como ler A Divina Comédia, precisa considerar uma analogia: a vida de um homem perdido que encontra o caminho da salvação.

A obra possui um sentido espiritual que deve ser considerado na leitura para uma compreensão completa.

A Divina Comédia é o retrato alegórico da vida humana até Deus. Começa na escuridão e termina na luz.

O poeta Virgílio pode ser visto como uma representação da razão que vai guiando Dante. Isso fica evidente quando ele não entra no Paraíso, já que a razão sozinha não dá conta.

Com as informações sobre a obra, o resumo e as dicas de como ler A Divina Comédia, já na primeira leitura será possível desfrutar muito do que a obra tem a oferecer.

  • Se você tem dificuldade para ler, entender e se lembrar do que leu, faça parte da Sociedade do Livro. Você vai aprender o método da leitura sintópica, o mais avançado e mais utilizado pelos melhores estudantes do mundo. Além disso, grandes professores conduzirão a leitura de temas fundamentais ao ser humano, como morte, vida, amor, simbologia e muito mais.

Motivos para ler A Divina Comédia de Dante Alighieri

A Divina Comédia faz parte do cânone ocidental, como Ilíada, Odisséia, Dom Quixote e outros clássicos. Ela abre o imaginário do leitor e certamente é um dos livros mais importantes da cultura não só ocidental, como também universal.

  • Entenda o que foi a Escola de Frankfurt e qual era o plano para acabar com a cultura ocidental.

Há muita riqueza no texto. Ele foi o pioneiro e causador do nascimento da literatura italiana e, consequentemente, da literatura moderna européia.

Ela ajuda o leitor a reencontrar o que é o humano, em suas fraquezas, paixões e aspirações. É uma obra que ajuda a entender a si mesmo.

A riqueza das alegorias tornam o relato atemporal, podendo ser assimilado em qualquer tempo e cultura. Justamente isso, unido à qualidade, a torna um clássico.

Além de tudo, é fonte de conhecimento da cosmovisão medieval.

Indicações de traduções:

  • Editora 34, tradução bilíngue, em versos.
  • Editora Abril, tradução de Ernani, em prosa.
  • Editora Centaur, tradução de José Pedro Xavier, em versos.
  • Torne-se Membro do Núcleo de Formação da Brasil Paralelo para ter acesso ao Núcleo de Formação. Você terá conteúdos exclusivos de todos os documentários e acesso a dezenas de cursos sobre história, filosofia, economia, arte e educação. Aprenda com os grandes pensadores da humanidade e receba conteúdo inédito todos os meses.

Quem foi Dante Alighieri?

Quem-foi-Dante-Alighieri

Dante Alighieri foi um poeta fundamental da literatura medieval. Nasceu em Florença, na Itália, no ano de 1265 (estima-se que tenha sido no dia 25 de maio), filho de dona Bella e de Aldighiero Alighieri.

Florença era a cidade centro do mundo nessa época, onde todas as culturas circulavam.

Dante ficou órfão muito jovem. Sua mãe faleceu quando era ainda criança e o pai quando o tinha apenas dezoito anos.

Dante foi casado e teve ao menos três filhos, mas nunca se esqueceu de Beatriz, mulher por quem nutria um amor platônico.

Em vida, ele foi já celebrado como o maior poeta da região da Toscana. E não era somente escritor, atuou também como farmacêutico, médico e político. Pertenceu ao partido moderado.

Foi exilado de Florença por suspeita de corrupção, improbidade administrativa e oposição ao papa quando ocupou cargos públicos.

Durante o exílio viveu em Forlì, Verona, Arezzo, Veneza, Lucca, Pádua, Paris, Bologna, Verona e Ravenna.

A Divina Comédia foi escrita no período de exílio.

Além de A Divina Comédia, Dante escreveu vários outros livros e estudos políticos. Um dos principais se chama Vita Nuova, onde ele fala de Beatriz, seu grande amor.

Dante Alighieri morreu aos 56 anos, no dia 14 de setembro de 1321, em Ravenna, na Itália.

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre como ler A Divina Comédia?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Outros Artigos

VER TODOS