Elton Mesquita
Interregno - Esperando o retorno do Rei
Interregno - Esperando o retorno do Rei

O Que A Noite Não Mata (Parte Final)

Por 
Elton Mesquita
6/20/2022
Compartilhe com amigos

O som e o cheiro ficavam mais intensos à medida que ele avançava. As rochas se afastaram, revelando um anfiteatro natural no ponto em que o caminho terminava num rebordo de pedras. Dali tinha-se uma visão desimpedida do proscênio logo abaixo. O homem se deitou de bruços na ponta de rocha mais avançada e olhou e viu então a criatura de costas, tossindo como os gatos quando expulsam pêlo da garganta.

Compartilhe com amigos

Uma versão de pesadelo dos leões, suja e mal-tratada, com o pêlo escuro manchado de sangue antigo e recente, contorcendo-se e estirando-se para diante em arranques pausados, asas abrindo, fechando e se armando para trás e para o alto em desalinho a cada acesso, espalhando longas penas negras infestadas de piolhos pelo chão. A face vista de relance ao se voltar um pouco para trás era uma grotesca imitação do rosto humano, como se construída a partir de instruções mal compreendidas, movendo-se trêmula sobre um colo murcho de onde pendiam seios secos e peludos, de auréolas negras e rachadas. O cabelo sujo e desgrenhado, empastado de sangue seco de sol e poeira, emoldurava uma expressão faminta e maligna, de ângulos e proporções aberrantes. E pior que qualquer coisa, a voragem escura da boca muito grande, contorcida num ricto que arremedava um sorriso e revelava dentes em fileiras desconjuntadas.

O lugar era uma ruína desolada. O chão, irregular e empedrado, era manchado de marrom, vermelho e negro. Fatias de colunas tombadas se espalhavam, erodidas, próximas à base das rochas altas. Do lado direito, no canto do palco semicircular, ainda era possível ver indícios de uma pequena escadaria de degraus baixos, quase totalmente coberta por hera e musgo. Havia ossos por toda a parte, róseos, vermelhos, negros e brancos. A um canto, um crânio ainda coberto por cabelo loiro cingido por uma tiara que parecia ter sido colocada ali com displicência, como zombaria. O vento soprava tufos de cabelos de muitas cores, agora igualadas no tom baço da morte em meio a poças de sangue e jóias ensangüentadas cobertas por moscas. Broches de ouro e esmeralda, anéis de rubi, braceletes de ametista, colares e brincos… Espalhadas sobre os montes de ossos, aparecendo por entre as pilhas de excrementos e os chumaços de cabelo. Uma pequena fortuna em ouro e pedras.

A criatura finalmente expeliu o que a incomodava — uma massa de longos e úmidos cabelos humanos ensangüentados — e se voltou agilmente na direção das pedras onde o homem se escondia. Ele quedou paralisado. Não ousava levantar a cabeça para ver, mas podia ouvir tudo: passos se aproximando e se afastando, e uma contínua e engrolada queixa, numa voz mais repelente por quase parecer humana, voz alquebrada de quem padece alguma falta — sede, fome ou solidão.

O homem fechou os olhos e levou a mão ao cabo da espada e esperou, respirando suavemente. Como se encontrasse escondido, aos poucos foi conseguindo dominar o terror que amortecia os sentidos e as idéias, e então se pôs a considerar um plano de ação. Só precisava recuar bem devagar, sair dali em silêncio e procurar outro caminho para descer, ou mesmo voltar por onde viera e dar a volta pelo pé da montanha, e viveria ainda. Mais, até: iria à cidade mais próxima arregimentar mercenários e voltaria para matar a criatura.

A rocha em que ele estava rangeu alto, cambaleou para frente e desabou com um alto fragor, trazendo-o para o chão de uma só vez em meio a uma chuva de lama e pedregulhos. Seu quadril colidiu contra uma quina de rocha e o homem gritou ao ver a espada lhe escapar da mão, indo cair a meio caminho entre ele e a fera. Ele se arrojou de cara no chão e a lama o cegou. A última coisa que ele viu foram os olhos amarelentos da criatura focando-se nele, seu rosto reconfigurando-se numa expressão abjeta de surpresa feliz e faminta. O homem começou a rastejar de quatro na direção onde calculara ter caído a espada, machucando os cotovelos e joelhos nas pedras e ossos, se sujando de escória animal e sangue velho. Com um último impulso desesperado se jogou para diante, e sua mão tocou o cabo da arma. A lufada das grandes asas batia cada vez mais perto, e no instante seguinte a sombra da criatura o encobriu, crescendo rapidamente ao se abater sobre ele com violência. De olhos fechados o homem gritou e, de joelhos, golpeou o espaço à frente. A espada atingiu o flanco da criatura e reverberou cantando como se atingisse mármore. Um rugido atroou nas trevas. Gotas de saliva salpicaram-lhe o rosto e um bafio morno e fétido o envolveu, queimando-lhe as narinas, revirando-lhe o estômago e provocando convulsões de enjoo. Ele sentiu a tontura do desmaio, sua boca se encheu de saliva.

Príncipes e princesas como ele. Brinquedos caros, enfeites e perfumes e agora poças de sangue alimentavam as moscas, excremento e tufos de cabelo sem nome e sem história se espalhavam pelo chão. Outro rugido e um forte impacto no torso o derrubou e prendeu ao solo, o braço armado subitamente imobilizado por um grande peso. Cabelos roçaram-lhe o rosto e o peito e o homem soube que a coisa aproximava a cabeça. Um sopro pestilento chegou até ele e gotas de saliva pingaram e escorreram por seu rosto anunciando que a grande boca se abria. De olhos fechados ele esperou o dilaceramento, um braço cobrindo os olhos, o outro preso, retesando os músculos na antecipação da violência, resfolegando de pavor e de cansaço.

Mas o golpe fatal não veio então. E uma voz se fez ouvir nas trevas:

Existe um ser de vária voz.
Pés ele os tem quatro, dois, três.
Nada há na terra, céu ou mar
Tão inconstante, estranho ou só.
Quanto mais pés, mais lento fica,
Mais e mais fraco, cego e mouco.
DECIFRA-ME OU TE DEVORO.

A chuva voltou a cair em aguaceiros intermitentes noite adentro. O homem encontrara um vão escavado em uma parede encimado por uma projeção de pedra e decidira passar a noite ali. Por muito tempo quedou pensativo, olhando sem realmente ver a pequena recompensa sinistra que tomara para si, sopesando o objeto conspurcado, que sacrifício algum purificaria. Sua mente remoía e revirava cada faceta do acontecido com a obsessão dos culpados, encontrando muitas ocasiões para escárnio próprio e reprovação.

A vitória fora-lhe antes concedida com condescendência que conquistada. Fora pusilânime: não o salvara a astúcia de que tanto se orgulhava nem a força física, e sim o desespero e a exaustão num momento de fraqueza que o deixara prostrado e sem ação, gritando apenas:

— Sou eu! Me mata! Sou eu!

Mas o golpe fatal não viera então.

O peso em seu peito aumentou repentinamente quando a criatura tomou impulso, e o homem achou por um instante que suas costelas iriam se partir. Foi empurrado para trás com violência pelas pesadas patas traseiras e tudo ficou em silêncio. Quando conseguiu abrir os olhos, depois de lavá-los com água do cantil, o monstro não estava mais ali.

Mais de uma hora se passou até que ele se acalmasse de todo. O homem considerou por um momento seguir viagem, mas a perspectiva de descer a montanha no escuro o oprimia e ele decidiu procurar um lugar para passar a noite. Antes, no entanto, pusera em prática a idéia que tivera já na primeira vez em que vira o cenário grotesco. Trabalhando diligentemente, com uma estranha euforia, em pouco tempo juntou algumas peças de ouro incrustadas com jóias, com a intenção de derretê-las na primeira oportunidade.

Ele dormiu um sono esgarçado e inconstante, acordando a intervalos, sobressaltado por relâmpagos, levantando-se e partindo em busca de melhor abrigo ou tremendo de frio encolhido pelos cantos, coberto com o manto úmido e protegendo-se como podia do vento. Vagou no escuro por trilhas tortuosas entre as silhuetas distorcidas da vegetação raquítica, fantasmas espasmódicos que uivavam retalhando o vento entre os galhos. Pensamentos e lembranças sinistras o seguiram por toda a noite, que se estendeu em horas intermináveis entrecortadas de vigília e sono atribulado contra um imutável fundo negro até que num surdo paroxismo de agonia em uma hora perdida da madrugada ele fraquejou pela segunda vez e em delírio acreditou que a noite jamais acabaria e que se encontrava preso para sempre em um limbo eterno de suplícios. Reconhecendo a hora inescapável ele caiu de joelhos e, curvando-se para o chão, lançou o lamento contra o céu apagado:

— Ototoi, popoi da! Apollon! Apollon!

Não soube precisar quanto tempo se passara, mas em determinado momento a chuva parou.

Ele se levantou, se enrolou com o manto e seguiu, calmo e decidido, tateando pelas trilhas, achando caminho por entre os recessos escalavrados de rocha escorregadia até chegar na borda escarpada da montanha onde grandes blocos de pedra se empilhavam, projetando-se nas alturas. Ele deu o último passo à frente e a ponta do pé direito passou o rebordo de pedra.

Era noite e seria noite para sempre. Ele considerou o abismo escuro com um sorriso desapegado. Uma última ordem, um último esforço dos músculos, o abandono sem peso no céu vazio e o fim. O homem ergueu a vista para o alto, suspirou e fechou os olhos, dobrou um pouco os joelhos e inclinou o torso para diante, esvaziando-se de pensamentos e medos na hora final, suspenso nas alturas, quedando-se um pouco ainda e remoendo agora a questão premente que se apresentara de súbito diante de sua mente, sobre se teria o tom do céu noturno se alterado enquanto ele permanecia de olhos fechados, ou se seria apenas o medo que o retardava mesmo agora depois de perdidas todas as esperanças, e notando o medo que retornara aos poucos feito um escravo escorraçado ele entendeu finamente e então abriu os olhos. Sua vista passou da escuridão completa sob as pálpebras para o primeiro tom de azul escuro que a pouco e pouco sobressaía do fundo da noite. Perto da linha do horizonte as estrelas mais fracas começaram a se apagar.

A noite terminara.

Ele sentiu a mente desanuviar-se como se um deus benevolente soprasse para longe a névoa que a sufocava. Seus ombros se relaxaram e ele suspirou profundamente.

A leste ele viu a linha clara do dia se desenhando e incendiando em dourado e rosa a base das primeiras nuvens, e à claridade que aumentava ele pôde ver as terras em redor ganhando contorno e nitidez. De onde se encontrava tinha visão desimpedida das terras mais à frente, e reconheceu o ponto em que a estrada que vinha seguindo se bifurcava. Era a conhecida encruzilhada dos Três Caminhos. Perto dali, Tebas e uma recepção de herói o aguardavam.

Mais além, descendo alguns quilômetros para o fundo de um vale, ele viu um pequeno acampamento sendo desmontado lentamente enquanto alguns homens — seis pontos negros na distância — se preparavam para retomar viagem. Parecia uma caravana importante: quatro cavaleiros de escolta e uma grande carruagem dourada que faiscava à luz do novo dia.

Ele se sentiu melhor, mais confiante. Se descesse agora e seguisse em passo puxado em direção ao grupo, os alcançaria mais ou menos na altura em que a estrada se bifurcava, e eles com certeza teriam comida, que ele poderia trocar por uma das joias em melhor estado dentre as que coletara.

Firmando-se na beira da escarpa ele fitou o abismo com tranquilidade uma última vez antes de partir, e se surpreendeu então ao ver a forma da criatura, estatelada pateticamente entre as pedras lavadas de água e sangue lá embaixo.

Ela quebrara o pescoço na queda e sua cabeça se voltara para trás num ângulo grotesco. Seus olhos fitavam o homem com uma expressão que a ele pareceu indefinida à luz ainda incerta: ora sugeria alívio, ora terror, ora pena.

Compartilhe com amigos

Artigos novos direto no seu Email

Mantenha-se sempre informado com os conteúdos da Brasil Paralelo. Cadastre-se!

Publicações recentes

Convidados